Aché Untral

2,5mg, caixa com 30 cápsulas duras

Princípio ativo
:
Biotina
Classe Terapêutica
:
Outras Preparações Dermatológicas
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Untral, para o que é indicado e para o que serve?

Untral é indicado para:

  • <li>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis;</li> <li>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB).</li>

Quais as contraindicações do Untral?

Untral é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade a biotina.

Como usar o Untral?

Tratamento da síndrome das unhas frágeis

Para o tratamento das unhas frágeis, deve ser administrada uma cápsula de Untral (2,5 mg de biotina), uma vez ao dia. O prazo mínimo para obtenção dos resultados é de 30 dias, porém a maioria dos estudos mostram resultados favoráveis em períodos mais longos de 3 a 6 meses tratamento.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Tratamento da deficiência de biotinidase (DB)

Para tratamento da deficiência de biotinidase, a biotina deve ser utilizada na dose oral inicial de 5 mg/dia independentemente do peso corporal (2 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB parcial e de 10 mg/dia independentemente do peso corporal (4 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB total. Para casos sem resposta com a dose-padrão ou com exacerbações da doença, o que raramente ocorre, doses maiores podem ser utilizadas à critério médico.

O tratamento preconizado deverá ser mantido por toda a vida, já que a interrupção da medida terapêutica produz o retorno ao quadro bioquímico inicial e suas consequentes manifestações clínicas.

As cápsulas devem ser integralmente deglutidas por crianças maiores (escolares e adolescentes) ou ter seu conteúdo retirado e administrado a lactentes, pré-escolares ou pacientes com distúrbios de deglutição juntamente com leite materno, fórmula infantil ou leite. A seguir, sem lavar a colher ou o dispensador, deve-se adicionar nova quantidade do líquido utilizado para que seja administrado todo o conteúdo da cápsula.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Untral funciona?

A deficiência de biotina afeta principalmente a pele e os cabelos. O mecanismo de ação de Untral ainda não é totalmente elucidado. Entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da formação de queratina, o que justificaria seu uso na restauração da saúde e da força das unhas. A melhora das unhas pode ser observada após 3 a 6 meses de tratamento.

Na deficiência de biotinidase, a biotina não pode ser liberada a partir dos alimentos para utilização pelo organismo. Assim, o tratamento consiste na reposição oral de biotina ao longo de toda a vida.

Quais cuidados devo ter ao usar o Untral?

Gravidez e lactação

Caso esteja grávida ou amamentando, consulte seu médico antes de iniciar o tratamento com Untral (biotina).

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não existem evidências científicas de segurança para o uso de Untral durante a lactação.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Untral?

Mesmo raros, há relatos de casos de desconforto gastrintestinal e irritação de pele, provocados pelo uso de Untral.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Untral?

Caso esqueça de tomar o medicamento, continue o uso diário na dose preconizada, não devendo dobrar a dose para compensar a dose perdida.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou do cirurgião-dentista.

Qual a composição do Untral?

Cada cápsula de Untral contém:

Biotina 2,5 mg.

Excipientes: amido, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, lactose monoidratada, povidona, galato de propila, croscarmelose sódica, laurilsulfato de sódio, dióxido de silício e estearato de magnésio.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Untral maior do que a recomendada?

Não foram encontrados dados relacionados à superdosagem de Untral.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Untral com outros remédios?

Anticonvulsivantes, como a carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e a primidona, são antagonistas da biotina, os quais podem levar a uma menor absorção da biotina e, consequentemente, à redução dos níveis séricos desta vitamina quando administrados ao mesmo tempo. Portanto, informe ao seu médico se estiver usando estes medicamentos.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Untral (Biotina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis</h3> <p>Foi realizado, em 1989, um estudo cl&#xED;nico avaliando o efeito da biotina em pacientes com unhas distr&#xF3;ficas ou com dist&#xFA;rbios relacionados &#xE0; estrutura da queratina. Setenta e um pacientes foram tratados com uma dosagem oral di&#xE1;ria de 2,5 mg de biotina. Destes pacientes, 45 foram avaliados. Os resultados foram: 41 pacientes (91%) apresentaram melhora definitiva com unhas mais firmes ap&#xF3;s um per&#xED;odo m&#xE9;dio de tratamento de 5,5 &#xB1; 2,3 meses. Em quatro dos 45 pacientes (9%), a melhora foi question&#xE1;vel. Nenhum dos pacientes considerou o tratamento completamente ineficaz. Ao final do estudo, concluiu-se que a biotina, na maioria dos casos, constitui terapia eficaz para pacientes com unhas fr&#xE1;geis (Floersheim, 1989).</p> <p>Outro estudo foi realizado em 1990 com o objetivo de avaliar os resultados cl&#xED;nicos favor&#xE1;veis da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, atrav&#xE9;s de microscopia eletr&#xF4;nica de varredura em mulheres com unhas quebradi&#xE7;as ou onicosquizia. Foram observadas as extremidades distais das unhas das m&#xE3;os de 32 mulheres. As participantes do estudo foram separadas em tr&#xEA;s grupos: o grupo A foi composto por 10 indiv&#xED;duos controle, com unhas normais; o grupo B foi composto por 8 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as que foram avaliados antes e ap&#xF3;s o tratamento com a biotina; e o grupo C foi composto por 14 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as, no qual a administra&#xE7;&#xE3;o de biotina n&#xE3;o coincidiu exatamente com o recorte inicial e terminal das unhas. A espessura das unhas do grupo B aumentou significativamente em 25%. No grupo C, o aumento foi de 7%. A divis&#xE3;o das unhas foi reduzida nos grupos B e C e o arranjo celular irregular da superf&#xED;cie dorsal das unhas quebradi&#xE7;as tornou-se mais regular em todas as unhas do grupo B e em 8 dos 11 pacientes do grupo C. Ao final do estudo, os pesquisadores conclu&#xED;ram que a divis&#xE3;o e a fragilidade das unhas respondem ao tratamento com biotina (Colombo, 1990).</p> <p>No ano de 1993, foi publicado um estudo retrospectivo, avaliando o uso da suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento da fragilidade das unhas. Foram selecionados 44 pacientes com unhas fr&#xE1;geis, destes, 35 foram avaliados subjetivamente em consultas que foram realizadas ao longo de 6 meses. A dura&#xE7;&#xE3;o do tratamento foi de 1 m&#xEA;s e 15 dias at&#xE9; o m&#xE1;ximo de 7 meses. Vinte e dois pacientes (63%) demonstraram melhora cl&#xED;nica e 13 (37%) relataram n&#xE3;o haver nenhuma mudan&#xE7;a em sua condi&#xE7;&#xE3;o. Para a obten&#xE7;&#xE3;o destes resultados, a utiliza&#xE7;&#xE3;o foi de 1-4 meses. Ao t&#xE9;rmino do estudo, os dados obtidos sugeriram uma resposta positiva da biotina no tratamento das unhas quebradi&#xE7;as (Hochman, 1993).</p> <p>Em 1996, foi publicado um estudo duplo-cego, controlado com placebo, com 60 pacientes com redu&#xE7;&#xE3;o da qualidade da unha que n&#xE3;o possu&#xED;am defici&#xEA;ncia de biotina. Estes pacientes foram tratados durante um per&#xED;odo de 6 meses com 2,5 mg de biotina administrada 1 vez ao dia. As mudan&#xE7;as na qualidade da unha foram documentadas tecnicamente atrav&#xE9;s da avalia&#xE7;&#xE3;o da capacidade de incha&#xE7;o da queratina da unha ap&#xF3;s incuba&#xE7;&#xE3;o com&amp;nbsp;NaOH, pela perda de &#xE1;gua, bem como pela avalia&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica do investigador e do pr&#xF3;prio paciente. Foi demonstrado melhora da qualidade da unha em todos os par&#xE2;metros avaliados (Gehring, 1996).</p> <p>Em 2003, foi publicado estudo de revis&#xE3;o abordando a suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis. De acordo com os autores, diversos estudos t&#xEA;m demonstrado que as unhas s&#xE3;o fortalecidas e sua qualidade &#xE9; melhorada quando os pacientes ingerem 2,5 mg ao dia de biotina, por via oral, ao longo de v&#xE1;rios meses. O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina ainda n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas (Scher, 2003).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">COLOMBO, V.E. et al. Treatment of brittle fingernails and onychoschizia with biotin: Sacnning electron microscopy. J Am Acad Dermatol, v. 23, p. 1127-32, 1990.<br> FLOERSHEIM, G.L. [Treatment of brittle finger nails with biotin.] Zeitschrift fur Hautkrankheiten, v. 64, n. 1, p. 41-48, 1988.<br> GEHRING, W. [Effect of biotin on poor nail quality: a placebo-controlled double-blind clinical study]. Current Dermatol, v. 22, p. 20-25, 1996. Abstract only.<br> HOCHMAN, L.G. et al. Brittle Nails: Response to daily biotin supplementation. Cutis, v. 51, p. 303-305, 1993.<br> SCHER, R.L. et al. Brittle nail syndrome: Treatment options and the role of the nurse. Dermatology nursing, v. 15, n. 1, p. 15-23, 2003.</br></br></br></br></span></p> <h3>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB)</h3> <p>Muitos estudos localizados na literatura relatam s&#xE9;ries de casos de pacientes identificados por triagem ou screening neonatal tratados com biotina. Os achados moleculares, bioqu&#xED;micos e cl&#xED;nicos de 246 crian&#xE7;as identificadas com DB durante 8 anos de screening no Canad&#xE1; foram avaliados. Todos os pacientes foram diagnosticados e receberam prescri&#xE7;&#xE3;o de terapia com biotina durante a inf&#xE2;ncia. Em 8 anos de seguimento, tr&#xEA;s crian&#xE7;as descontinuaram o tratamento com biotina por v&#xE1;rios per&#xED;odos. Duas delas se tornaram sintom&#xE1;ticas, com ganho anormal de peso, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/saude-do-homem/queda-de-cabelo-e-calvicie/c\" target=\"_blank\">alopecia</a>, <em>rash</em> cut&#xE2;neo e atraso do desenvolvimento (Gannavarapu, 2015).</p> <p>Em Michigan, 142 crian&#xE7;as foram identificadas com DB durante 25 anos de screening. Destas, 22 possuiam defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase e 120 possuiam defici&#xEA;ncia parcial. Todos os pacientes receberam tratamento com biotina 10-15 mg/dia logo ap&#xF3;s o nascimento. Com boa ader&#xEA;ncia ao tratamento, todas tiveram desenvolvimento f&#xED;sico e cognitivo normal. Algumas delas apresentaram problemas cl&#xED;nicos leves, que n&#xE3;o foram diretamente atribu&#xED;dos &#xE0; doen&#xE7;a. Sendo assim, a terapia com biotina demonstrou prevenir o desenvolvimento de problemas neurol&#xF3;gicos e cut&#xE2;neos nesta popula&#xE7;&#xE3;o. Nos Estados Unidos, o programa de triagem neonatal de defici&#xEA;ncia de biotinidase se iniciou em 1984. Deste ano at&#xE9; 1990 foram identificados 14 casos. Crian&#xE7;as com defici&#xEA;ncia parcial n&#xE3;o demonstraram apresentar sintomas no nascimento. No entanto, a ocorr&#xEA;ncia subsequente de sintomas de defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase em algumas pessoas com defici&#xEA;ncia parcial sugere que a terapia com biotina para esta condi&#xE7;&#xE3;o pode ser justificada (Mcvoy, 1990).</p> <p>J&#xE1; na Pol&#xF4;nia, de 1991 at&#xE9; 2015, 22 pacientes foram identificados com DB. Todos estes pacientes foram tratados com biotina. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas receberam uma dose inicial de 20 mg, que foi gradualmente reduzida para 5 mg. Pacientes assintom&#xE1;ticos receberam 5 mg/dia. Em 5 pacientes sintom&#xE1;ticos, uma atrofia progressiva do nervo &#xF3;ptico j&#xE1; havia sido observada no momento do in&#xED;cio do tratamento. Nesses pacientes, a perda auditiva neurossensorial tamb&#xE9;m havia sido diagnosticada independente do tratamento com biotina. Os pacientes assintom&#xE1;ticos tratados com biotina n&#xE3;o apresentaram sinais ou sintomas. A suplementa&#xE7;&#xE3;o com biotina demonstrou desacelerar a progress&#xE3;o da DB em pacientes sintom&#xE1;ticos, mas n&#xE3;o reverteu a atrofia nervosa. No entanto, a introdu&#xE7;&#xE3;o do tratamento na fase pr&#xE9;-sintom&#xE1;tica demonstrou prevenir o aparecimento de sintomas, incluindo atrofia &#xF3;ptica e perda auditiva (Szymanska, 2015).</p> <p>Entre 1998 e 2004, foram identificados 119 pacientes com DB de diversos pa&#xED;ses da Europa. Estes pacientes foram diagnosticados em screening neonatal ou ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas. As crian&#xE7;as diagnosticadas no nascimento foram tratas pr&#xE9;-sintomativamente, e as crian&#xE7;as diagnosticadas tardiamente foram tratadas ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas cl&#xED;nicos. Dessas, 37 crian&#xE7;as forneceram dados para o estudo de acompanhamento. Todas as 11 crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentavam atividade enzim&#xE1;tica &lt;1%, que n&#xE3;o foi detectada pela triagem neonatal. Algumas crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentaram comprometimento residual: defici&#xEA;ncia auditiva (n=2), atrofia &#xF3;ptica (n=2) e defici&#xEA;ncia auditiva e atrofia &#xF3;ptica (n=2). Al&#xE9;m disso, as crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas demonstraram maior risco de atraso no desenvolvimento motor e da fala. Nenhuma crian&#xE7;a diagnosticada por triagem neonatal teve perda auditiva ou visual, e os marcos de desenvolvimento da fala e das habilidades motoras foram atingidos em uma idade apropriada. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas muitas vezes apresentaram atrasos no desenvolvimento, com risco de danos irrevers&#xED;veis nas fun&#xE7;&#xF5;es auditivas, visuais e nervosas, diferentemente das crian&#xE7;as tratadas pr&#xE9;-sintomaticamente (Weber, 2004).</p> <p>Outros relatos de caso isolados tamb&#xE9;m referem preven&#xE7;&#xE3;o do aparecimento de altera&#xE7;&#xF5;es visuais e auditivas bem como a recupera&#xE7;&#xE3;o dessas manifesta&#xE7;&#xF5;es quando j&#xE1; instaladas, tanto do ponto de vista cl&#xED;nico quanto em rela&#xE7;&#xE3;o a par&#xE2;metros eletrofisiol&#xF3;gicos (como potenciais evocados e eletroneuromiografia), neurorradiol&#xF3;gicos (por exemplo, resson&#xE2;ncia magn&#xE9;tica) e laboratoriais e metab&#xF3;licos (como acidose l&#xE1;ctica), levando assim &#xE0; manuten&#xE7;&#xE3;o ou recupera&#xE7;&#xE3;o do desenvolvimento neuropsicomotor normal, podendo, em alguns casos haver reversibilidade inclusive de sequelas auditivas. Em alguns casos, a demora no in&#xED;cio do tratamento pode ocasionar irreversibilidade das sequelas neurol&#xF3;gicas, oftalmol&#xF3;gicas (especialmente, atrofia &#xF3;ptica) e auditivas (surdez neurossensorial) (Wallace, 1985; Ramaekers, 1993, Haagerup, 1997; Straussberg, 2000, Grunewald, 2004).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">GANNAVARAPU, S. et al. Biotinidase deficiency: Spectrum of molecular, enzymatic and clinical information from newborn screening Ontario, Canada (2007-2014). Mol Genet Metab, v. 116, n. 3, p. 146-51, 2015.<br> GR&#xDC;NEWALD, S. et al. Biotinidase deficiency: a treatable leukoencephalopathy. Neuropediatrics, v. 35, n. 4, p. 211-6, 2004.<br> HAAGERUP, A. et al. Biotinidase deficiency: two cases of very early presentation. Dev Med Child Neurol, v. 39, n. 12, p. 832-5, 1997.<br> MC VOY, J. R. et al. Partial biotinidase deficiency: clinical and biochemical features. J Pediatr., v. 116, n. 1, p. 78-83, 1990.<br> RAMAEKERS, V. T. et al. Recovery from neurological deficits following biotin treatment in a biotinidase Km variant. Neuropediatrics, v. 24, n. 2, p. 98-102, 1993.<br> STRAUSSBERG, R. Reversible deafness caused by biotinidase deficiency. Pediatr Neurol, v. 23, n. 3, p. 269-70, 2000.<br> SZYMANSKA, E. et al. Outcomes of oral biotin treatment in patients with biotinidase deficiency - Twenty years follow-up. Mol Genet Metab Rep, v. 5, p. 33-35, 2015.<br> WALLACE, S. J. Biotinidase deficiency: presymptomatic treatment. Arch Dis Child, v. 60, p. 574-5, 1985.<br> WEBER, P. et al. Outcome in patients with profound biotinidase deficiency: relevance of newborn screening. Dev Med Child Neurol, v. 46, n. 7, p. 481-4, 2004.</br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>A biotina &#xE9; cofator nas rea&#xE7;&#xF5;es da carboxilase que participa da s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, nucleot&#xED;deos, purinas e no metabolismo das cadeias de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/fitness/ganho-de-massa/aminoacidos/c\" target=\"_blank\">amino&#xE1;cidos</a>. Existem apenas 4 carboxilases nos tecidos dos animais e as a&#xE7;&#xF5;es da biotina como coenzima produzem uma cascata de acontecimentos metab&#xF3;licos. A biotina afeta a express&#xE3;o do gene atrav&#xE9;s da rea&#xE7;&#xE3;o que ocorre quando ocorre a liga&#xE7;&#xE3;o covalente com as histonas nos n&#xFA;cleos das c&#xE9;lulas. A vitamina regula a s&#xED;ntese da enzima glucoquinase, cuja atua&#xE7;&#xE3;o &#xE9; altamente espec&#xED;fica para <a href=\"https://consultaremedios.com.br/glicose/bula\" target=\"_blank\">glicose</a>.</p> <p>A defici&#xEA;ncia de biotina afeta, principalmente, a pele e os <a href=\"https://consultaremedios.com.br/cuidados-pessoais/cabelos/c\" target=\"_blank\">cabelos</a>. Na defici&#xEA;ncia de biotinidase, a biotina n&#xE3;o pode ser liberada a partir de pequenos biotinilpept&#xED;dios e da biocitina, presentes em alimentos, como leite, ovos, carne, nozes e arroz integral. Essa vitamina &#xE9; cofator de diversas enzimas carboxilases, envolvidas na s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, no metabolismo da isoleucina e valina bem como na gliconeog&#xEA;nese. Assim, pacientes com DB s&#xE3;o incapazes de reciclar a biotina end&#xF3;gena ou usar a biotina ligada &#xE0;s <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> da dieta. Consequentemente, a biotina &#xE9; perdida na urina, principalmente sob a forma de biocitina, ocorrendo o esgotamento progressivo.</p> <p>Em estudo realizado com administra&#xE7;&#xE3;o oral de biotina em dosagens de 600 e 900 mg, concluiu-se que a meia-vida de elimina&#xE7;&#xE3;o &#xE9; de aproximadamente 1 hora e 50 minutos. A biotina administrada por via oral tem biodisponibilidade sist&#xEA;mica em torno de 50% da sua dose ingerida. A absor&#xE7;&#xE3;o ocorre no intestino delgado, que obt&#xE9;m a biotina a partir de algumas fontes: dieta, suplementos e s&#xED;ntese realizada por bact&#xE9;rias no pr&#xF3;prio intestino grosso. A biotina provinda dos alimentos aparentemente &#xE9; transportada para dentro dos enter&#xF3;citos por um transportador s&#xF3;dio dependente.</p> <p>Em doses mais elevadas de biotina, a absor&#xE7;&#xE3;o ocorre atrav&#xE9;s de difus&#xE3;o passiva. A absor&#xE7;&#xE3;o da biotina produzida pela microflora do c&#xF3;lon ocorre atrav&#xE9;s de um processo mediado por um transportador no intestino grosso proximal. A absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; maior no jejuno do que no &#xED;leo.</p> <p>A biotina &#xE9; intensamente metabolizada no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a>, j&#xE1; que este &#xF3;rg&#xE3;o &#xE9; a principal fonte de biotinidase, a enzima que n&#xE3;o s&#xF3; &#xE9; importante no reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena, como tamb&#xE9;m atua na biotina ligada &#xE0; prote&#xED;na. Seus metab&#xF3;litos principais s&#xE3;o a bisnorbiotina e o sulf&#xF3;xido de biotina que s&#xE3;o considerados inativos.</p> <p>A biotina &#xE9; eliminada principalmente atrav&#xE9;s da urina.</p> <p>A elimina&#xE7;&#xE3;o pelo leite materno n&#xE3;o &#xE9; conhecida e n&#xE3;o h&#xE1; evid&#xEA;ncias cient&#xED;ficas para o uso seguro da biotina durante a lacta&#xE7;&#xE3;o.</p> <p>O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas. Como os mam&#xED;feros n&#xE3;o podem sintetizar biotina, a vitamina deve ser obtida a partir da dieta e do reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena.</p> <p>A Ingest&#xE3;o Di&#xE1;ria Recomendada (IDR) de biotina em adultos &#xE9; de 30 &#x3BC;g. Visando o manejo dos estados carenciais, o n&#xED;vel m&#xE1;ximo seguro de suplementa&#xE7;&#xE3;o da biotina &#xE9; de 2,5 mg. N&#xE3;o h&#xE1; dados relacionados a ajuste de dose em indiv&#xED;duos portadores de insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica ou renal.</p> <p>Assim, no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, a dosagem que deve ser administrada &#xE9; de 2,5 mg de biotina, uma vez ao dia por, pelo menos, um m&#xEA;s.</p> <p>O tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase consiste na reposi&#xE7;&#xE3;o oral de biotina. As doses utilizadas para esta indica&#xE7;&#xE3;o variam de 5 a 10 mg/dia, ao longo de toda a vida.</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Untral?

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Untral é uma cápsula gelatinosa dura com o corpo vermelho e tampa vermelha, contendo pó branco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja dentro do prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.&nbsp;

Apresentações do Untral

Cápsulas duras de 2,5 mg. Embalagens com 30 e 90 cápsulas.

Uso oral.

Uso adulto para o tratamento das unhas frágeis.

Uso adulto e pediátrico para o tratamento da deficiência de biotinidase.

Dizeres Legais do Untral

MS - 1.0573.0483

Farmacêutica Responsável:
Gabriela Mallmann
CRF-SP nº 30.138

Registrado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 - 20º andar
São Paulo - SP
CNPJ 60.659.463/0029-92
Indústria Brasileira




Fabricado e embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Guarulhos – SP

Ou

Embalagem com 30 cápsulas

Embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Cabo de Santo Agostinho - PE

Venda sob prescrição médica.&nbsp;

2,5mg, caixa com 90 cápsulas duras

Princípio ativo
:
Biotina
Classe Terapêutica
:
Outras Preparações Dermatológicas
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Untral, para o que é indicado e para o que serve?

Untral é indicado para:

  • <li>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis;</li> <li>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB).</li>

Quais as contraindicações do Untral?

Untral é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade a biotina.

Como usar o Untral?

Tratamento da síndrome das unhas frágeis

Para o tratamento das unhas frágeis, deve ser administrada uma cápsula de Untral (2,5 mg de biotina), uma vez ao dia. O prazo mínimo para obtenção dos resultados é de 30 dias, porém a maioria dos estudos mostram resultados favoráveis em períodos mais longos de 3 a 6 meses tratamento.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Tratamento da deficiência de biotinidase (DB)

Para tratamento da deficiência de biotinidase, a biotina deve ser utilizada na dose oral inicial de 5 mg/dia independentemente do peso corporal (2 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB parcial e de 10 mg/dia independentemente do peso corporal (4 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB total. Para casos sem resposta com a dose-padrão ou com exacerbações da doença, o que raramente ocorre, doses maiores podem ser utilizadas à critério médico.

O tratamento preconizado deverá ser mantido por toda a vida, já que a interrupção da medida terapêutica produz o retorno ao quadro bioquímico inicial e suas consequentes manifestações clínicas.

As cápsulas devem ser integralmente deglutidas por crianças maiores (escolares e adolescentes) ou ter seu conteúdo retirado e administrado a lactentes, pré-escolares ou pacientes com distúrbios de deglutição juntamente com leite materno, fórmula infantil ou leite. A seguir, sem lavar a colher ou o dispensador, deve-se adicionar nova quantidade do líquido utilizado para que seja administrado todo o conteúdo da cápsula.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Untral funciona?

A deficiência de biotina afeta principalmente a pele e os cabelos. O mecanismo de ação de Untral ainda não é totalmente elucidado. Entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da formação de queratina, o que justificaria seu uso na restauração da saúde e da força das unhas. A melhora das unhas pode ser observada após 3 a 6 meses de tratamento.

Na deficiência de biotinidase, a biotina não pode ser liberada a partir dos alimentos para utilização pelo organismo. Assim, o tratamento consiste na reposição oral de biotina ao longo de toda a vida.

Quais cuidados devo ter ao usar o Untral?

Gravidez e lactação

Caso esteja grávida ou amamentando, consulte seu médico antes de iniciar o tratamento com Untral (biotina).

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não existem evidências científicas de segurança para o uso de Untral durante a lactação.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Untral?

Mesmo raros, há relatos de casos de desconforto gastrintestinal e irritação de pele, provocados pelo uso de Untral.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Untral?

Caso esqueça de tomar o medicamento, continue o uso diário na dose preconizada, não devendo dobrar a dose para compensar a dose perdida.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou do cirurgião-dentista.

Qual a composição do Untral?

Cada cápsula de Untral contém:

Biotina 2,5 mg.

Excipientes: amido, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, lactose monoidratada, povidona, galato de propila, croscarmelose sódica, laurilsulfato de sódio, dióxido de silício e estearato de magnésio.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Untral maior do que a recomendada?

Não foram encontrados dados relacionados à superdosagem de Untral.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Untral com outros remédios?

Anticonvulsivantes, como a carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e a primidona, são antagonistas da biotina, os quais podem levar a uma menor absorção da biotina e, consequentemente, à redução dos níveis séricos desta vitamina quando administrados ao mesmo tempo. Portanto, informe ao seu médico se estiver usando estes medicamentos.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Untral (Biotina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis</h3> <p>Foi realizado, em 1989, um estudo cl&#xED;nico avaliando o efeito da biotina em pacientes com unhas distr&#xF3;ficas ou com dist&#xFA;rbios relacionados &#xE0; estrutura da queratina. Setenta e um pacientes foram tratados com uma dosagem oral di&#xE1;ria de 2,5 mg de biotina. Destes pacientes, 45 foram avaliados. Os resultados foram: 41 pacientes (91%) apresentaram melhora definitiva com unhas mais firmes ap&#xF3;s um per&#xED;odo m&#xE9;dio de tratamento de 5,5 &#xB1; 2,3 meses. Em quatro dos 45 pacientes (9%), a melhora foi question&#xE1;vel. Nenhum dos pacientes considerou o tratamento completamente ineficaz. Ao final do estudo, concluiu-se que a biotina, na maioria dos casos, constitui terapia eficaz para pacientes com unhas fr&#xE1;geis (Floersheim, 1989).</p> <p>Outro estudo foi realizado em 1990 com o objetivo de avaliar os resultados cl&#xED;nicos favor&#xE1;veis da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, atrav&#xE9;s de microscopia eletr&#xF4;nica de varredura em mulheres com unhas quebradi&#xE7;as ou onicosquizia. Foram observadas as extremidades distais das unhas das m&#xE3;os de 32 mulheres. As participantes do estudo foram separadas em tr&#xEA;s grupos: o grupo A foi composto por 10 indiv&#xED;duos controle, com unhas normais; o grupo B foi composto por 8 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as que foram avaliados antes e ap&#xF3;s o tratamento com a biotina; e o grupo C foi composto por 14 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as, no qual a administra&#xE7;&#xE3;o de biotina n&#xE3;o coincidiu exatamente com o recorte inicial e terminal das unhas. A espessura das unhas do grupo B aumentou significativamente em 25%. No grupo C, o aumento foi de 7%. A divis&#xE3;o das unhas foi reduzida nos grupos B e C e o arranjo celular irregular da superf&#xED;cie dorsal das unhas quebradi&#xE7;as tornou-se mais regular em todas as unhas do grupo B e em 8 dos 11 pacientes do grupo C. Ao final do estudo, os pesquisadores conclu&#xED;ram que a divis&#xE3;o e a fragilidade das unhas respondem ao tratamento com biotina (Colombo, 1990).</p> <p>No ano de 1993, foi publicado um estudo retrospectivo, avaliando o uso da suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento da fragilidade das unhas. Foram selecionados 44 pacientes com unhas fr&#xE1;geis, destes, 35 foram avaliados subjetivamente em consultas que foram realizadas ao longo de 6 meses. A dura&#xE7;&#xE3;o do tratamento foi de 1 m&#xEA;s e 15 dias at&#xE9; o m&#xE1;ximo de 7 meses. Vinte e dois pacientes (63%) demonstraram melhora cl&#xED;nica e 13 (37%) relataram n&#xE3;o haver nenhuma mudan&#xE7;a em sua condi&#xE7;&#xE3;o. Para a obten&#xE7;&#xE3;o destes resultados, a utiliza&#xE7;&#xE3;o foi de 1-4 meses. Ao t&#xE9;rmino do estudo, os dados obtidos sugeriram uma resposta positiva da biotina no tratamento das unhas quebradi&#xE7;as (Hochman, 1993).</p> <p>Em 1996, foi publicado um estudo duplo-cego, controlado com placebo, com 60 pacientes com redu&#xE7;&#xE3;o da qualidade da unha que n&#xE3;o possu&#xED;am defici&#xEA;ncia de biotina. Estes pacientes foram tratados durante um per&#xED;odo de 6 meses com 2,5 mg de biotina administrada 1 vez ao dia. As mudan&#xE7;as na qualidade da unha foram documentadas tecnicamente atrav&#xE9;s da avalia&#xE7;&#xE3;o da capacidade de incha&#xE7;o da queratina da unha ap&#xF3;s incuba&#xE7;&#xE3;o com&amp;nbsp;NaOH, pela perda de &#xE1;gua, bem como pela avalia&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica do investigador e do pr&#xF3;prio paciente. Foi demonstrado melhora da qualidade da unha em todos os par&#xE2;metros avaliados (Gehring, 1996).</p> <p>Em 2003, foi publicado estudo de revis&#xE3;o abordando a suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis. De acordo com os autores, diversos estudos t&#xEA;m demonstrado que as unhas s&#xE3;o fortalecidas e sua qualidade &#xE9; melhorada quando os pacientes ingerem 2,5 mg ao dia de biotina, por via oral, ao longo de v&#xE1;rios meses. O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina ainda n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas (Scher, 2003).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">COLOMBO, V.E. et al. Treatment of brittle fingernails and onychoschizia with biotin: Sacnning electron microscopy. J Am Acad Dermatol, v. 23, p. 1127-32, 1990.<br> FLOERSHEIM, G.L. [Treatment of brittle finger nails with biotin.] Zeitschrift fur Hautkrankheiten, v. 64, n. 1, p. 41-48, 1988.<br> GEHRING, W. [Effect of biotin on poor nail quality: a placebo-controlled double-blind clinical study]. Current Dermatol, v. 22, p. 20-25, 1996. Abstract only.<br> HOCHMAN, L.G. et al. Brittle Nails: Response to daily biotin supplementation. Cutis, v. 51, p. 303-305, 1993.<br> SCHER, R.L. et al. Brittle nail syndrome: Treatment options and the role of the nurse. Dermatology nursing, v. 15, n. 1, p. 15-23, 2003.</br></br></br></br></span></p> <h3>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB)</h3> <p>Muitos estudos localizados na literatura relatam s&#xE9;ries de casos de pacientes identificados por triagem ou screening neonatal tratados com biotina. Os achados moleculares, bioqu&#xED;micos e cl&#xED;nicos de 246 crian&#xE7;as identificadas com DB durante 8 anos de screening no Canad&#xE1; foram avaliados. Todos os pacientes foram diagnosticados e receberam prescri&#xE7;&#xE3;o de terapia com biotina durante a inf&#xE2;ncia. Em 8 anos de seguimento, tr&#xEA;s crian&#xE7;as descontinuaram o tratamento com biotina por v&#xE1;rios per&#xED;odos. Duas delas se tornaram sintom&#xE1;ticas, com ganho anormal de peso, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/saude-do-homem/queda-de-cabelo-e-calvicie/c\" target=\"_blank\">alopecia</a>, <em>rash</em> cut&#xE2;neo e atraso do desenvolvimento (Gannavarapu, 2015).</p> <p>Em Michigan, 142 crian&#xE7;as foram identificadas com DB durante 25 anos de screening. Destas, 22 possuiam defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase e 120 possuiam defici&#xEA;ncia parcial. Todos os pacientes receberam tratamento com biotina 10-15 mg/dia logo ap&#xF3;s o nascimento. Com boa ader&#xEA;ncia ao tratamento, todas tiveram desenvolvimento f&#xED;sico e cognitivo normal. Algumas delas apresentaram problemas cl&#xED;nicos leves, que n&#xE3;o foram diretamente atribu&#xED;dos &#xE0; doen&#xE7;a. Sendo assim, a terapia com biotina demonstrou prevenir o desenvolvimento de problemas neurol&#xF3;gicos e cut&#xE2;neos nesta popula&#xE7;&#xE3;o. Nos Estados Unidos, o programa de triagem neonatal de defici&#xEA;ncia de biotinidase se iniciou em 1984. Deste ano at&#xE9; 1990 foram identificados 14 casos. Crian&#xE7;as com defici&#xEA;ncia parcial n&#xE3;o demonstraram apresentar sintomas no nascimento. No entanto, a ocorr&#xEA;ncia subsequente de sintomas de defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase em algumas pessoas com defici&#xEA;ncia parcial sugere que a terapia com biotina para esta condi&#xE7;&#xE3;o pode ser justificada (Mcvoy, 1990).</p> <p>J&#xE1; na Pol&#xF4;nia, de 1991 at&#xE9; 2015, 22 pacientes foram identificados com DB. Todos estes pacientes foram tratados com biotina. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas receberam uma dose inicial de 20 mg, que foi gradualmente reduzida para 5 mg. Pacientes assintom&#xE1;ticos receberam 5 mg/dia. Em 5 pacientes sintom&#xE1;ticos, uma atrofia progressiva do nervo &#xF3;ptico j&#xE1; havia sido observada no momento do in&#xED;cio do tratamento. Nesses pacientes, a perda auditiva neurossensorial tamb&#xE9;m havia sido diagnosticada independente do tratamento com biotina. Os pacientes assintom&#xE1;ticos tratados com biotina n&#xE3;o apresentaram sinais ou sintomas. A suplementa&#xE7;&#xE3;o com biotina demonstrou desacelerar a progress&#xE3;o da DB em pacientes sintom&#xE1;ticos, mas n&#xE3;o reverteu a atrofia nervosa. No entanto, a introdu&#xE7;&#xE3;o do tratamento na fase pr&#xE9;-sintom&#xE1;tica demonstrou prevenir o aparecimento de sintomas, incluindo atrofia &#xF3;ptica e perda auditiva (Szymanska, 2015).</p> <p>Entre 1998 e 2004, foram identificados 119 pacientes com DB de diversos pa&#xED;ses da Europa. Estes pacientes foram diagnosticados em screening neonatal ou ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas. As crian&#xE7;as diagnosticadas no nascimento foram tratas pr&#xE9;-sintomativamente, e as crian&#xE7;as diagnosticadas tardiamente foram tratadas ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas cl&#xED;nicos. Dessas, 37 crian&#xE7;as forneceram dados para o estudo de acompanhamento. Todas as 11 crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentavam atividade enzim&#xE1;tica &lt;1%, que n&#xE3;o foi detectada pela triagem neonatal. Algumas crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentaram comprometimento residual: defici&#xEA;ncia auditiva (n=2), atrofia &#xF3;ptica (n=2) e defici&#xEA;ncia auditiva e atrofia &#xF3;ptica (n=2). Al&#xE9;m disso, as crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas demonstraram maior risco de atraso no desenvolvimento motor e da fala. Nenhuma crian&#xE7;a diagnosticada por triagem neonatal teve perda auditiva ou visual, e os marcos de desenvolvimento da fala e das habilidades motoras foram atingidos em uma idade apropriada. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas muitas vezes apresentaram atrasos no desenvolvimento, com risco de danos irrevers&#xED;veis nas fun&#xE7;&#xF5;es auditivas, visuais e nervosas, diferentemente das crian&#xE7;as tratadas pr&#xE9;-sintomaticamente (Weber, 2004).</p> <p>Outros relatos de caso isolados tamb&#xE9;m referem preven&#xE7;&#xE3;o do aparecimento de altera&#xE7;&#xF5;es visuais e auditivas bem como a recupera&#xE7;&#xE3;o dessas manifesta&#xE7;&#xF5;es quando j&#xE1; instaladas, tanto do ponto de vista cl&#xED;nico quanto em rela&#xE7;&#xE3;o a par&#xE2;metros eletrofisiol&#xF3;gicos (como potenciais evocados e eletroneuromiografia), neurorradiol&#xF3;gicos (por exemplo, resson&#xE2;ncia magn&#xE9;tica) e laboratoriais e metab&#xF3;licos (como acidose l&#xE1;ctica), levando assim &#xE0; manuten&#xE7;&#xE3;o ou recupera&#xE7;&#xE3;o do desenvolvimento neuropsicomotor normal, podendo, em alguns casos haver reversibilidade inclusive de sequelas auditivas. Em alguns casos, a demora no in&#xED;cio do tratamento pode ocasionar irreversibilidade das sequelas neurol&#xF3;gicas, oftalmol&#xF3;gicas (especialmente, atrofia &#xF3;ptica) e auditivas (surdez neurossensorial) (Wallace, 1985; Ramaekers, 1993, Haagerup, 1997; Straussberg, 2000, Grunewald, 2004).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">GANNAVARAPU, S. et al. Biotinidase deficiency: Spectrum of molecular, enzymatic and clinical information from newborn screening Ontario, Canada (2007-2014). Mol Genet Metab, v. 116, n. 3, p. 146-51, 2015.<br> GR&#xDC;NEWALD, S. et al. Biotinidase deficiency: a treatable leukoencephalopathy. Neuropediatrics, v. 35, n. 4, p. 211-6, 2004.<br> HAAGERUP, A. et al. Biotinidase deficiency: two cases of very early presentation. Dev Med Child Neurol, v. 39, n. 12, p. 832-5, 1997.<br> MC VOY, J. R. et al. Partial biotinidase deficiency: clinical and biochemical features. J Pediatr., v. 116, n. 1, p. 78-83, 1990.<br> RAMAEKERS, V. T. et al. Recovery from neurological deficits following biotin treatment in a biotinidase Km variant. Neuropediatrics, v. 24, n. 2, p. 98-102, 1993.<br> STRAUSSBERG, R. Reversible deafness caused by biotinidase deficiency. Pediatr Neurol, v. 23, n. 3, p. 269-70, 2000.<br> SZYMANSKA, E. et al. Outcomes of oral biotin treatment in patients with biotinidase deficiency - Twenty years follow-up. Mol Genet Metab Rep, v. 5, p. 33-35, 2015.<br> WALLACE, S. J. Biotinidase deficiency: presymptomatic treatment. Arch Dis Child, v. 60, p. 574-5, 1985.<br> WEBER, P. et al. Outcome in patients with profound biotinidase deficiency: relevance of newborn screening. Dev Med Child Neurol, v. 46, n. 7, p. 481-4, 2004.</br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>A biotina &#xE9; cofator nas rea&#xE7;&#xF5;es da carboxilase que participa da s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, nucleot&#xED;deos, purinas e no metabolismo das cadeias de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/fitness/ganho-de-massa/aminoacidos/c\" target=\"_blank\">amino&#xE1;cidos</a>. Existem apenas 4 carboxilases nos tecidos dos animais e as a&#xE7;&#xF5;es da biotina como coenzima produzem uma cascata de acontecimentos metab&#xF3;licos. A biotina afeta a express&#xE3;o do gene atrav&#xE9;s da rea&#xE7;&#xE3;o que ocorre quando ocorre a liga&#xE7;&#xE3;o covalente com as histonas nos n&#xFA;cleos das c&#xE9;lulas. A vitamina regula a s&#xED;ntese da enzima glucoquinase, cuja atua&#xE7;&#xE3;o &#xE9; altamente espec&#xED;fica para <a href=\"https://consultaremedios.com.br/glicose/bula\" target=\"_blank\">glicose</a>.</p> <p>A defici&#xEA;ncia de biotina afeta, principalmente, a pele e os <a href=\"https://consultaremedios.com.br/cuidados-pessoais/cabelos/c\" target=\"_blank\">cabelos</a>. Na defici&#xEA;ncia de biotinidase, a biotina n&#xE3;o pode ser liberada a partir de pequenos biotinilpept&#xED;dios e da biocitina, presentes em alimentos, como leite, ovos, carne, nozes e arroz integral. Essa vitamina &#xE9; cofator de diversas enzimas carboxilases, envolvidas na s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, no metabolismo da isoleucina e valina bem como na gliconeog&#xEA;nese. Assim, pacientes com DB s&#xE3;o incapazes de reciclar a biotina end&#xF3;gena ou usar a biotina ligada &#xE0;s <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> da dieta. Consequentemente, a biotina &#xE9; perdida na urina, principalmente sob a forma de biocitina, ocorrendo o esgotamento progressivo.</p> <p>Em estudo realizado com administra&#xE7;&#xE3;o oral de biotina em dosagens de 600 e 900 mg, concluiu-se que a meia-vida de elimina&#xE7;&#xE3;o &#xE9; de aproximadamente 1 hora e 50 minutos. A biotina administrada por via oral tem biodisponibilidade sist&#xEA;mica em torno de 50% da sua dose ingerida. A absor&#xE7;&#xE3;o ocorre no intestino delgado, que obt&#xE9;m a biotina a partir de algumas fontes: dieta, suplementos e s&#xED;ntese realizada por bact&#xE9;rias no pr&#xF3;prio intestino grosso. A biotina provinda dos alimentos aparentemente &#xE9; transportada para dentro dos enter&#xF3;citos por um transportador s&#xF3;dio dependente.</p> <p>Em doses mais elevadas de biotina, a absor&#xE7;&#xE3;o ocorre atrav&#xE9;s de difus&#xE3;o passiva. A absor&#xE7;&#xE3;o da biotina produzida pela microflora do c&#xF3;lon ocorre atrav&#xE9;s de um processo mediado por um transportador no intestino grosso proximal. A absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; maior no jejuno do que no &#xED;leo.</p> <p>A biotina &#xE9; intensamente metabolizada no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a>, j&#xE1; que este &#xF3;rg&#xE3;o &#xE9; a principal fonte de biotinidase, a enzima que n&#xE3;o s&#xF3; &#xE9; importante no reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena, como tamb&#xE9;m atua na biotina ligada &#xE0; prote&#xED;na. Seus metab&#xF3;litos principais s&#xE3;o a bisnorbiotina e o sulf&#xF3;xido de biotina que s&#xE3;o considerados inativos.</p> <p>A biotina &#xE9; eliminada principalmente atrav&#xE9;s da urina.</p> <p>A elimina&#xE7;&#xE3;o pelo leite materno n&#xE3;o &#xE9; conhecida e n&#xE3;o h&#xE1; evid&#xEA;ncias cient&#xED;ficas para o uso seguro da biotina durante a lacta&#xE7;&#xE3;o.</p> <p>O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas. Como os mam&#xED;feros n&#xE3;o podem sintetizar biotina, a vitamina deve ser obtida a partir da dieta e do reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena.</p> <p>A Ingest&#xE3;o Di&#xE1;ria Recomendada (IDR) de biotina em adultos &#xE9; de 30 &#x3BC;g. Visando o manejo dos estados carenciais, o n&#xED;vel m&#xE1;ximo seguro de suplementa&#xE7;&#xE3;o da biotina &#xE9; de 2,5 mg. N&#xE3;o h&#xE1; dados relacionados a ajuste de dose em indiv&#xED;duos portadores de insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica ou renal.</p> <p>Assim, no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, a dosagem que deve ser administrada &#xE9; de 2,5 mg de biotina, uma vez ao dia por, pelo menos, um m&#xEA;s.</p> <p>O tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase consiste na reposi&#xE7;&#xE3;o oral de biotina. As doses utilizadas para esta indica&#xE7;&#xE3;o variam de 5 a 10 mg/dia, ao longo de toda a vida.</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Untral?

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Untral é uma cápsula gelatinosa dura com o corpo vermelho e tampa vermelha, contendo pó branco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja dentro do prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.&nbsp;

Apresentações do Untral

Cápsulas duras de 2,5 mg. Embalagens com 30 e 90 cápsulas.

Uso oral.

Uso adulto para o tratamento das unhas frágeis.

Uso adulto e pediátrico para o tratamento da deficiência de biotinidase.

Dizeres Legais do Untral

MS - 1.0573.0483

Farmacêutica Responsável:
Gabriela Mallmann
CRF-SP nº 30.138

Registrado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 - 20º andar
São Paulo - SP
CNPJ 60.659.463/0029-92
Indústria Brasileira




Fabricado e embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Guarulhos – SP

Ou

Embalagem com 30 cápsulas

Embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Cabo de Santo Agostinho - PE

Venda sob prescrição médica.&nbsp;

2,5mg, caixa com 60 cápsulas duras

Princípio ativo
:
Biotina
Classe Terapêutica
:
Outras Preparações Dermatológicas
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Untral, para o que é indicado e para o que serve?

Untral é indicado para:

  • <li>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis;</li> <li>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB).</li>

Quais as contraindicações do Untral?

Untral é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade a biotina.

Como usar o Untral?

Tratamento da síndrome das unhas frágeis

Para o tratamento das unhas frágeis, deve ser administrada uma cápsula de Untral (2,5 mg de biotina), uma vez ao dia. O prazo mínimo para obtenção dos resultados é de 30 dias, porém a maioria dos estudos mostram resultados favoráveis em períodos mais longos de 3 a 6 meses tratamento.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Tratamento da deficiência de biotinidase (DB)

Para tratamento da deficiência de biotinidase, a biotina deve ser utilizada na dose oral inicial de 5 mg/dia independentemente do peso corporal (2 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB parcial e de 10 mg/dia independentemente do peso corporal (4 cápsulas de Untral por dia) por todos os pacientes com diagnóstico de DB total. Para casos sem resposta com a dose-padrão ou com exacerbações da doença, o que raramente ocorre, doses maiores podem ser utilizadas à critério médico.

O tratamento preconizado deverá ser mantido por toda a vida, já que a interrupção da medida terapêutica produz o retorno ao quadro bioquímico inicial e suas consequentes manifestações clínicas.

As cápsulas devem ser integralmente deglutidas por crianças maiores (escolares e adolescentes) ou ter seu conteúdo retirado e administrado a lactentes, pré-escolares ou pacientes com distúrbios de deglutição juntamente com leite materno, fórmula infantil ou leite. A seguir, sem lavar a colher ou o dispensador, deve-se adicionar nova quantidade do líquido utilizado para que seja administrado todo o conteúdo da cápsula.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Untral funciona?

A deficiência de biotina afeta principalmente a pele e os cabelos. O mecanismo de ação de Untral ainda não é totalmente elucidado. Entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da formação de queratina, o que justificaria seu uso na restauração da saúde e da força das unhas. A melhora das unhas pode ser observada após 3 a 6 meses de tratamento.

Na deficiência de biotinidase, a biotina não pode ser liberada a partir dos alimentos para utilização pelo organismo. Assim, o tratamento consiste na reposição oral de biotina ao longo de toda a vida.

Quais cuidados devo ter ao usar o Untral?

Gravidez e lactação

Caso esteja grávida ou amamentando, consulte seu médico antes de iniciar o tratamento com Untral (biotina).

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não existem evidências científicas de segurança para o uso de Untral durante a lactação.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Untral?

Mesmo raros, há relatos de casos de desconforto gastrintestinal e irritação de pele, provocados pelo uso de Untral.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Untral?

Caso esqueça de tomar o medicamento, continue o uso diário na dose preconizada, não devendo dobrar a dose para compensar a dose perdida.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou do cirurgião-dentista.

Qual a composição do Untral?

Cada cápsula de Untral contém:

Biotina 2,5 mg.

Excipientes: amido, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, lactose monoidratada, povidona, galato de propila, croscarmelose sódica, laurilsulfato de sódio, dióxido de silício e estearato de magnésio.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Untral maior do que a recomendada?

Não foram encontrados dados relacionados à superdosagem de Untral.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Untral com outros remédios?

Anticonvulsivantes, como a carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e a primidona, são antagonistas da biotina, os quais podem levar a uma menor absorção da biotina e, consequentemente, à redução dos níveis séricos desta vitamina quando administrados ao mesmo tempo. Portanto, informe ao seu médico se estiver usando estes medicamentos.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Untral (Biotina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Tratamento da s&#xED;ndrome das unhas fr&#xE1;geis</h3> <p>Foi realizado, em 1989, um estudo cl&#xED;nico avaliando o efeito da biotina em pacientes com unhas distr&#xF3;ficas ou com dist&#xFA;rbios relacionados &#xE0; estrutura da queratina. Setenta e um pacientes foram tratados com uma dosagem oral di&#xE1;ria de 2,5 mg de biotina. Destes pacientes, 45 foram avaliados. Os resultados foram: 41 pacientes (91%) apresentaram melhora definitiva com unhas mais firmes ap&#xF3;s um per&#xED;odo m&#xE9;dio de tratamento de 5,5 &#xB1; 2,3 meses. Em quatro dos 45 pacientes (9%), a melhora foi question&#xE1;vel. Nenhum dos pacientes considerou o tratamento completamente ineficaz. Ao final do estudo, concluiu-se que a biotina, na maioria dos casos, constitui terapia eficaz para pacientes com unhas fr&#xE1;geis (Floersheim, 1989).</p> <p>Outro estudo foi realizado em 1990 com o objetivo de avaliar os resultados cl&#xED;nicos favor&#xE1;veis da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, atrav&#xE9;s de microscopia eletr&#xF4;nica de varredura em mulheres com unhas quebradi&#xE7;as ou onicosquizia. Foram observadas as extremidades distais das unhas das m&#xE3;os de 32 mulheres. As participantes do estudo foram separadas em tr&#xEA;s grupos: o grupo A foi composto por 10 indiv&#xED;duos controle, com unhas normais; o grupo B foi composto por 8 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as que foram avaliados antes e ap&#xF3;s o tratamento com a biotina; e o grupo C foi composto por 14 pacientes com unhas quebradi&#xE7;as, no qual a administra&#xE7;&#xE3;o de biotina n&#xE3;o coincidiu exatamente com o recorte inicial e terminal das unhas. A espessura das unhas do grupo B aumentou significativamente em 25%. No grupo C, o aumento foi de 7%. A divis&#xE3;o das unhas foi reduzida nos grupos B e C e o arranjo celular irregular da superf&#xED;cie dorsal das unhas quebradi&#xE7;as tornou-se mais regular em todas as unhas do grupo B e em 8 dos 11 pacientes do grupo C. Ao final do estudo, os pesquisadores conclu&#xED;ram que a divis&#xE3;o e a fragilidade das unhas respondem ao tratamento com biotina (Colombo, 1990).</p> <p>No ano de 1993, foi publicado um estudo retrospectivo, avaliando o uso da suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento da fragilidade das unhas. Foram selecionados 44 pacientes com unhas fr&#xE1;geis, destes, 35 foram avaliados subjetivamente em consultas que foram realizadas ao longo de 6 meses. A dura&#xE7;&#xE3;o do tratamento foi de 1 m&#xEA;s e 15 dias at&#xE9; o m&#xE1;ximo de 7 meses. Vinte e dois pacientes (63%) demonstraram melhora cl&#xED;nica e 13 (37%) relataram n&#xE3;o haver nenhuma mudan&#xE7;a em sua condi&#xE7;&#xE3;o. Para a obten&#xE7;&#xE3;o destes resultados, a utiliza&#xE7;&#xE3;o foi de 1-4 meses. Ao t&#xE9;rmino do estudo, os dados obtidos sugeriram uma resposta positiva da biotina no tratamento das unhas quebradi&#xE7;as (Hochman, 1993).</p> <p>Em 1996, foi publicado um estudo duplo-cego, controlado com placebo, com 60 pacientes com redu&#xE7;&#xE3;o da qualidade da unha que n&#xE3;o possu&#xED;am defici&#xEA;ncia de biotina. Estes pacientes foram tratados durante um per&#xED;odo de 6 meses com 2,5 mg de biotina administrada 1 vez ao dia. As mudan&#xE7;as na qualidade da unha foram documentadas tecnicamente atrav&#xE9;s da avalia&#xE7;&#xE3;o da capacidade de incha&#xE7;o da queratina da unha ap&#xF3;s incuba&#xE7;&#xE3;o com&amp;nbsp;NaOH, pela perda de &#xE1;gua, bem como pela avalia&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica do investigador e do pr&#xF3;prio paciente. Foi demonstrado melhora da qualidade da unha em todos os par&#xE2;metros avaliados (Gehring, 1996).</p> <p>Em 2003, foi publicado estudo de revis&#xE3;o abordando a suplementa&#xE7;&#xE3;o de biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis. De acordo com os autores, diversos estudos t&#xEA;m demonstrado que as unhas s&#xE3;o fortalecidas e sua qualidade &#xE9; melhorada quando os pacientes ingerem 2,5 mg ao dia de biotina, por via oral, ao longo de v&#xE1;rios meses. O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina ainda n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas (Scher, 2003).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">COLOMBO, V.E. et al. Treatment of brittle fingernails and onychoschizia with biotin: Sacnning electron microscopy. J Am Acad Dermatol, v. 23, p. 1127-32, 1990.<br> FLOERSHEIM, G.L. [Treatment of brittle finger nails with biotin.] Zeitschrift fur Hautkrankheiten, v. 64, n. 1, p. 41-48, 1988.<br> GEHRING, W. [Effect of biotin on poor nail quality: a placebo-controlled double-blind clinical study]. Current Dermatol, v. 22, p. 20-25, 1996. Abstract only.<br> HOCHMAN, L.G. et al. Brittle Nails: Response to daily biotin supplementation. Cutis, v. 51, p. 303-305, 1993.<br> SCHER, R.L. et al. Brittle nail syndrome: Treatment options and the role of the nurse. Dermatology nursing, v. 15, n. 1, p. 15-23, 2003.</br></br></br></br></span></p> <h3>Tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase (DB)</h3> <p>Muitos estudos localizados na literatura relatam s&#xE9;ries de casos de pacientes identificados por triagem ou screening neonatal tratados com biotina. Os achados moleculares, bioqu&#xED;micos e cl&#xED;nicos de 246 crian&#xE7;as identificadas com DB durante 8 anos de screening no Canad&#xE1; foram avaliados. Todos os pacientes foram diagnosticados e receberam prescri&#xE7;&#xE3;o de terapia com biotina durante a inf&#xE2;ncia. Em 8 anos de seguimento, tr&#xEA;s crian&#xE7;as descontinuaram o tratamento com biotina por v&#xE1;rios per&#xED;odos. Duas delas se tornaram sintom&#xE1;ticas, com ganho anormal de peso, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/saude-do-homem/queda-de-cabelo-e-calvicie/c\" target=\"_blank\">alopecia</a>, <em>rash</em> cut&#xE2;neo e atraso do desenvolvimento (Gannavarapu, 2015).</p> <p>Em Michigan, 142 crian&#xE7;as foram identificadas com DB durante 25 anos de screening. Destas, 22 possuiam defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase e 120 possuiam defici&#xEA;ncia parcial. Todos os pacientes receberam tratamento com biotina 10-15 mg/dia logo ap&#xF3;s o nascimento. Com boa ader&#xEA;ncia ao tratamento, todas tiveram desenvolvimento f&#xED;sico e cognitivo normal. Algumas delas apresentaram problemas cl&#xED;nicos leves, que n&#xE3;o foram diretamente atribu&#xED;dos &#xE0; doen&#xE7;a. Sendo assim, a terapia com biotina demonstrou prevenir o desenvolvimento de problemas neurol&#xF3;gicos e cut&#xE2;neos nesta popula&#xE7;&#xE3;o. Nos Estados Unidos, o programa de triagem neonatal de defici&#xEA;ncia de biotinidase se iniciou em 1984. Deste ano at&#xE9; 1990 foram identificados 14 casos. Crian&#xE7;as com defici&#xEA;ncia parcial n&#xE3;o demonstraram apresentar sintomas no nascimento. No entanto, a ocorr&#xEA;ncia subsequente de sintomas de defici&#xEA;ncia profunda de biotinidase em algumas pessoas com defici&#xEA;ncia parcial sugere que a terapia com biotina para esta condi&#xE7;&#xE3;o pode ser justificada (Mcvoy, 1990).</p> <p>J&#xE1; na Pol&#xF4;nia, de 1991 at&#xE9; 2015, 22 pacientes foram identificados com DB. Todos estes pacientes foram tratados com biotina. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas receberam uma dose inicial de 20 mg, que foi gradualmente reduzida para 5 mg. Pacientes assintom&#xE1;ticos receberam 5 mg/dia. Em 5 pacientes sintom&#xE1;ticos, uma atrofia progressiva do nervo &#xF3;ptico j&#xE1; havia sido observada no momento do in&#xED;cio do tratamento. Nesses pacientes, a perda auditiva neurossensorial tamb&#xE9;m havia sido diagnosticada independente do tratamento com biotina. Os pacientes assintom&#xE1;ticos tratados com biotina n&#xE3;o apresentaram sinais ou sintomas. A suplementa&#xE7;&#xE3;o com biotina demonstrou desacelerar a progress&#xE3;o da DB em pacientes sintom&#xE1;ticos, mas n&#xE3;o reverteu a atrofia nervosa. No entanto, a introdu&#xE7;&#xE3;o do tratamento na fase pr&#xE9;-sintom&#xE1;tica demonstrou prevenir o aparecimento de sintomas, incluindo atrofia &#xF3;ptica e perda auditiva (Szymanska, 2015).</p> <p>Entre 1998 e 2004, foram identificados 119 pacientes com DB de diversos pa&#xED;ses da Europa. Estes pacientes foram diagnosticados em screening neonatal ou ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas. As crian&#xE7;as diagnosticadas no nascimento foram tratas pr&#xE9;-sintomativamente, e as crian&#xE7;as diagnosticadas tardiamente foram tratadas ap&#xF3;s in&#xED;cio dos sintomas cl&#xED;nicos. Dessas, 37 crian&#xE7;as forneceram dados para o estudo de acompanhamento. Todas as 11 crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentavam atividade enzim&#xE1;tica &lt;1%, que n&#xE3;o foi detectada pela triagem neonatal. Algumas crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas apresentaram comprometimento residual: defici&#xEA;ncia auditiva (n=2), atrofia &#xF3;ptica (n=2) e defici&#xEA;ncia auditiva e atrofia &#xF3;ptica (n=2). Al&#xE9;m disso, as crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas demonstraram maior risco de atraso no desenvolvimento motor e da fala. Nenhuma crian&#xE7;a diagnosticada por triagem neonatal teve perda auditiva ou visual, e os marcos de desenvolvimento da fala e das habilidades motoras foram atingidos em uma idade apropriada. As crian&#xE7;as sintom&#xE1;ticas muitas vezes apresentaram atrasos no desenvolvimento, com risco de danos irrevers&#xED;veis nas fun&#xE7;&#xF5;es auditivas, visuais e nervosas, diferentemente das crian&#xE7;as tratadas pr&#xE9;-sintomaticamente (Weber, 2004).</p> <p>Outros relatos de caso isolados tamb&#xE9;m referem preven&#xE7;&#xE3;o do aparecimento de altera&#xE7;&#xF5;es visuais e auditivas bem como a recupera&#xE7;&#xE3;o dessas manifesta&#xE7;&#xF5;es quando j&#xE1; instaladas, tanto do ponto de vista cl&#xED;nico quanto em rela&#xE7;&#xE3;o a par&#xE2;metros eletrofisiol&#xF3;gicos (como potenciais evocados e eletroneuromiografia), neurorradiol&#xF3;gicos (por exemplo, resson&#xE2;ncia magn&#xE9;tica) e laboratoriais e metab&#xF3;licos (como acidose l&#xE1;ctica), levando assim &#xE0; manuten&#xE7;&#xE3;o ou recupera&#xE7;&#xE3;o do desenvolvimento neuropsicomotor normal, podendo, em alguns casos haver reversibilidade inclusive de sequelas auditivas. Em alguns casos, a demora no in&#xED;cio do tratamento pode ocasionar irreversibilidade das sequelas neurol&#xF3;gicas, oftalmol&#xF3;gicas (especialmente, atrofia &#xF3;ptica) e auditivas (surdez neurossensorial) (Wallace, 1985; Ramaekers, 1993, Haagerup, 1997; Straussberg, 2000, Grunewald, 2004).</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">GANNAVARAPU, S. et al. Biotinidase deficiency: Spectrum of molecular, enzymatic and clinical information from newborn screening Ontario, Canada (2007-2014). Mol Genet Metab, v. 116, n. 3, p. 146-51, 2015.<br> GR&#xDC;NEWALD, S. et al. Biotinidase deficiency: a treatable leukoencephalopathy. Neuropediatrics, v. 35, n. 4, p. 211-6, 2004.<br> HAAGERUP, A. et al. Biotinidase deficiency: two cases of very early presentation. Dev Med Child Neurol, v. 39, n. 12, p. 832-5, 1997.<br> MC VOY, J. R. et al. Partial biotinidase deficiency: clinical and biochemical features. J Pediatr., v. 116, n. 1, p. 78-83, 1990.<br> RAMAEKERS, V. T. et al. Recovery from neurological deficits following biotin treatment in a biotinidase Km variant. Neuropediatrics, v. 24, n. 2, p. 98-102, 1993.<br> STRAUSSBERG, R. Reversible deafness caused by biotinidase deficiency. Pediatr Neurol, v. 23, n. 3, p. 269-70, 2000.<br> SZYMANSKA, E. et al. Outcomes of oral biotin treatment in patients with biotinidase deficiency - Twenty years follow-up. Mol Genet Metab Rep, v. 5, p. 33-35, 2015.<br> WALLACE, S. J. Biotinidase deficiency: presymptomatic treatment. Arch Dis Child, v. 60, p. 574-5, 1985.<br> WEBER, P. et al. Outcome in patients with profound biotinidase deficiency: relevance of newborn screening. Dev Med Child Neurol, v. 46, n. 7, p. 481-4, 2004.</br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>A biotina &#xE9; cofator nas rea&#xE7;&#xF5;es da carboxilase que participa da s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, nucleot&#xED;deos, purinas e no metabolismo das cadeias de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/fitness/ganho-de-massa/aminoacidos/c\" target=\"_blank\">amino&#xE1;cidos</a>. Existem apenas 4 carboxilases nos tecidos dos animais e as a&#xE7;&#xF5;es da biotina como coenzima produzem uma cascata de acontecimentos metab&#xF3;licos. A biotina afeta a express&#xE3;o do gene atrav&#xE9;s da rea&#xE7;&#xE3;o que ocorre quando ocorre a liga&#xE7;&#xE3;o covalente com as histonas nos n&#xFA;cleos das c&#xE9;lulas. A vitamina regula a s&#xED;ntese da enzima glucoquinase, cuja atua&#xE7;&#xE3;o &#xE9; altamente espec&#xED;fica para <a href=\"https://consultaremedios.com.br/glicose/bula\" target=\"_blank\">glicose</a>.</p> <p>A defici&#xEA;ncia de biotina afeta, principalmente, a pele e os <a href=\"https://consultaremedios.com.br/cuidados-pessoais/cabelos/c\" target=\"_blank\">cabelos</a>. Na defici&#xEA;ncia de biotinidase, a biotina n&#xE3;o pode ser liberada a partir de pequenos biotinilpept&#xED;dios e da biocitina, presentes em alimentos, como leite, ovos, carne, nozes e arroz integral. Essa vitamina &#xE9; cofator de diversas enzimas carboxilases, envolvidas na s&#xED;ntese de &#xE1;cidos graxos, no metabolismo da isoleucina e valina bem como na gliconeog&#xEA;nese. Assim, pacientes com DB s&#xE3;o incapazes de reciclar a biotina end&#xF3;gena ou usar a biotina ligada &#xE0;s <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> da dieta. Consequentemente, a biotina &#xE9; perdida na urina, principalmente sob a forma de biocitina, ocorrendo o esgotamento progressivo.</p> <p>Em estudo realizado com administra&#xE7;&#xE3;o oral de biotina em dosagens de 600 e 900 mg, concluiu-se que a meia-vida de elimina&#xE7;&#xE3;o &#xE9; de aproximadamente 1 hora e 50 minutos. A biotina administrada por via oral tem biodisponibilidade sist&#xEA;mica em torno de 50% da sua dose ingerida. A absor&#xE7;&#xE3;o ocorre no intestino delgado, que obt&#xE9;m a biotina a partir de algumas fontes: dieta, suplementos e s&#xED;ntese realizada por bact&#xE9;rias no pr&#xF3;prio intestino grosso. A biotina provinda dos alimentos aparentemente &#xE9; transportada para dentro dos enter&#xF3;citos por um transportador s&#xF3;dio dependente.</p> <p>Em doses mais elevadas de biotina, a absor&#xE7;&#xE3;o ocorre atrav&#xE9;s de difus&#xE3;o passiva. A absor&#xE7;&#xE3;o da biotina produzida pela microflora do c&#xF3;lon ocorre atrav&#xE9;s de um processo mediado por um transportador no intestino grosso proximal. A absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; maior no jejuno do que no &#xED;leo.</p> <p>A biotina &#xE9; intensamente metabolizada no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a>, j&#xE1; que este &#xF3;rg&#xE3;o &#xE9; a principal fonte de biotinidase, a enzima que n&#xE3;o s&#xF3; &#xE9; importante no reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena, como tamb&#xE9;m atua na biotina ligada &#xE0; prote&#xED;na. Seus metab&#xF3;litos principais s&#xE3;o a bisnorbiotina e o sulf&#xF3;xido de biotina que s&#xE3;o considerados inativos.</p> <p>A biotina &#xE9; eliminada principalmente atrav&#xE9;s da urina.</p> <p>A elimina&#xE7;&#xE3;o pelo leite materno n&#xE3;o &#xE9; conhecida e n&#xE3;o h&#xE1; evid&#xEA;ncias cient&#xED;ficas para o uso seguro da biotina durante a lacta&#xE7;&#xE3;o.</p> <p>O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o da biotina no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, n&#xE3;o &#xE9; totalmente elucidado, entretanto, acredita-se que a vitamina pode ser um estimulante da queratiniza&#xE7;&#xE3;o, o que justificaria seu uso na restaura&#xE7;&#xE3;o da sa&#xFA;de e da for&#xE7;a das unhas. Como os mam&#xED;feros n&#xE3;o podem sintetizar biotina, a vitamina deve ser obtida a partir da dieta e do reaproveitamento da biotina end&#xF3;gena.</p> <p>A Ingest&#xE3;o Di&#xE1;ria Recomendada (IDR) de biotina em adultos &#xE9; de 30 &#x3BC;g. Visando o manejo dos estados carenciais, o n&#xED;vel m&#xE1;ximo seguro de suplementa&#xE7;&#xE3;o da biotina &#xE9; de 2,5 mg. N&#xE3;o h&#xE1; dados relacionados a ajuste de dose em indiv&#xED;duos portadores de insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica ou renal.</p> <p>Assim, no tratamento das unhas fr&#xE1;geis, a dosagem que deve ser administrada &#xE9; de 2,5 mg de biotina, uma vez ao dia por, pelo menos, um m&#xEA;s.</p> <p>O tratamento da defici&#xEA;ncia de biotinidase consiste na reposi&#xE7;&#xE3;o oral de biotina. As doses utilizadas para esta indica&#xE7;&#xE3;o variam de 5 a 10 mg/dia, ao longo de toda a vida.</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Untral?

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Untral é uma cápsula gelatinosa dura com o corpo vermelho e tampa vermelha, contendo pó branco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja dentro do prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.&nbsp;

Apresentações do Untral

Cápsulas duras de 2,5 mg. Embalagens com 30 e 90 cápsulas.

Uso oral.

Uso adulto para o tratamento das unhas frágeis.

Uso adulto e pediátrico para o tratamento da deficiência de biotinidase.

Dizeres Legais do Untral

MS - 1.0573.0483

Farmacêutica Responsável:
Gabriela Mallmann
CRF-SP nº 30.138

Registrado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Av. Brigadeiro Faria Lima, 201 - 20º andar
São Paulo - SP
CNPJ 60.659.463/0029-92
Indústria Brasileira




Fabricado e embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Guarulhos – SP

Ou

Embalagem com 30 cápsulas

Embalado por:
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Cabo de Santo Agostinho - PE

Venda sob prescrição médica.&nbsp;

Fabricante: Aché

© 2021 Medicamento Lab.