Astrazeneca Calquence

100mg, caixa com 60 cápsulas duras

Princípio ativo
:
Acalabrutinibe
Classe Terapêutica
:
Inibidores Preoteína Kinase Antineoplásicos, Outros
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Linfoma
Especialidade
:
Hematologia, Oncologia e Radioterapia

Bula do medicamento

Calquence, para o que é indicado e para o que serve?

Calquence (acalabrutinibe) é indicado para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de células do manto (LCM) que receberam pelo menos uma terapia anterior, e para o tratamento de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) / linfoma linfocítico de pequenas células (LLPC).

Quais as contraindicações do Calquence?

Não tome Calquence se você for alérgico (hipersensibilidade) ao acalabrutinibe ou a quaisquer dos ingredientes de sua composição. Se você não tiver certeza disso, fale com o seu médico antes de tomar Calquence. Se você apresentar quaisquer sinais de reação alérgica (urticária, dificuldade para respirar ou inchaço no seu rosto, sua língua ou garganta), durante o tratamento com Calquence, procure socorro médico imediatamente.

Como usar o Calquence?

Calquence deve ser engolido inteiro com água aproximadamente na mesma hora todos os dias.

Calquence pode ser tomado com ou sem alimento. A cápsula não deve ser mastigada, dissolvida ou aberta.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Posologia do Calquence

{"tag":"hr","value":" <h3>LCM</h3> <ul> <li>A dose recomendada de Calquence &#xE9; de 100 mg duas vezes ao dia (equivalente &#xE0; dose di&#xE1;ria total de 200 mg), e n&#xE3;o deve exceder o limite de 200 mg por dia.</li> </ul> <h3>LLC</h3> <ul> <li>A dose recomendada de Calquence para o tratamento de LLC &#xE9; de 100 mg (1 c&#xE1;psula) duas vezes ao dia, seja em monoterapia ou em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/obinutuzumabe/bula\" target=\"_blank\">obinutuzumabe</a>. Vide bula do obinutuzumabe para informa&#xE7;&#xF5;es sobre sua posologia.</li> </ul> <p>As doses devem ser separadas por aproximadamente 12 horas.</p> <p>O tratamento com Calquence deve ser iniciado e supervisionado por um m&#xE9;dico experiente no uso de terapias oncol&#xF3;gicas, e deve continuar at&#xE9; a progress&#xE3;o da doen&#xE7;a ou toxicidade inaceit&#xE1;vel.</p> <h3>Crian&#xE7;as</h3> <p>N&#xE3;o h&#xE1; experi&#xEA;ncia no tratamento de crian&#xE7;as com Calquence.</p> <h3>Idosos (&#x2265; 65 anos)</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia renal</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; recomendado o ajuste de dose em pacientes com insufici&#xEA;ncia renal de leve a moderada. N&#xE3;o h&#xE1; experi&#xEA;ncia no tratamento de pacientes com insufici&#xEA;ncia renal grave ou doen&#xE7;a renal em fase terminal.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; recomendado o ajuste de dose em pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica leve ou moderada. A administra&#xE7;&#xE3;o de Calquence em pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica grave n&#xE3;o &#xE9; recomendada.</p> <h3>Doen&#xE7;as card&#xED;acas graves</h3> <p>N&#xE3;o h&#xE1; experi&#xEA;ncia no tratamento de pacientes com doen&#xE7;as card&#xED;acas graves.</p> <p><strong>Siga a orienta&#xE7;&#xE3;o de seu m&#xE9;dico, respeitando sempre os hor&#xE1;rios, as doses e a dura&#xE7;&#xE3;o do tratamento.</strong></p> <p><strong>N&#xE3;o interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu m&#xE9;dico.</strong></p> "}

Como o Calquence funciona?

Calquence age inibindo a atividade de uma enzima chamada tirosina quinase de Bruton (BTK). A BTK é responsável pela multiplicação, sobrevivência e disseminação das células, o que pode ajudar no crescimento e desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o LCM. Portanto, o uso de Calquence pode ajudar na diminuição do crescimento e da propagação do câncer, além de ajudar na morte dessas células.

O tempo médio para uma resposta completa ao tratamento é de 3 a 4 meses após início.

Quais cuidados devo ter ao usar o Calquence?

Foram relatadas as seguintes condições em pacientes com neoplasias hematológicas tratados com Calquence em monoterapia:

  • <li>Problemas hemorr&#xE1;gicos (hemorragia) podem ocorrer durante o tratamento com Calquence e podem ser graves. O seu risco de hemorragia pode aumentar se tamb&#xE9;m estiver tomando um medicamento que aumenta os&amp;nbsp;riscos de sangramento. Informe o seu m&#xE9;dico se tiver algum sinal ou sintoma de sangramento, incluindo: <a href="https://minutosaudavel.com.br/sangue-nas-fezes/" rel="noopener" target="_blank">sangue nas fezes</a> ou fezes escuras; urina rosa ou marrom; sangramento inesperado ou sangramento grave que voc&#xEA; n&#xE3;o consegue controlar; <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/nauseas/c" target="_blank">v&#xF4;mito</a> com sangue ou que se parece com gr&#xE3;os de caf&#xE9;; <a href="https://consultaremedios.com.br/gripes-e-resfriados/tosse/c" target="_blank">tosse</a> com sangue ou co&#xE1;gulos sangu&#xED;neos; <a href="https://minutosaudavel.com.br/tontura-o-que-pode-ser/" rel="noopener" target="_blank">tontura</a>; fraqueza; confus&#xE3;o; mudan&#xE7;as na fala; e <a href="https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/dor-de-cabeca-e-enxaqueca/c" target="_blank">dor de cabe&#xE7;a</a> que dure muito tempo.</li> <li>Infec&#xE7;&#xF5;es podem ocorrer durante o tratamento com Calquence. Estas infec&#xE7;&#xF5;es podem ser graves e podem levar &#xE0; morte. Informe imediatamente o seu m&#xE9;dico se tiver <a href="https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/c" target="_blank">febre</a>, arrepios ou sintomas de <a href="https://consultaremedios.com.br/gripes-e-resfriados/c" target="_blank">gripe</a>.</li> <li>Diminui&#xE7;&#xE3;o da contagem de c&#xE9;lulas sangu&#xED;neas (gl&#xF3;bulos brancos, plaquetas e gl&#xF3;bulos vermelhos) s&#xE3;o comuns com o Calquence, mas tamb&#xE9;m podem ser graves. Seu m&#xE9;dico deve solicitar testes sangu&#xED;neos mensais para verificar as suas contagens de c&#xE9;lulas sangu&#xED;neas.</li> <li>Problemas de ritmo card&#xED;aco (fibrila&#xE7;&#xE3;o atrial e palpita&#xE7;&#xE3;o) ocorreram em pessoas tratadas com Calquence. Informe o seu m&#xE9;dico se tiver algum dos seguintes sinais ou sintomas: batimento card&#xED;aco r&#xE1;pido ou irregular; tontura; <a href="https://minutosaudavel.com.br/desmaio/" rel="noopener" target="_blank">desmaio</a>; falta de ar; e desconforto no peito.</li> <li>Novas neoplasias malignas prim&#xE1;rias. Novos c&#xE2;nceres ocorreram em pessoas durante o tratamento com Calquence, incluindo c&#xE2;nceres da pele. Use prote&#xE7;&#xE3;o solar quando exposto ao sol.</li>

Antes de tomar Calquence, informe o seu médico sobre todas as suas condições médicas, incluindo se você:

  • <li>Teve uma cirurgia recente ou planeja fazer uma cirurgia;</li> <li>Tem problemas de sangramento;</li> <li>Tem ou teve problemas de ritmo card&#xED;aco;</li> <li>Tem uma infec&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Tem ou teve infec&#xE7;&#xE3;o pelo v&#xED;rus da <a href="https://consultaremedios.com.br/infectologia/hepatite/hepatite-b/c" target="_blank">hepatite B</a>;</li> <li>Est&#xE1; gr&#xE1;vida ou planeja engravidar. O Calquence pode prejudicar o seu beb&#xEA;;</li> <li>Amamenta ou planeja amamentar. N&#xE3;o se sabe se Calquence passa para o leite materno. N&#xE3;o amamente durante o tratamento com o Calquence e durante 2 dias ap&#xF3;s a sua dose final de Calquence.</li>

Informe o seu médico sobre todos os medicamentos que você toma, incluindo medicamentos prescritos e isentos de prescrição, vitaminas e suplementos de ervas. Tomar Calquence com outros medicamentos pode afetar a forma como Calquence funciona ou o funcionamento dos outros medicamentos, e pode causar efeitos colaterais. Informe o seu médico se estiver tomando outros medicamentos que aumentam os riscos de sangramento, incluindo: ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina) e anti-inflamatórios não-esteroidais, como&nbsp;ibuprofeno ou naproxeno; anticoagulantes tais como varfarina, heparina ou outras medicações para prevenir ou tratar a formação de coágulos sanguíneos; e suplementos que podem aumentar o risco de sangramento, tais como óleo de peixe e vitamina E.

Calquence tem pouca ou nenhuma influência sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. No entanto, durante o tratamento com acalabrutinibe, fadiga e tonturas foram relatadas. Ao apresentar esses sintomas, deve-se ter cautela quando se dirige ou se opera uma máquina.

Gravidez

Calquence pode causar danos ao feto quando administrado a mulheres grávidas. O uso de Calquence não é recomendado durante a gravidez e por mulheres com potencial de engravidar que não estejam utilizando métodos contraceptivos.

Categoria de risco na gravidez C: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Amamentação

A amamentação deve ser descontinuada durante o tratamento com Calquence e durante 2 dias após receber a última dose.

Uso Pediátrico

A segurança e eficácia de Calquence em pacientes pediátricos não foi estabelecida.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Calquence?

As reações adversas ao medicamento (RAMs) descritas a seguir foram identificadas em estudos clínicos com pacientes que receberam Calquence em monoterapia como tratamento para neoplasias hematológicas.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Infecção, diarreia, náuseas, fadiga (cansaço), constipação (prisão de ventre), vômito, dor abdominal, dor de cabeça, tontura, contusão, equimose (manchas vermelho-arroxeadas na pele), erupção cutânea, hemorragia, hematoma, dor muscular e nos ossos, artralgia (dor nas articulações), leucopenia (redução do número de leucócitos no sangue), novas neoplasias malignas primárias (novos tumores malignos não existentes anteriormente), anormalidades laboratoriais (exames de sangue): diminuição da contagem absoluta de neutrófilos, diminuição da hemoglobina (anemia), diminuição das plaquetas.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Trombocitopenia (diminuição das plaquetas), epistaxe (sangramento nasal), fibrilação atrial e palpitação (problemas de ritmo cardíaco), astenia (fraqueza), novas neoplasias malignas primárias (novos tumores malignos não existentes anteriormente).

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)&nbsp;

Síndrome de lise tumoral (pacientes com uma elevada quantidade de células cancerosas no corpo).

Os dados de segurança descritos abaixo refletem a exposição de 124 pacientes, previamente tratados para LCM, ao Calquence (100 mg duas vezes ao dia) no estudo LY-004:

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Anemia, trombocitopenia, dor de cabeça, neutropenia, diarreia, fadiga, mialgia, contusões, diminuição da hemoglobina, diminuição das plaquetas, diminuição dos neutrófilos.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Náusea, constipação, vômito, erupção cutânea, hemorragia/hematoma, epistaxe.

Não foram observadas diferenças clinicamente relevantes na segurança ou eficácia entre pacientes idosos e jovens.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Calquence?

Se você esquecer de tomar uma cápsula de Calquence por mais de 3 horas, você deverá tomar apenas a próxima dose programada em seu horário habitual. Não se deve tomar cápsulas adicionais de Calquence para compensar a dose.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Calquence?

Calquence 100 mg

Cada cápsula dura contém:

100 mg de acalabrutinibe.

Excipientes: celulose microcristalina, dióxido de silício, amido, estearato de magnésio e amidoglicolato de sódio.

Cápsula dura: gelatina, dióxido de titânio, óxido de ferro amarelo e azul de indigotina.

Tinta de impressão: goma laca, óxido de ferro preto, propilenoglicol e hidróxido de amônio.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Calquence maior do que a recomendada?

Os sintomas da superdose não foram estabelecidos. Não há tratamento específico para a superdose do Calquence.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Calquence com outros remédios?

Evite a administração concomitante de indutores fortes do CYP3A (por exemplo, fenitoína, rifampicina e carbamazepina) ou inibidores potentes do CYP3A (por exemplo, cetoconazol, conivaptan, claritromicina, indinavir, itraconazol, ritonavir, telaprevir, posaconazol, voriconazol), com Calquence. Caso não seja possível, seu médico poderá orientá-lo sobre a melhor conduta a ser tomada.

Evite tratamento concomitante com erva de São João e com inibidores da bomba de prótons.

Se o tratamento com um medicamento redutor do ácido gástrico for necessário, considerar o uso de um antagonista do receptor H2 (por exemplo, ranitidina ou famotidina) ou um antiácido (por exemplo, carbonato de cálcio). Para uso com antiácidos, espace a dosagem em pelo menos 2 horas. Para os antagonistas do receptor H2, tome Calquence 2 horas antes de tomar o antagonista do receptor H2.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Calquence (Acalabrutinibe)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Efic&#xE1;cia cl&#xED;nica</h3> <p>A seguran&#xE7;a e a efic&#xE1;cia da Acalabrutinibe no LCM foram avaliadas em um estudo de Fase 2, aberto,multic&#xEA;ntrico e de bra&#xE7;o &#xFA;nico (ACE-LY-004) com 124 pacientes previamente tratados. Todos os pacientes receberam Acalabrutinibe 100 mg por via oral duas vezes ao dia at&#xE9; a progress&#xE3;o da doen&#xE7;a ou toxicidade inaceit&#xE1;vel. O estudo n&#xE3;o incluiu pacientes que receberam tratamento anterior com inibidores da BTK (tirosina quinase de Bruton). O desfecho prim&#xE1;rio foi a taxa de resposta global (TRG) avaliada pelo investigador pela classifica&#xE7;&#xE3;o de Lugano para linfoma n&#xE3;o Hodgkin (LNH). A dura&#xE7;&#xE3;o da resposta (DR) foi uma medida adicional de resultado. Os resultados de efic&#xE1;cia s&#xE3;o apresentados na Tabela 1.</p> <p>A idade m&#xE9;dia dos pacientes foi 68 anos (variando de 42 a 90 anos); 79,8% eram homens e 74,2% eram caucasianos. Na linha basal, 92,8% dos pacientes tiveram um n&#xED;vel de desempenho na ECOG (<em>Eastern Cooperative Oncology Group</em> &#x2013; Grupo Oncol&#xF3;gico Cooperativo do Leste) de 0 ou 1. O tempo m&#xE9;dio desde o diagn&#xF3;stico foi de 46,3 meses e o n&#xFA;mero m&#xE9;dio de tratamentos anteriores foi de 2 (intervalo de 1 a 5), incluindo 17,7% com transplante pr&#xE9;vio de c&#xE9;lulas tronco. Os regimes de tratamento anteriores mais comuns foram baseados em CHOP (<a href=\"https://consultaremedios.com.br/ciclofosfamida/bula\" target=\"_blank\">ciclofosfamida</a>, adriamicina, vincristina e <a href=\"https://consultaremedios.com.br/prednisona/bula\" target=\"_blank\">prednisona</a>) (51,6%) e ARA-C (<a href=\"https://consultaremedios.com.br/citarabina/bula\" target=\"_blank\">citarabina</a>) (33,9%). Na linha basal, 37,1% dos pacientes apresentavam pelo menos um tumor com o di&#xE2;metro &#x2265; 5 cm, 72,6% apresentavam envolvimento nodal extra, incluindo 50,8% com envolvimento da medula &#xF3;ssea.</p> <p>O &#xED;ndice de prognostico internacional do linfoma de c&#xE9;lulas do manto (MIPI) simplificado (que inclui idade, pontua&#xE7;&#xE3;o ECOG e contagem basal de lactato desidrogenase e gl&#xF3;bulos brancos) foi intermedi&#xE1;rio em 43,5% e alto em 16,9% dos pacientes.</p> <p><strong>Tabela 1. Taxa de Resposta Global e Dura&#xE7;&#xE3;o da Resposta em pacientes com LCM (ACE-LY-004)</strong></p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\"><strong>-</strong></td> <td style=\"text-align:center; width:350px\"><strong>Avaliada pelo Investigador<br> N = 124</br></strong></td> <td style=\"width:459px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Avaliada pelo Comit&#xEA; de Revis&#xE3;o Independente (CRI)<br> N = 124</br></strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\"><strong>-</strong></td> <td style=\"text-align:center; width:350px\"><strong>n (%) (IC de 95%*)</strong></td> <td style=\"width:459px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>n (%) (IC de 95%*)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"3\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Taxa de Resposta Global (TRG)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">Taxa de Resposta Global</td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">100 (80,6%) (72,6, 87,2)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">99 (79,8%) (71,7, 86,5)</td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">Resposta Completa</td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">49 (39,5%) (30,9, 48,7)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">49 (39,5%) (30,9, 48,7)</td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">Resposta Parcial</td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">51 (41,1%) (32,4, 50,3)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">50 (40,3%) (31,6, 49,5)</td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">Doen&#xE7;a Est&#xE1;vel</td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">11 (8,9%) (4,5, 15,3)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">9 (7,3%) (3,4, 13,3)</td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">Doen&#xE7;a Progressiva</td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">10 (8,1%) (3,9, 14,3)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">11 (8,9%) (4,9, 15,3)</td> </tr> <tr> <td style=\"text-align:center; width:412px\">N&#xE3;o Avali&#xE1;vel<sup>&#x2020;</sup> </td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">3 (2,4%) (0,5, 6,9)</td> <td style=\"text-align:center; width:459px\">5 (4,0%) (1,3, 9,2)</td> </tr> <tr> <td colspan=\"3\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Dura&#xE7;&#xE3;o da Resposta (DR)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:412px\"> <p style=\"text-align:center\">M&#xE9;dia (meses)</p> </td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">NA (13,5, NR)</td> <td style=\"width:459px\"> <p style=\"text-align:center\">NA (14,8, NR)</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"3\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>DR de Refer&#xEA;ncia</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:412px\"> <p style=\"text-align:center\">Estimativa de 12 meses (%) (IC de 95%)</p> </td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">72,1 (61,6, 80,2)</td> <td style=\"width:459px\"> <p style=\"text-align:center\">72,3 (61,9, 80,2)</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:412px\"> <p style=\"text-align:center\">Estimativa de 18 meses (%) (IC de 95%)</p> </td> <td style=\"text-align:center; width:350px\">63,3 (49,4, 74,3)</td> <td style=\"width:459px\"> <p style=\"text-align:center\">56,0 (38,2, 70,6)</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>IC = intervalo de confian&#xE7;a; NA = n&#xE3;o atingido.<br> * Intervalo de confian&#xE7;a binomial exato de 95%.<br> <sup>&#x2020;</sup> Inclui indiv&#xED;duos sem avalia&#xE7;&#xE3;o adequada p&#xF3;s-basal da doen&#xE7;a.</br></br></p> <p>Com base na avalia&#xE7;&#xE3;o do investigador, 92% dos pacientes que responderam ao tratamento obtiveram uma resposta no segundo ciclo, com uma m&#xE9;dia de tempo de resposta documentada de 1,9 meses. A DR m&#xE9;dia n&#xE3;o foi alcan&#xE7;ada em m&#xE9;dia de 15,2 meses de acompanhamento ap&#xF3;s o in&#xED;cio do tratamento. Setenta e dois por cento (72%) dos pacientes apresentaram uma resposta cont&#xED;nua aos 12 meses pela estimativa de Kaplan-Meier.</p> <p>A TRG foi consistente entre todos os subgrupos pr&#xE9;-especificados, incluindo idade, n&#xED;vel do desempenho,&amp;nbsp;est&#xE1;gio da doen&#xE7;a e n&#xFA;mero de terapias anteriores.</p> <h3>Linfocitose</h3> <p>Ap&#xF3;s in&#xED;cio do tratamento com Acalabrutinibe, houve um aumento tempor&#xE1;rio da contagem de linf&#xF3;citos (definido como contagem absoluta de linf&#xF3;citos &#x2265; 50% do valor basal, e uma avalia&#xE7;&#xE3;o posterior basal &#x2265; 5x109) em 31,15% dos pacientes do estudo LY-004. O tempo m&#xE9;dio para in&#xED;cio da linfocitose foi de 1,1 semana, e a sua dura&#xE7;&#xE3;o m&#xE9;dia foi de 6,7 semanas.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">Barf et. al - Acalabrutinib (ACP-196): A Covalent Bruton Tyrosine Kinase Inhibitor with a Differentiated Selectivity and In Vivo Potency Profile. J Pharmacol Exp Ther. 2017 Nov;363(2):240-252. doi: 10.1124/jpet.117.242909. Epub 2017 Sep 7.<br> Byrd et al - Acalabrutinib (ACP-196) in Relapsed Chronic Lymphocytic Leukemia. N Engl J Med. 2016 Jan 28;374(4):323-32. doi: 10.1056/NEJMoa1509981. Epub 2015 Dec 7.<br> Wang et al - Acalabrutinib in relapsed or refractory mantle cell lymphoma (ACE-LY-004): a single-arm, multicentre, phase 2 trial. Lancet. 2017 Dec 11. pii: S0140-6736(17)33108-2. doi: 10.1016/S0140-<br> 6736(17)33108-2.</br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Acalabrutinibe &#xE9; um inibidor seletivo de BTK. BTK &#xE9; uma mol&#xE9;cula de sinaliza&#xE7;&#xE3;o do receptor de ant&#xED;genos das c&#xE9;lulas B (BCR) e das vias dos receptores das citocinas. A sinaliza&#xE7;&#xE3;o pela BTK resulta em sobreviv&#xEA;ncia e prolifera&#xE7;&#xE3;o das c&#xE9;lulas B, e &#xE9; necess&#xE1;ria para a ades&#xE3;o celular, transporte e quimiotaxia. O Acalabrutinibe e o seu metabolito ativo, ACP-5862, formam uma liga&#xE7;&#xE3;o covalente com um res&#xED;duo de ciste&#xED;na no sitio ativo da BTK, levando &#xE0; inativa&#xE7;&#xE3;o irrevers&#xED;vel de BTK (IC50 &#x2264; 5 nM), com intera&#xE7;&#xF5;es m&#xED;nimas fora do alvo. Em uma triagem de 380 quinases de tipo selvagem de mam&#xED;feros, as &#xFA;nicas intera&#xE7;&#xF5;es adicionais de quinases em concentra&#xE7;&#xF5;es clinicamente relevantes de Acalabrutinibe e ACP-5862 foram com BMX e ERBB4, com pot&#xEA;ncia de 3 a 4 vezes menor do que com a BTK.</p> <p>Em estudos n&#xE3;o cl&#xED;nicos, Acalabrutinibe inibiu a ativa&#xE7;&#xE3;o mediada por BTK das <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> CD86 e CD69 de desregula&#xE7;&#xE3;o, inibiu a prolifera&#xE7;&#xE3;o e sobreviv&#xEA;ncia de c&#xE9;lulas B malignas e teve atividade m&#xED;nima em outras c&#xE9;lulas imunes (c&#xE9;lulas T e c&#xE9;lulas NK).</p> <h3>Efeitos Farmacodin&#xE2;micos</h3> <p>Em pacientes com neoplasias das c&#xE9;lulas B submetidos a doses de 100 mg de Acalabrutinibe duas vezes ao dia, manteve-se a ocupa&#xE7;&#xE3;o m&#xE9;dia de BTK no estado de equil&#xED;brio de &#x2265; 95% no sangue perif&#xE9;rico por mais de 12 horas, resultando em inativa&#xE7;&#xE3;o de BTK ao longo do intervalo de dosagem recomendado.</p> <h5>Eletrofisiologia Card&#xED;aca</h5> <p>Em um estudo QT dedicado, com dose 4 vezes maior que a dose m&#xE1;xima recomendada, concluiu-se que Acalabrutinibe n&#xE3;o prolonga o intervalo QT/QTc a nenhuma extens&#xE3;o clinicamente relevante (ou seja, n&#xE3;o superior ou igual a 10 ms).</p> <h3>Propriedades Farmacocin&#xE9;ticas</h3> <p>A farmacocin&#xE9;tica de Acalabrutinibe foi estudada em indiv&#xED;duos saud&#xE1;veis e em pacientes com neoplasia das c&#xE9;lulas B. O Acalabrutinibe exibe uma farmacocin&#xE9;tica quase linear em um intervalo de dose de 75 a 250 mg e apresenta proporcionalidade &#xE0; dose. Na dose recomendada de 100 mg duas vezes ao dia, a &#xE1;rea sob a curva (ASC) de concentra&#xE7;&#xE3;o do medicamento no plasma di&#xE1;ria foi de 1111 ng&#x2022;h/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica m&#xE1;xima (Cm&#xE1;x) de Acalabrutinibe foi de 323 ng/mL.</p> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O tempo m&#xE9;dio para o pico das concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de Acalabrutinibe (Tm&#xE1;x) foi de 0,75 horas. A biodisponibilidade absoluta de Acalabrutinibe foi de 25%.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A liga&#xE7;&#xE3;o revers&#xED;vel de Acalabrutinibe &#xE0; prote&#xED;na plasm&#xE1;tica humana foi de 97,5% A propor&#xE7;&#xE3;o m&#xE9;dia <em>in vitro</em> de sangue-plasma foi de 0,7. O volume m&#xE9;dio de distribui&#xE7;&#xE3;o (Vss) no estado de equil&#xED;brio foi aproximadamente 34 L.</p> <h4>Biotransforma&#xE7;&#xE3;o/Metabolismo</h4> <p><em>In vitro</em>, o Acalabrutinibe &#xE9; predominantemente metabolizado pela enzima CYP3A e, em menor grau, pela conjuga&#xE7;&#xE3;o de glutationa e pela hidr&#xF3;lise de amida. O ACP-5862 foi identificado como o principal metab&#xF3;lito no plasma com exposi&#xE7;&#xE3;o geom&#xE9;trica m&#xE9;dia (ASC) de aproximadamente 2 a 3 vezes maior que a exposi&#xE7;&#xE3;o ao Acalabrutinibe. Em rela&#xE7;&#xE3;o &#xE0; inibi&#xE7;&#xE3;o da BTK, o ACP-5862 &#xE9; aproximadamente 50% menos potente que o Acalabrutinibe.</p> <p><em>In vitro</em>, o Acalabrutinibe &#xE9; um inibidor fraco de CYP3A4/5, CYP2C8 e CYP2C9, mas n&#xE3;o inibe CYP1A2, CYP2B6, CYP2C19 e CYP2D6.</p> <p>O metab&#xF3;lito ativo (ACP-5862) &#xE9; um inibidor fraco de CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19, mas n&#xE3;o inibe <em>in vitro </em>CYP1A2, CYP2B6, CYP2D6 ou CYP3A4/5. O Acalabrutinibe &#xE9; um indutor fraco de CYP1A2, CYP2B6 e CYP3A4; o metab&#xF3;lito ativo (ACP-5862) induz fracamente o CYP3A4.</p> <h4>Intera&#xE7;&#xF5;es com prote&#xED;nas de transporte</h4> <p>O Acalabrutinibe<em> in vitro</em> n&#xE3;o &#xE9; um substrato de transportadores de absor&#xE7;&#xE3;o renal OAT1, OAT3 e OCT2, ou transportadores hep&#xE1;ticos. O ATP1B1 e OATP1B3. O Acalabrutinibe n&#xE3;o inibe OAT1, OAT3, OCT2, OATP1B1 e OATP1B3 em concentra&#xE7;&#xF5;es clinicamente relevantes.</p> <h4>Efeitos de Acalabrutinibe em P-gp e BCRP</h4> <p><em>In vitro</em>, o Acalabrutinibe &#xE9; um substrato da glicoprote&#xED;na P (P-gp) e da prote&#xED;na de resist&#xEA;ncia ao <a href=\"https://consultaremedios.com.br/cancer/mama/c\" target=\"_blank\">c&#xE2;ncer de mama</a> BCRP, mas n&#xE3;o inibe P-gp. O Acalabrutinibe pode inibir os substratos BCRP intestinais.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Ap&#xF3;s uma &#xFA;nica dose oral de 100 mg de Acalabrutinibe, a meia-vida de elimina&#xE7;&#xE3;o terminal m&#xE9;dia (t1/2) de Acalabrutinibe foi 0,9 horas (intervalo: 0,6 a 2,8 horas). A t1/2 do seu metabolito ativo, ACP-5862, foi 6,9 horas.</p> <p>A m&#xE9;dia da depura&#xE7;&#xE3;o oral aparente (CL/F) de Acalabrutinibe foi de 159 L/h, com farmacocin&#xE9;tica similar entre pacientes e indiv&#xED;duos saud&#xE1;veis, baseado na an&#xE1;lise da farmacocin&#xE9;tica populacional.</p> <p>Ap&#xF3;s a administra&#xE7;&#xE3;o de uma dose &#xFA;nica de 100 mg de [14C]-Acalabrutinibe radiomarcado em indiv&#xED;duos saud&#xE1;veis, 84% da dose foi recuperada nas fezes e 12% da dose foi recuperada na urina, com menos de 1% da dose excretada como Acalabrutinibe inalterado.</p> <h4>Popula&#xE7;&#xF5;es especiais</h4> <p>Com base na an&#xE1;lise farmacocin&#xE9;tica populacional, idade, sexo, etnia (caucasiana, afro-americana), e peso corporal n&#xE3;o tiveram efeitos clinicamente significativos na farmacocin&#xE9;tica de Acalabrutinibe.</p> <h4>Insufici&#xEA;ncia renal</h4> <p>Acalabrutinibe sofre uma elimina&#xE7;&#xE3;o renal m&#xED;nima. N&#xE3;o foi realizado estudo farmacocin&#xE9;tico em pacientes com insufici&#xEA;ncia renal. Com base na an&#xE1;lise farmacocin&#xE9;tica populacional, nenhuma diferen&#xE7;a farmacocin&#xE9;tica clinicamente relevante foi observada em 282 pacientes com insufici&#xEA;ncia renal leve (TFGe entre 60 e 89 mL/min/1,73m<sup>2</sup> estimado por MDRD e 86 pacientes com insufici&#xEA;ncia renal moderada (TFGe entre 30 e 59 mL/min/1,73m<sup>2</sup>) em compara&#xE7;&#xE3;o a 226 pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal (TFGe maior ou igual a 90 mL/min/1,73m<sup>2</sup>). A farmacocin&#xE9;tica do Acalabrutinibe &#xE9; desconhecida em pacientes com insufici&#xEA;ncia renal grave (TFGe inferior a 29 mL/min/1,73m<sup>2</sup>) ou insufici&#xEA;ncia renal que requer di&#xE1;lise. Pacientes com n&#xED;veis de creatinina superiores a 2,5 vezes o limite superior normal institucional n&#xE3;o foram inclu&#xED;dos nos ensaios cl&#xED;nicos.</p> <h4>Insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica</h4> <p>O Acalabrutinibe &#xE9; metabolizado no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a>. Em um estudo de insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica, em compara&#xE7;&#xE3;o com indiv&#xED;duos com fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica normal (n = 6), a exposi&#xE7;&#xE3;o ao Acalabrutinibe (ASC) foi aumentada em 1,9<br> vezes e 1,5 vezes em indiv&#xED;duos com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica leve (n = 6) (Child-Pugh A) e moderada (n = 6)(Child-Pugh B), respectivamente. Com base em uma an&#xE1;lise farmacocin&#xE9;tica populacional, n&#xE3;o foi observada qualquer diferen&#xE7;a clinicamente relevante nas exposi&#xE7;&#xF5;es de Acalabrutinibe entre indiv&#xED;duos com insufici&#xEA;nciahep&#xE1;tica leve (n = 41) ou moderada (n = 3) (bilirrubina total entre 1,5 a 3 vezes o LSN e&amp;nbsp;qualquer AST) quando comparados a indiv&#xED;duos com fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica normal (n = 527) (bilirrubina total e AST dentro do LSN). A farmacocin&#xE9;tica do Acalabrutinibe n&#xE3;o foi avaliada em pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica grave (Child-Pugh C ou bilirrubina total entre 3 a 10 vezes ULN e qualquer AST).</br></p> <h3>Dados de seguran&#xE7;a pr&#xE9;-cl&#xED;nica</h3> <h4>Carcinogenicidade</h4> <p>Estudos de carcinogenicidade n&#xE3;o foram realizados com Acalabrutinibe.</p> <h4>Genotoxicidade / Mutagenicidade</h4> <p>O Acalabrutinibe n&#xE3;o foi mutag&#xEA;nico no ensaio de muta&#xE7;&#xE3;o reversa bacteriana, no ensaio <em>in vitro</em> de aberra&#xE7;&#xE3;o cromoss&#xF4;mica, ou em um ensaio<em> in vivo</em> de micron&#xFA;cleo de medula &#xF3;ssea de rato.</p> <h4>Toxicidade de dose repetida</h4> <p>A administra&#xE7;&#xE3;o oral di&#xE1;ria de Acalabrutinibe por at&#xE9; 6 meses em ratos, e por at&#xE9; 9 meses em c&#xE3;es, foi tolerada em n&#xED;veis de exposi&#xE7;&#xE3;o que excedem as exposi&#xE7;&#xF5;es terap&#xEA;uticas humanas na dose recomendada (4 vezes em ratos, 14 vezes em c&#xE3;es, com base na ASC).</p> <p>Em ratos, observaram-se efeitos renais incluindo degenera&#xE7;&#xE3;o tubular em exposi&#xE7;&#xF5;es 7 vezes superiores ou mais &#xE0; dose humana recomendada. Os efeitos renais foram revers&#xED;veis com recupera&#xE7;&#xE3;o completa em ratos expostos a n&#xED;veis 7 vezes a dose humana recomendada, e com recupera&#xE7;&#xE3;o parcial em ratos com exposi&#xE7;&#xF5;es maiores (12 vezes ou mais).</p> <p>Em ratos, foram observados achados hep&#xE1;ticos revers&#xED;veis em resposta &#xE0; dose, incluindo necrose hepatocit&#xE1;ria individual, ap&#xF3;s exposi&#xE7;&#xE3;o de 7 vezes superior ou mais &#xE0; dose humana recomendada. Em ratos, foram observadas toxicidades card&#xED;acas (hemorragia mioc&#xE1;rdica, inflama&#xE7;&#xE3;o, necrose) em exposi&#xE7;&#xF5;es equivalentes a 12 vezes ou mais a dose humana recomendada, e foram associadas &#xE0; morte prematura. A revers&#xE3;o dos problemas card&#xED;acos n&#xE3;o p&#xF4;de ser avaliada, j&#xE1; que esses problemas apenas foram observados em doses acima da dose m&#xE1;xima tolerada. Em exposi&#xE7;&#xF5;es que representam 7 vezes a dose humana recomendada, n&#xE3;o foram observadas toxicidades card&#xED;acas.</p> <h4>Toxicologia Reprodutiva</h4> <p>N&#xE3;o foram observados efeitos sobre a fertilidade em ratos machos ou f&#xEA;meas nas exposi&#xE7;&#xF5;es 18 ou 16 vezes maiores que a exposi&#xE7;&#xE3;o da ASC humana na dose recomendada, respectivamente.</p> <p>Em um estudo combinado sobre fertilidade e desenvolvimento embriofetal em ratas f&#xEA;meas, Acalabrutinibe foi administrado oralmente em doses de at&#xE9; 200 mg/kg/dia, com in&#xED;cio 14 dias antes do acasalamento at&#xE9; o dia 17 de gesta&#xE7;&#xE3;o. N&#xE3;o foram observados efeitos no desenvolvimento embriofetal e na sobreviv&#xEA;ncia do feto. A ASC das ratas prenhas que administraram a dose de 200 mg/kg/dia foi aproximadamente 16 vezes maior que a ASC em pacientes que administraram a dose recomendada de 100 mg duas vezes por dia. Foi confirmada a presen&#xE7;a do Acalabrutinibe e seu metab&#xF3;lito ativo no plasma fetal de ratos.</p> <p>Em um estudo embriofetal em coelhas prenhas, Acalabrutinibe foi administrado por via oral em doses de at&#xE9; 200 mg/kg/dia durante o per&#xED;odo da organog&#xEA;nese (dias gestacionais 6 a 8). Acalabrutinibe n&#xE3;o produziu toxicidade materna nem evid&#xEA;ncia de teratogenicidade ou comprometimento no desenvolvimento, crescimento ou sobreviv&#xEA;ncia fetal em doses de 50 mg/kg/dia (aproximadamente equivalente &#xE0; exposi&#xE7;&#xE3;o da ASC humana na dose recomendada). Foram observadas diminui&#xE7;&#xE3;o do peso corporal fetal e atraso na ossifica&#xE7;&#xE3;o em n&#xED;veis de exposi&#xE7;&#xE3;o que produziram toxicidade materna (doses &#x2265; 100 mg/kg/dia), que foram aproximadamente 4 vezes superiores aos n&#xED;veis de exposi&#xE7;&#xE3;o humana na dose recomendada.</p> </hr>"}

Apresentações do Calquence

Cápsulas duras de 100 mg em embalagem com 60 cápsulas.

Via oral.

Uso adulto.

Fabricante: Astrazeneca

© 2021 Medicamento Lab.