Blau Vancoson

500mg, caixa com 100 frascos-ampola tipo 1 com pó para solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção: suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 100 frascos-ampola com pó para solução de uso intravenoso + 100 ampolas com 10mL de diluente (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 1 frasco-ampola com pó para solução de uso intravenoso + 1 ampola com 10mL de diluente

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola tipo 1 com pó para solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola tipo 1 com pó para solução de uso intravenoso + 20 ampolas plásticas com 10mL de diluente (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola com pó para solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 100 frascos-ampola com pó para solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola com pó para solução de uso intravenoso + 20 ampolas com 10mL de diluente (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola com pó para solução de uso intravenoso + 20 ampolas plásticas com 10mL de diluente (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

500mg, caixa com 20 frascos-ampola tipo 1 com pó para solução de uso intravenoso + 20 ampolas com 10mL de diluente (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloridrato De Vancomicina
Classe Terapêutica
:
Antibióticos Glucopeptídeos
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca 2 Vias (Antibiótico - Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Antibióticos
Especialidade
:
Infectologia, Pneumologia e Clínica Médica

Bula do medicamento

Vancoson, para o que é indicado e para o que serve?

- Tratamento dos sintomas associados à enfermidades alérgicas, como: rinite alérgica sazonal (incluindo os sintomas oculares) e urticária crônica

Quais as contraindicações do Vancoson?

- Hipersensibilidade à fórmula.
- Pacientes com problemas hepáticos e Renais.
- Durante período de amamentação.

Como usar o Vancoson?

Uso Oral

- Adultos e Adolescentes a partir de 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

- Crianças de 6 a 12 anos: A dose diária recomendada é de 5 mg (1 comprimido ao dia).

Quais cuidados devo ter ao usar o Vancoson?

Reações Relacionadas com a Infusão

A administração intravenosa rápida (em poucos minutos) pode provocar uma hipotensão exagerada, incluindo choque e, raramente, parada cardíaca. Para diminuir a chance de reações relacionadas com a infusão rápida, o Cloridrato de Vancomicina deve ser administrada em uma solução diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL, a uma velocidade de no máximo 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas. Geralmente, essas reações cessam prontamente ao interromper-se a infusão.

Ototoxicidade

Tem ocorrido ototoxicidade, transitória ou permanente, em pacientes recebendo Cloridrato de Vancomicina, sendo relatada na maioria das vezes em pacientes que receberam doses excessivas, que tinham algum problema de perda de audição ou que estavam recebendo terapia concomitante com outro agente ototóxico, tal como um aminoglicosídeo.

Pacientes com insuficiência renal podem apresentar uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina, aumentando o risco de ototoxicidade. Administrar Cloridrato de Vancomicina com cautela para esses pacientes. Testes periódicos da função auditiva podem ser úteis para monitorar o risco de ototoxicidade.

Nefrotoxicidade

As doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustadas em pacientes com disfunção renal. Para monitorar o risco de nefrotoxicidade em pacientes com insuficiência renal ou que estejam recebendo terapia concomitantemente com aminoglicosídeo, deve ser feita uma monitorização contínua da função renal e cuidados especiais devem ser tomados seguindo esquemas de doses apropriadas.

Colite Pseudomembranosa

Tem sido reportada colite pseudomembranosa com praticamente todos os antibióticos, incluindo Cloridrato de Vancomicina, podendo variar de leve a risco de morte; portanto, é importante considerar esse diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia, associada com o uso de agentes antibacterianos. Tratamento com agentes antibacterianos altera a flora&nbsp;normal do cólon e pode permitir o aumento do crescimento de clostrídeos. Estudos indicam que a toxina produzida pelo Clostridium difficile é uma causa primária de “colite associada a antibióticos”.

Os casos leves de colite pseudomembranosa respondem normalmente à interrupção da droga. Em casos moderados a graves, as medidas devem incluir fluídos, eletrólitos, suplementação proteica e tratamento com uma droga antibacteriana clinicamente efetiva contra colite por Clostridium difficile.

Superinfecção

Durante o tratamento, se ocorrer uma superinfecção devem ser tomadas medidas apropriadas, não descartando a possibilidade de crescimento de microrganismos resistentes.

Neutropenia

foi relatada neutropenia reversível em pacientes que estavam recebendo Cloridrato de Vancomicina. Pacientes que vão receber tratamento prolongado com Cloridrato de Vancomicina ou que estejam recebendo concomitantemente drogas neutropênicas devem ter uma monitorização periódica na contagem de leucócitos.

Irritação tecidual

O Cloridrato de Vancomicina é irritante ao tecido e só deve ser administrada via infusão intravenosa. Se for administrada via intramuscular ou quando houver extravasamento acidental poderá ocorrer dor, hipersensibilidade no local e até necrose.

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite, cuja frequência e gravidade podem ser minimizadas administrando-se a droga em concentrações de no máximo 5 mg/mL e velocidade lenta, de no máximo 10 mg/minuto, por sistema de rodízio dos locais de infusão, exceto nos casos em que a administração se faça por cateter venoso central. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Via intratecal

A segurança e eficácia da administração de vancomic ina por via intratecal não foram avaliadas.

Via intraperitoneal

Relatos têm revelado que a administração de Cloridrato de Vancomicina por via intraperitoneal, durante a diálise peritoneal contínua em ambulatório, resultou em uma síndrome de peritonite química. Até o momento, esta síndrome tem variado de um dialisado turvo a um dialisado turvo acompanhado por dor abdominal e febre em vários graus. Esta síndrome parece ser de curta duração após a interrupção do Cloridrato de Vancomicina administrada por via intraperitoneal.

Carcinogênese, Mutagênese e danos à Fertilidade

Não foi demonstrado potencial mutagênico do Cloridrato de Vancomicina em testes padrão de laboratório. Estudos de teratologia em animais não revelaram evidência de dano ao feto devido ao Cloridrato de Vancomicina.

Uso na Gravidez

Categoria de risco C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulhere s grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não foram realizados estudos de reprodução animal com o Cloridrato de Vancomicina.

Em um estudo clínico controlado, os potenciais dos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos do Cloridrato de Vancomicina em crianças foram avaliados quando a droga foi administrada por via intravenosa a mulheres grávidas, portadoras de infecções estafilocócicas graves, complicadas por serem viciadas em drogas de abuso intravenosas. O Cloridrato de Vancomicina foi encontrada no sangue do cordão umbilical. Não foi observada perda auditiva neurossensorial ou nefrotoxicidade com o Cloridrato de Vancomicina. Uma criança cuja mãe recebeu Cloridrato de Vancomicina no terceiro trimestre de gravidez apresentou perda auditiva de condução, não atribuível à administração do produto. Devido ao número de pacientes tratados neste estudo ser limitado e o Cloridrato de Vancomicina ter sido administrada somente no segundo e terceiro trimestres de gravidez, não se sabe se o Cloridrato de Vancomicina causa dano fetal. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem a resposta em humano e ao fato da segurança do uso de Cloridrato de Vancomicina em mulheres grávidas não ter sido estabelecida, o Cloridrato de Vancomicina só deve ser administrada a mulheres grávidas se absolutamente necessário.

Uso na Lactação

O Cloridrato de Vancomicina é excretada no leite humano. Deve-se ter cuidado quando o Cloridrato de Vancomicina for administrada a mulheres que estejam amamentando. Deve-se descontinuar a droga ou a amamentação, considerando a importância da droga para a mãe.

Uso em crianças

Em recém-nascidos prematuros e lactentes jovens é recomendável controlar a concentração sérica de Cloridrato de Vancomicina.

Uso em idosos

A diminuição natural na filtração glomerular com o aumento da idade pode levar a uma elevação da concentração sérica do Cloridrato de Vancomicina. Os esquemas de doses de Cloridrato de Vancomicina devem ser ajustados de acordo com a função renal nos pacientes idosos.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Vancoson?

Reações relacionadas com a infusão

Quando administrada via infusão intravenosa pode ocorrer dor, hipersensibilidade no local e tromboflebite. Durante ou logo após uma infusão rápida de Cloridrato de Vancomicina, os pacientes podem desenvolver reações anafilactoides, incluindo hipotensão, chiado, dispneia, urticária ou prurido, choque e parada cardíaca. Em uma infusão rápida há liberação de histamina, situação que pode causar a Síndrome do Homem Vermelho caracterizada por arrepios ou febre, desmaio, aceleração dos batimentos cardíacos, quedas de pressão, coceira na pele, náusea ou vômito, erupção e vermelhidão na parte superior do corpo. Essas reações são comuns quando a administração é rápida (velocidade de infusão superior a 10 mg/minuto) e geralmente desaparecem dentro de 20 minutos após término da infusão, mas podem persistir por várias horas. As reações relacionadas com a infusão são raras se o Cloridrato de Vancomicina for administrada corretamente: diluída a concentrações de no máximo 5 mg/mL e infundidas na velocidade de até 10 mg/minuto. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são administradas.

Nefrotoxicidade

Raramente foram relatados danos renais, manifestados principalmente por aumento nas concentrações de creatinina sérica ou do nitrogênio ureico sanguíneo em pacientes que receberam altas doses de Cloridrato de Vancomicina. Foram relatados raros casos de nefrite intersticial. A maioria desses relatos ocorreu em pacientes que receberam aminoglicosídeos concomitantemente ou que tinham disfunção renal pré-existente. Quando o Cloridrato de Vancomicina foi interrompida, a uremia desapareceu na maioria dos pacientes.

Gastrintestinais

Pode ocorrer colite pseudomembranosa durante ou após o tratamento com Cloridrato de Vancomicina. A colite pseudomembranosa é caracterizada por dor e cólicas abdominais graves, abdômen sensível ao toque, diarreia aquosa com ou sem sangue, febre.

A ocorrência de colite pseudomembranosa é rara.

Ototoxicidade

Foram relatados diversos casos de perda de audição relacionada com o uso de Cloridrato de Vancomicina. A maioria desses pacientes tinha disfunção renal, perda de audição pré-existente ou estava em tratamento concomitante com outras drogas ototóxicas. Vertigem, tontura e tinitus foram relatados raramente.

Hematopoiese

Têm sido reportados alguns casos de neutropenia reversível, geralmente começando uma semana ou mais após o início da terapia com Cloridrato de Vancomicina ou após uma dose total maior que 25 gramas. A neutropenia parece ser prontamente&nbsp;reversível quando o Cloridrato de Vancomicina é interrompida. Trombocitopenia foi relatada raramente. Apesar de não ter sido estabelecida uma relação causal, agranulocitose reversível (granulócitos menor que 500/mm3 ) tem sido relatada raramente.

Pele e anexos

Raramente foram observados casos de erupções cutâneas (incluindo dermatite esfoliativa), reações de hipersensibilidade, prurido, Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, urticária e vasculite.

Outras

Raramente foram relatados febre medicamentosa, náusea e calafrios. Foi relatada peritonite química após administração intraperitoneal de Cloridrato de Vancomicina.

Atenção:&nbsp;suspeitar de ototoxicidade, nefrotoxicidade ou colite pseudomembranosa se, após a descontinuação do Cloridrato de Vancomicina, ocorrer dor e cólicas abdominais graves, dor ou sensibilidade abdominal, mudança na frequência e quantidade de urina, diarreia aquosa ou grave (podendo ser sanguinolenta), dificuldade para respirar, sonolência, febre, sede excessiva, perda do apetite, perda auditiva, náusea, vômito, zumbido ou barulho nos ouvidos e fraqueza.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Vancoson com outros remédios?

Drogas nefrotóxicas e ototóxicas

O uso concomitante do Cloridrato de Vancomicina com outros agentes nefrotóxicos e/ou ototóxicos, como colistina, estreptomicina, neomicina, canamicina, tobramicina, gentamicina, amicacina, anfotericina B, bacitracina, cisplatina, paramomicina, polimixina B, ciclosporina, ácido etacrínico, furosemida, bumetanida, capreomicina, estreptozocina, carmustina, ácido acetilsalicílico ou outro salicilato, pode aumentar os riscos de reações tóxicas nos&nbsp;ouvidos e nos rins. Ao utilizar Cloridrato de Vancomicina concomitantemente com drogas ototóxicas pode ocorrer perda auditiva que pode progredir para surdez, mesmo com a descontinuação da droga, sendo que a perda auditiva pode ser reversível, mas geralmente é permanente. Nesses casos devem-se efetuar determinações audiométricas. Os efeitos da toxicidade auditiva do Cloridrato de Vancomicina, como tinitus, tontura ou vertigem, podem ser mascarados por anti-histamínicos, buclizina, ciclizina, meclizina, fenotiazinas, tioxantenos, trimetobenzamida. Quando a utilização de Cloridrato de Vancomicina e aminoglicosídeo for necessária, atentar para a possibilidade de reações adversas devido a interação entre eles, podendo ser necessário verificações da função renal, da concentração sérica, ajustes de dose ou utilização de outros antibióticos.

Agentes anestésicos e vecurônio

A utilização de Cloridrato de Vancomicina com agentes anestésicos (ex.: tiopental, propofol, sulfentanila) e vecurônio pode causar hipotensão e aumentar a depressão neuromuscular. O uso concomitante de Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos tem sido associado com a ocorrência de reações anafilactoides e a um aumento das reações ligadas à infusão (ex.: hipotensão, rubor, eritema, urticária, prurido). Eritema e rubor semelhante ao que ocorre com a liberação de histamina têm ocorrido em pacientes pediátricos recebendo Cloridrato de Vancomicina e agentes anestésicos concomitantemente.

O risco de reações adversas relacionadas à infusão pode ser minimizado se o Cloridrato de Vancomicina for administrada numa infusão lenta (velocidade de no máximo 10 mg/minuto), antes da indução da anestesia. A infusão deve sempre ser feita em pelo menos 60 minutos, mesmo quando doses menores de 500 mg são utilizadas.

Dexametasona

Em estudos com animais verificou-se que a administração de Cloridrato de Vancomicina e dexametasona causou uma diminuição da penetração do Cloridrato de Vancomicina no líquido cérebroespinhal, portanto ao utilizar dexametasona como adjuvante no tratamento de meningites bacterianas recomenda-se que seja administrada antes ou junto à primeira dose de Cloridrato de Vancomicina.

Qual a ação da substância do Vancoson (Cloridrato de Vancomicina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O Cloridrato de Vancomicina tem sido usada com sucesso em combina&#xE7;&#xE3;o com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/rifampicina/bula\" target=\"_blank\">rifampicina</a>, aminoglicos&#xED;deo ou ambos na endocardite precoce em pr&#xF3;tese de v&#xE1;lvula, causada por <em>Staphylococcus epidermidis </em>ou por difteroides. Esp&#xE9;cies para culturas bacteriol&#xF3;gicas devem ser obtidas para se isolar e identificar microrganismos respons&#xE1;veis pela infec&#xE7;&#xE3;o e determinar sua suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <p>Apesar da aus&#xEA;ncia de estudos cl&#xED;nicos controlados, o Cloridrato de Vancomicina intravenosa tem sido sugerida pela Associa&#xE7;&#xE3;o de Cardiologia Americana e Associa&#xE7;&#xE3;o de Odontologia Americana como profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes al&#xE9;rgicos &#xE0; penicilina, que t&#xEA;m doen&#xE7;a card&#xED;aca cong&#xEA;nita, doen&#xE7;a reum&#xE1;tica ou outra doen&#xE7;a valvular adquirida, quando esses pacientes s&#xE3;o submetidos a procedimentos dent&#xE1;rios ou procedimentos cir&#xFA;rgicos do trato respirat&#xF3;rio superior.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <h3>Descri&#xE7;&#xE3;o</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; um antibi&#xF3;tico glicopept&#xED;deo tric&#xED;clico, derivado de cepas de <em>Amycolatopsis orientalis</em> (anteriormente conhecido como<em> Nocardia orientalis</em>). O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; cromatograficamente purificada. A f&#xF3;rmula molecular do cloridrato de Cloridrato de Vancomicina &#xE9; C<sub>66</sub>H<sub>75</sub>Cl<sub>2</sub> N<sub>9</sub> O<sub>24</sub>.HCl e o peso molecular &#xE9; de aproximadamente 1486.</p> <h3>Farmacocin&#xE9;tica</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem baixa absor&#xE7;&#xE3;o pelo trato gastrintestinal. Deve ser administrada por infus&#xE3;o intravenosa para o tratamento de infec&#xE7;&#xF5;es sist&#xEA;micas.</p> <p>A dose usual em um paciente adulto com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal &#xE9; de 1 g (10 a 15 mg/kg) a cada 12 horas, administrada por infus&#xE3;o intravenosa durante no m&#xED;nimo 60 minutos.</p> <p>O regime de doses de Cloridrato de Vancomicina ideal &#xE9; aquele em que a concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico (logo ap&#xF3;s infus&#xE3;o) seja menor que 40 a 50 mcg/mL e a concentra&#xE7;&#xE3;o de equil&#xED;brio esteja entre 5 a 15 mcg/mL, j&#xE1; que a concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima para bact&#xE9;rias suscet&#xED;veis &#xE9; &lt; 5 mcg/mL. Concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pico maiores que 50 mcg/mL foram relacionadas a ototoxicidade.</p> <h4>Distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O volume de distribui&#xE7;&#xE3;o est&#xE1; entre 0,5 e 1 L/kg, sendo 0,7 L/kg o valor mais utilizado em c&#xE1;lculos. A distribui&#xE7;&#xE3;o do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; complexa, pois ocorre o fen&#xF4;meno de redistribui&#xE7;&#xE3;o, que dificulta a medi&#xE7;&#xE3;o da concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica de pico e sofre influ&#xEA;ncia de vari&#xE1;veis como, por exemplo, idade do indiv&#xED;duo.</p> <p>Ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o intravenosa de Cloridrato de Vancomicina, s&#xE3;o encontradas concentra&#xE7;&#xF5;es inibit&#xF3;rias nos l&#xED;quidos pleural, peric&#xE1;rdico, asc&#xED;tico e sinovial, assim como na urina, no l&#xED;quido de di&#xE1;lise peritoneal e tamb&#xE9;m nos tecidos que circundam o &#xE1;trio. O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o penetra prontamente o l&#xED;quido cerebroespinhal, a menos que as meninges estejam inflamadas.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>A meia-vida plasm&#xE1;tica m&#xE9;dia &#xE9; de aproximadamente 6 horas (faixa de 4 a 11 horas) para pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal normal, por&#xE9;m em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da (olig&#xFA;ria ou an&#xFA;ria) a meia-vida plasm&#xE1;tica &#xE9; de aproximadamente 7 dias (faixa de 6 a 10 dias). Portanto pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal podem receber uma dose de Cloridrato de Vancomicina a cada 8 a 12 horas, e pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal diminu&#xED;da devem receber uma dose por semana.</p> <p>O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; eliminada de 75-90% pela via renal por filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular, apenas cerca de 5% da dose &#xE9; metabolizada.</p> <p>Uma pequena parte &#xE9; eliminada na bile. O<em> clearance </em>do Cloridrato de Vancomicina &#xE9; pr&#xF3;ximo ao <em>clearance</em> da creatinina. O Cloridrato de Vancomicina &#xE9; muito pouco eliminada por <a href=\"https://consultaremedios.com.br/produtos-hospitalares/hemodialise/c\" target=\"_blank\">hemodi&#xE1;lise</a> ou di&#xE1;lise peritoneal, por&#xE9;m para pacientes que fazem di&#xE1;lise peritoneal ambulatorial cont&#xED;nua essa perda &#xE9; significante, sendo necess&#xE1;rios acertos de doses, como administrar o medicamento em uma frequ&#xEA;ncia maior (geralmente a cada 3 a 5 dias) do que a realizada em pacientes com doen&#xE7;a renal em est&#xE1;gio terminal. O mesmo ocorre em pacientes que fazem hemodi&#xE1;lise de alto fluxo ou de alta efici&#xEA;ncia, que remove 17% do Cloridrato de Vancomicina.</p> <h3>Farmacodin&#xE2;mica</h3> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem a&#xE7;&#xE3;o bactericida sobre microrganismos Gram-positivos. Sua a&#xE7;&#xE3;o resulta principalmente da inibi&#xE7;&#xE3;o da bioss&#xED;ntese da parede celular, da altera&#xE7;&#xE3;o da permeabilidade da membrana citoplasm&#xE1;tica e da s&#xED;ntese do RNA (&#xE1;cido ribonucl&#xE9;ico). N&#xE3;o h&#xE1; resist&#xEA;ncia cruzada entre o Cloridrato de Vancomicina e outras classes de antibi&#xF3;ticos.</p> <h4>Microbiologia</h4> <p>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> e cl&#xED;nica contra a maioria das cepas dos microrganismos listados abaixo, entretanto o principal uso &#xE9; contra cepas de<em> Staphylococcus aureus</em> resistentes &#xE0; meticilina.</p> <h5>Gram-positivos aer&#xF3;bicos</h5> <ul> <li>Difteroides;</li> <li>Enterococos (<em>Enterococcus faecalis</em>);</li> <li>Estafilococos, incluindo <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Staphylococcus epidermidis</em> (incluindo cepas heterog&#xEA;neas resistentes &#xE0; meticilina);</li> <li> <em>Streptococcus bovis</em>;</li> <li>Estreptococos do grupo viridans.</li> </ul> <h6>O Cloridrato de Vancomicina tem demonstrado atividade <em>in vitro</em> contra os seguintes microrganismos, por&#xE9;m sua signific&#xE2;ncia cl&#xED;nica n&#xE3;o foi estabelecida:</h6> <ul> <li> <em>Listeria monocytogenes; Streptococcus pyogenes; Streptococcus pneumoniae </em>(incluindo cepas resistentes &#xE0; penicilina); <em>Streptococcus agalactiae; Actinomyces </em>spp.; <em>Lactobacillus</em> spp e<em> Bacillus</em> sp.</li> </ul> <p>O Cloridrato de Vancomicina n&#xE3;o &#xE9; ativa<em> in vitro</em> contra bacilos Gram-negativos, micobact&#xE9;ria ou fungo.</p> <h4>Sinergismo</h4> <p>A combina&#xE7;&#xE3;o de Cloridrato de Vancomicina e um aminoglicos&#xED;deo apresenta a&#xE7;&#xE3;o sin&#xE9;rgica <em>in vitro </em>contra muitas cepas de Staphylococcus aureus, estreptococos n&#xE3;o enterococos do grupo D, enterococos, <em>Streptococcus </em>sp. (grupo viridans).</p> <h3>Testes de Suscetibilidade</h3> <h4>T&#xE9;cnicas de difus&#xE3;o</h4> <p>O m&#xE9;todo T&#xE9;cnicas de Difus&#xE3;o, padronizado pelo<em> Clinical and Laboratory Standards Institute</em> (CLSI), &#xE9; recomendado para testar a suscetibilidade ao Cloridrato de Vancomicina.</p> <h5>Os resultados dos testes de suscetibilidade, usando discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina, devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 12</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">10 a 11</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:247px\"> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 9</p> </td> <td style=\"width:232px\"> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Procedimentos padronizados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI) requerem o uso de microrganismos de controle laboratorial (cepas ATCC).</p> <h6>Os discos de 30 mcg de Cloridrato de Vancomicina devem produzir os seguintes halos de inibi&#xE7;&#xE3;o:</h6> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Di&#xE2;metro do Halo (mm)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:246px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC 25923</p> </td> <td style=\"width:233px\"> <p style=\"text-align:center\">15 a 19</p> </td> </tr> </tbody> </table> <h4>T&#xE9;cnicas de Dilui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Usar o m&#xE9;todo de dilui&#xE7;&#xE3;o (em caldo, &#xE1;gar ou equivalente) padronizado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI).</p> <h5>Os valores de concentra&#xE7;&#xE3;o inibit&#xF3;ria m&#xED;nima (CIM) obtidos devem ser interpretados de acordo com os seguintes crit&#xE9;rios:</h5> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\"><strong>Interpreta&#xE7;&#xE3;o</strong></p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2264; 4</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Suscet&#xED;vel</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">5 a 15</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Intermedi&#xE1;rio</p> </td> </tr> <tr> <td> <p style=\"text-align:center\">&#x2265; 16</p> </td> <td> <p style=\"text-align:center\">Resistente</p> </td> </tr> </tbody> </table> <p>Um resultado &#x201C;suscet&#xED;vel&#x201D; indica que o pat&#xF3;geno provavelmente ser&#xE1; inibido pelos n&#xED;veis sangu&#xED;neos normalmente alcan&#xE7;ados. Um resultado &#x201C;intermedi&#xE1;rio&#x201D; sugere que o microrganismo deve ser suscet&#xED;vel se for usada alta dose ou se a infec&#xE7;&#xE3;o estiver confinada nos tecidos e l&#xED;quidos onde altos n&#xED;veis do antibi&#xF3;tico s&#xE3;o atingidos. Um resultado &#x201C;resistente&#x201D; indica que as concentra&#xE7;&#xF5;es alcan&#xE7;adas n&#xE3;o ser&#xE3;o suficientes para inibir o microrganismo e outra terapia deve ser selecionada.</p> <h5>Cepas-Controle</h5> <p>Os procedimentos de dilui&#xE7;&#xE3;o requerem tamb&#xE9;m o uso de cepas de controle laboratorial (cepas ATCC). O Cloridrato de Vancomicina padr&#xE3;o deve dar os seguintes valores de CIM.</p> <table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Microrganismo</strong></p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>CIM (mcg/mL)</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Staphylococcus aureus</em> ATCC29213</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">0,5 a 2</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:242px\"> <p style=\"text-align:center\"><em>Enterococcus faecalis </em>ATCC 29212</p> </td> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">1 a 4</p> </td> </tr> </tbody> </table> </hr>"}

Fabricante: Blau

© 2021 Medicamento Lab.