Cristália Levozine

100mg, caixa com 200 comprimidos revestidos (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Levomepromazina
Classe Terapêutica
:
Antipsicóticos Convencionais
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
C1 Branca 2 vias (Venda Sob Prescrição Médica - Este medicamento pode causar Dependência Física ou Psíquica)
Categoria
:
Sistema Nervoso
Especialidade
:
Psiquiatria e Neurologia

Bula do medicamento

Levozine, para o que é indicado e para o que serve?

Levozine® (levomepromazina) é um medicamento cuja ação esperada é a sedação e melhora de quadros mentais, como por exemplo, a ansiedade em pacientes psicóticos e na terapia adjuvante para o alívio do delírio, agitação, inquietação, confusão, associados com a dor em pacientes terminais.

Como o Levozine funciona?

{"tag":"hr","value":" <p>Levomepromazina age no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/c\" target=\"_blank\">Sistema Nervoso Central</a> (SNC) atrav&#xE9;s de sua propriedade antidopamin&#xE9;rgica (que inibem a estimula&#xE7;&#xE3;o excessiva do SNC).</p> "}

Quais as contraindicações do Levozine?

Levomepromazina não deve ser utilizado nos seguintes casos:

  • <li>Pacientes com hipersensibilidade &#xE0; levomepromazina e aos demais componentes do produto;</li> <li>Hist&#xF3;rico de hipersensibilidade &#xE0;s fenotiazinas;</li> <li>Risco de reten&#xE7;&#xE3;o urin&#xE1;ria ligada a dist&#xFA;rbios uretroprost&#xE1;ticos (altera&#xE7;&#xF5;es na uretra e pr&#xF3;stata);</li> <li>Risco de <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-glaucoma-sintomas-tratamento-causas-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">glaucoma</a> (aumento da press&#xE3;o intraocular) de &#xE2;ngulo-fechado;</li> <li>Antecedentes de agranulocitose (diminui&#xE7;&#xE3;o de granul&#xF3;citos no sangue);</li> <li>Pacientes que fazem uso de medicamentos que pertencem &#xE0; classe agonistas dopamin&#xE9;rgicos (amantadina, apomorfina, <a href="https://consultaremedios.com.br/bromocriptina/bula" target="_blank">bromocriptina</a>, <a href="https://consultaremedios.com.br/cabergolina/bula" target="_blank">cabergolina</a>, entacapone, lisurida, pramipexol, ropinirol, pergolida, <a href="https://consultaremedios.com.br/piribedil/bula" target="_blank">piribedil</a>, quinagolida), com exce&#xE7;&#xE3;o nos casos de pacientes com doen&#xE7;a de <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/parkinson/c" target="_blank">Parkinson</a>;</li> <li>Medicamentos que podem induzir <em>torsades de pointes </em>(quadro espec&#xED;fico de altera&#xE7;&#xE3;o nos batimentos card&#xED;acos);</li> <li>Amamenta&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Em associa&#xE7;&#xE3;o com &#xE1;lcool, levodopa, agonistas dopamin&#xE9;rgicos em parkinsonianos.</li>

Este medicamento é contraindicado para uso em pacientes grávidas nos três primeiros meses de gravidez e durante a amamentação.

Exclusivo Comprimido:&nbsp;Este medicamento contém lactose.

Como usar o Levozine?

Comprimido

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Você deve tomar os comprimidos com líquido, por via oral.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente que receber uma dose inicial elevada, deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante da dor em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Uso em crianças

Como as doses pediátricas dificilmente podem ser obtidas com a apresentação comprimidos, deve ser utilizada a apresentação solução oral a 4% para estes pacientes.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Solução Oral

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Instrução de uso
{"tag":"ol","value":" <li>Coloque o frasco na posi&#xE7;&#xE3;o vertical com a tampa para o lado de cima, gire-a at&#xE9; romper o lacre da tampa.</li> "}

{"tag":"ol","value":" <li>Virar o frasco para iniciar o gotejamento. Mant&#xEA;-lo inclinado em aproximadamente 45&#xBA;.&amp;nbsp;</li> "}

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Cada 1 mL = 40 gotas (1 gota = 1 mg de maleato de levomepromazina).

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Uso em crianças
De 2 a 15 anos de idade

0,1 a 0,2 mg/kg em 24 horas.

As gotas devem ser diluídas em água açucarada e nunca administradas diretamente na língua.

Deve-se observar atentamente que as doses de levomepromazina para crianças são diferentes das doses para adultos.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrada por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Levozine?&nbsp;

{"tag":"hr","value":" <p>Caso esque&#xE7;a de administrar uma dose, administre-a assim que poss&#xED;vel. No entanto, se estiver pr&#xF3;ximo do hor&#xE1;rio da dose seguinte, espere por este hor&#xE1;rio, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia. Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo.</p> <p><strong>Em caso de d&#xFA;vidas, procure orienta&#xE7;&#xE3;o do farmac&#xEA;utico ou de seu m&#xE9;dico, ou cirurgi&#xE3;o-dentista.</strong></p> "}

Quais cuidados devo ter ao usar o Levozine?

Comprimido / Solução Oral

Hiperglicemia (nível alto de açúcar no sangue) ou intolerância à glicose foram relatadas em pacientes tratados com levomepromazina. Os pacientes com diagnóstico estabelecido de diabetes mellitus ou com fatores de risco para desenvolvimento de diabetes que iniciaram o tratamento com levomepromazina devem realizar monitoramento glicêmico (controle do açúcar no sangue) apropriado durante o tratamento.

A levomepromazina pode diminuir o limiar para convulsões e deve ser usado com cautela em pacientes epilépticos.

A monitorização cuidadosa do tratamento da levomepromazina é necessária nos seguintes casos:
  • <li>Pacientes portadores de certas doen&#xE7;as cardiovasculares;</li> <li>Pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica e/ou renal grave (redu&#xE7;&#xE3;o grave das fun&#xE7;&#xF5;es do <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c" target="_blank">f&#xED;gado</a> e/ou rins);</li> <li>Pacientes idosos exibindo grande sensibilidade &#xE0; <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> ortost&#xE1;tica (queda s&#xFA;bita de press&#xE3;o arterial quando um indiv&#xED;duo assume a posi&#xE7;&#xE3;o ereta), seda&#xE7;&#xE3;o e outros efeitos extrapiramidais (relacionado &#xE0; coordena&#xE7;&#xE3;o dos movimentos); <a href="https://minutosaudavel.com.br/prisao-de-ventre/" rel="noopener" target="_blank">constipa&#xE7;&#xE3;o</a> cr&#xF4;nica [risco de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional dos intestinos)]; eventual hipertrofia prost&#xE1;tica (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata);</li> <li>Pacientes epil&#xE9;pticos. O aparecimento inesperado de crises convulsivas requer interrup&#xE7;&#xE3;o do tratamento.</li>

A ingestão de álcool, assim como de medicamentos contendo álcool em sua formulação, é fortemente desaconselhada durante o tratamento.

Precauções devem ser tomadas com insuficiência hepática (redução grave das funções do fígado), devido ao risco de overdose (dose excessiva capaz de provocar efeitos adversos).

No início do tratamento com levomepromazina devem ser realizados testes da função hepática. Durante o tratamento crônico (de longa duração), os exames de acompanhamento devem ser realizados pelo menos a cada 6-12 meses.

Levomepromazina deve ser utilizado com prudência em pacientes idosos, exigindo certas precauções, tais como a verificação da pressão arterial e, às vezes, exames eletroencefalográficos, em razão da grande sensibilidade à sedação e à hipotensão ortostática (queda significativa da pressão arterial após assumir a posição de pé) neste grupo de pacientes.

Pacientes idosos não devem usar o medicamento sem orientação médica.

Gravidez
Os seguintes efeitos foram relatados (em experiência pós-comercialização) em recém-nascidos que foram expostos a fenotiazínicos durante o terceiro trimestre de gravidez:
  • <li>Diversos graus de dist&#xFA;rbios respirat&#xF3;rios variando de taquipneia (respira&#xE7;&#xE3;o r&#xE1;pida e anormal) a ang&#xFA;stia respirat&#xF3;ria, bradicardia (diminui&#xE7;&#xE3;o da frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca) e hipotonia (flacidez muscular), sendo estes mais comuns quando outros medicamentos do tipo psicotr&#xF3;picos ou antimuscar&#xED;nicos forem concomitantemente administrados;</li> <li>Sinais relacionados &#xE0;s propriedades atrop&#xED;nicas dos fenotiaz&#xED;nicos tais como &#xED;leo meconial (<a href="https://minutosaudavel.com.br/obstrucao-intestinal/" rel="noopener" target="_blank">obstru&#xE7;&#xE3;o intestinal</a> do rec&#xE9;mnascido), retardo da elimina&#xE7;&#xE3;o do mec&#xF4;nio (primeiras fezes eliminadas pelo rec&#xE9;m-nascido), dificuldades iniciais de alimenta&#xE7;&#xE3;o, distens&#xE3;o abdominal, taquicardia (acelera&#xE7;&#xE3;o do ritmo card&#xED;aco);</li> <li>Dist&#xFA;rbios neurol&#xF3;gicos tais como sintomas extrapiramidais (altera&#xE7;&#xE3;o neurol&#xF3;gica que leva a dist&#xFA;rbios do equil&#xED;brio e da movimenta&#xE7;&#xE3;o) incluindo tremor e hipertonia (aumento anormal do t&#xF4;nus muscular), sonol&#xEA;ncia, agita&#xE7;&#xE3;o.</li>

Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento com levomepromazina ou após seu término, pois é recomendável limitar a duração da prescrição de levomepromazina durante a gestação.

No final da gravidez, se possível, é recomendável diminuir a dose simultaneamente de neurolépticos e antiparkinsonianos que potencializam os efeitos atropínicos [por exemplo: íleo meconial (obstrução intestinal do recém-nascido), retardo da eliminação do mecônio (primeiras fezes eliminadas pelo recém-nascido), dificuldades iniciais de alimentação, distensão abdominal, taquicardia (aceleração do ritmo cardíaco)] dos neurolépticos.

Levomepromazina não é recomendado durante a gravidez.

Converse com seu médico antes de tomar este medicamento:
  • <li>Se &#xE9; uma mulher em idade f&#xE9;rtil e que n&#xE3;o usa m&#xE9;todos contraceptivos eficazes ou;</li> <li>Se est&#xE1; gr&#xE1;vida, pode engravidar ou pensa estar gr&#xE1;vida.</li>

Converse com o seu médico sobre a necessidade de monitoramento e tratamento adequado do recém-nascido de mães tratadas com levomepromazina, uma vez que estes procedimentos são recomendados.

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

Lactação

A levomepromazina é excretada no leite materno em baixas quantidades. O risco para a criança que está sendo amamentada não pode ser excluído. O médico deve decidir entre a descontinuação da amamentação ou a descontinuação da terapia com levomepromazina, levando-se em conta os benefícios da amamentação para a criança e o da terapia para a mulher.

Fertilidade

Não existem dados de fertilidade em animais.

Em humanos, por causa da interação com receptores de dopamina, a levomepromazina pode causar hiperproactinemia, que pode ser associada à diminuição da fertilidade nas mulheres. Alguns dados sugerem que o tratamento com levomepromazina esteja associado à diminuição da fertilidade em pacientes masculinos.

Efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

A atenção é requerida, particularmente para os condutores de veículos e operadores de máquinas, por causa do risco de sonolência, desorientação e confusão ligado ao medicamento, sobretudo no início do tratamento.

Durante o tratamento com Levozine® o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Exclusivo Comprimido

Este medicamento contém lactose.

Exclusivo Solução Oral

Devido à presença de álcool na formulação de Levozine®, este medicamento pode causar doping.

Este medicamento não deve ser administrado diretamente na boca. Ele deve ser sempre diluído em água.

Advertências do&nbsp;Levozine

{"tag":"hr","value":" <p>Medicamentos da classe dos neurol&#xE9;pticos fenotiaz&#xED;nicos, a qual o levomepromazina pertence podem potencializar o prolongamento do intervalo QT (altera&#xE7;&#xE3;o observada em <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/eletrocardiograma-ecg-o-que-e-para-que-serve-e-como-e-feito-o-exame/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">eletrocardiograma</a> e que est&#xE1; relacionada aos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o), o que aumenta o risco de ataque de arritmias ventriculares (descompasso dos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o) graves do tipo <em>torsades de pointes</em> (tipo de altera&#xE7;&#xE3;o grave nos batimentos card&#xED;acos), que &#xE9; potencialmente fatal (morte s&#xFA;bita). Se a situa&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica permitir, avalia&#xE7;&#xF5;es m&#xE9;dicas e laboratoriais devem ser realizadas para descartar poss&#xED;veis fatores de risco antes do in&#xED;cio do tratamento com um agente neurol&#xE9;ptico e conforme necessidade durante o tratamento.</p> <p>Exceto nas situa&#xE7;&#xF5;es de emerg&#xEA;ncia, &#xE9; recomendado que o m&#xE9;dico realize um eletrocardiograma na avalia&#xE7;&#xE3;o inicial dos pacientes que ser&#xE3;o tratados com neurol&#xE9;pticos.</p> <h3>Levomepromazina deve ser usado com cautela nos seguintes casos:</h3> <ul> <li>Pacientes com fatores de risco de acidentes vasculares cerebrais (derrames cerebrais). Em estudos cl&#xED;nicos randomizados versus placebo realizados em uma popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes idosos com dem&#xEA;ncia e tratados com certos f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, foi observado um aumento de tr&#xEA;s vezes no risco de eventos cerebrovasculares. O mecanismo pelo qual ocorre este aumento de risco, n&#xE3;o &#xE9; conhecido. O aumento do risco com outros f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos ou com outra popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes n&#xE3;o pode ser exclu&#xED;do;</li> <li>Pacientes idosos com dem&#xEA;ncia (perda ou diminui&#xE7;&#xE3;o da capacidade de racioc&#xED;nio) uma vez que esta popula&#xE7;&#xE3;o de paciente est&#xE1; sob risco de morte aumentada. Embora os casos de &#xF3;bito em estudos cl&#xED;nicos com antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos sejam variados, a maioria dos &#xF3;bitos parece ser de natureza cardiovascular (exemplo: <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/insuficiencia-cardiaca/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca</a>, morte s&#xFA;bita) ou infecciosa (exemplo: <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-respiratorio/pneumonia/c\" target=\"_blank\">pneumonia</a>). Estudos observacionais sugerem que, similarmente aos medicamentos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, o tratamento com medicamentos antipsic&#xF3;ticos convencionais pode aumentar a mortalidade. N&#xE3;o est&#xE1; clara a dimens&#xE3;o dos achados de mortalidade aumentada em estudos observacionais quando o medicamento <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/antipsicotico/c\" target=\"_blank\">antipsic&#xF3;tico</a> &#xE9; comparado a algumas caracter&#xED;sticas dos pacientes;</li> <li>Pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo. Casos de tromboembolismo venoso, algumas vezes fatal, foram reportados com medicamentos antipsic&#xF3;ticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.</li> </ul> <p>O aparecimento de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/c\" target=\"_blank\">febre</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/gripes-e-resfriados/dor-de-garganta/c\" target=\"_blank\">dor de garganta</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-cardiovascular-circulacao/angina/c\" target=\"_blank\">angina</a> (<a href=\"https://minutosaudavel.com.br/dor-no-peito/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">dor no peito</a>) e de alguma infec&#xE7;&#xE3;o requerem que o m&#xE9;dico seja informado imediatamente para que o controle do hemograma (exame de sangue) seja feito rapidamente. Em caso de modifica&#xE7;&#xE3;o espont&#xE2;nea do &#xFA;ltimo resultado [hiperleucocitose (aumento dos gl&#xF3;bulos brancos), granulopenia (diminui&#xE7;&#xE3;o dos gl&#xF3;bulos brancos)] o m&#xE9;dico deve ser consultado para avaliar a continuidade do tratamento.</p> <h3>S&#xED;ndrome maligna</h3> <p>Em caso de hipertermia (febre) inexplic&#xE1;vel, &#xE9; fundamental informar ao m&#xE9;dico imediatamente para que ele avalie a suspens&#xE3;o do tratamento, uma vez que este pode ser um dos sinais de s&#xED;ndrome maligna que tem sido descrita com o uso de neurol&#xE9;pticos (palidez, febre, problemas vegetativos, altera&#xE7;&#xE3;o da consci&#xEA;ncia e rigidez muscular). Os sinais de disfun&#xE7;&#xE3;o vegetativa como sudorese e instabilidade arterial (altera&#xE7;&#xF5;es da press&#xE3;o arterial), podem preceder o aparecimento da febre e constituem, por consequ&#xEA;ncia, os sinais de alerta. Entretanto, alguns dos efeitos dos neurol&#xE9;pticos t&#xEA;m origem indeterminada e certos fatores de risco, tais como a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/desidratacao/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">desidrata&#xE7;&#xE3;o</a> ou danos cerebrais org&#xE2;nicos, parecem ser predisponentes.</p> <p>Com exce&#xE7;&#xE3;o de situa&#xE7;&#xF5;es excepcionais, levomepromazina n&#xE3;o deve ser utilizado em casos de doen&#xE7;a de Parkinson.</p> <p>Procure imediatamente atendimento m&#xE9;dico ou hospitalar em caso de aparecimento inesperado de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional do intestino) caracterizado por distens&#xE3;o e dores abdominais.</p> <p>Casos muito raros de enterocolite necrosante (inflama&#xE7;&#xE3;o do intestino delgado e do c&#xF3;lon com forma&#xE7;&#xE3;o de &#xFA;lceras e necrose) potencialmente fatal foram reportados.</p> <p>Levomepromazina deve ser evitado em <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/hipotireoidismo/c\" target=\"_blank\">hipotireoidismo</a> (produ&#xE7;&#xE3;o insuficiente de horm&#xF4;nio pela gl&#xE2;ndula <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/c\" target=\"_blank\">tireoide</a>), insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca (condi&#xE7;&#xE3;o em que o cora&#xE7;&#xE3;o &#xE9; incapaz de bombear sangue suficiente para satisfazer as necessidades do corpo), <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/feocromocitoma-tratamento-diagnostico-causas-sintomas-e-mais/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">feocromocitoma</a> (tumor da gl&#xE2;ndula supra-renal), miastenia<em> gravis </em>(doen&#xE7;a que acomete os nervos e os m&#xFA;sculos (neuromuscular), cuja principal caracter&#xED;stica &#xE9; a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-fadiga-muscular-cronica-adrenal-etc-e-como-tratar/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">fadiga</a>), hipertrofia da pr&#xF3;stata (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata).</p> <p>O risco de aparecimento de discinesia (movimentos involunt&#xE1;rios anormais do corpo) tardia, mesmo em doses baixas, especialmente em crian&#xE7;as e idosos, deve ser levado em considera&#xE7;&#xE3;o.</p> "}

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Levozine?

  • <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Frequ&#xEA;ncia desconhecida (n&#xE3;o pode ser estimada a partir dos dados dispon&#xED;veis).</li>

Distúrbios do sangue e sistema linfático

Desconhecida

Agranulocitose (diminuição na contagem de granulócitos no sangue), recomenda-se a realização de hemogramas regularmente; leucopenia (diminuição no número de leucócitos).

Distúrbios endócrinos

Desconhecida

Desregulação térmica (temperatura corporal), hiperprolactinemia (aumento na prolactina) que pode resultar em galactorreia (produção de leite excessiva ou inadequada), ginecomastia (aumento das mamas em homens), amenorreia (ausência de menstruação), impotência; frigidez (distúrbios do desejo sexual).

Distúrbios do metabolismo e da nutrição

Desconhecida

Intolerância à glicose, hiperglicemia (aumento de açúcar no sangue), hiponatremia (transtorno dos sais presentes no sangue) e síndrome da secreção inapropriada do hormônio antidiurético (SIADH).

Distúrbios psiquiátricos

Desconhecida

Estados de confusão, delírio, indiferença, reações de ansiedade, variações do estado de humor.

Distúrbios do sistema nervoso

Incomum

Convulsões.

Desconhecida

Parkinsonismo (com dosagem alta prolongada); sedação ou sonolência, mais acentuadas no início do tratamento; discinesia precoce (torcicolos espasmódicos, crises oculógiras, trismo); discinesia tardia, que sobrevêm de tratamentos prolongados. A discinesia tardia pode ocorrer após a interrupção do neuroléptico e desaparecem quando da reintrodução ou do aumento da posologia; os antiparkinsonianos anticolinérgicos ficam sem ação ou podem provocar piora do quadro.

Síndrome extrapiramidal
  • <li>Acin&#xE9;tica (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), com ou sem hipertonia (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), e cedem parcialmente com antiparkinsonianos anticolin&#xE9;rgicos;</li> <li>Hipercin&#xE9;tica;</li> <li>Hipert&#xF4;nica (aumento dos movimentos-tremores e rigidez muscular), excita&#xE7;&#xE3;o motora;</li> <li>Acatisia (inquieta&#xE7;&#xE3;o).</li>
Desconhecida

Síndrome maligna dos neurolépticos (síndrome com uma série de sintomas que podem surgir em determinados indivíduos devido ao uso de neurolépticos); efeitos anticolinérgicos como íleo paralítico, risco de retenção urinária, secura da boca, constipação (prisão de ventre), distúrbios de acomodação visual (distúrbios visuais que alteram a capacidade de elasticidade do cristalino de mudar de forma para focalizar objetos situados a diferentes distâncias).

Distúrbios oculares

Desconhecida

Depósitos acastanhados no segmento anterior do olho devido ao acúmulo do medicamento e, em geral, sem alterar a visão.

Distúrbios cardíacos

Desconhecida

Torsades de pointes (quadro específico de alteração nos batimentos do coração). Alterações no ECG incluem prolongamento do QT (como com outros neurolépticos), depressão do ST, alterações na onda U e na onda T; arritmias cardíacas, incluindo arritmias ventriculares e arritmias atriais, bloqueio a-v, taquicardia ventricular, que pode resultar em fibrilação ventricular ou parada cardíaca, foram relatadas durante a terapia com neurolépticos como fenotiazina, possivelmente relacionada à dose.

Distúrbios vasculares

Casos de tromboembolismo venoso (obstrução de uma veia causada por um coágulo de sangue na corrente sanguínea) (incomum), incluindo casos de embolismo pulmonar (presença de um coágulo em uma artéria do pulmão) (desconhecida), algumas vezes fatal, e casos de trombose venosa profunda (formação ou presença de um coágulo sanguíneo dentro de uma veia) (desconhecida) foram reportados com medicamentos antipsicóticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.

Distúrbios gastrintestinais

Desconhecida

Enterocolite necrosante (inflamação do intestino delgado e do cólon com formação de úlceras e necrose), a qual pode ser fatal, foi relatada em pacientes tratados com levomepromazina.

Distúrbios hepatobiliares

Desconhecida

Lesões hepáticas hepatocelulares, colestáticas e mistas (relativo à redução do fluxo biliar), icterícia colestática (coloração amarelada da pele e das membranas mucosas, devido ao fluxo irregular da bile).

Distúrbios da pele e tecido subcutâneo

Desconhecida

Reações cutâneas (na pele) alérgicas; fotossensibilidade (sensibilidade à luz).

Gestação, puerpério e condições perinatais

Desconhecida

Síndrome de abstinência neonatal.

Distúrbios do sistema reprodutivo e da mama

Desconhecida

Priapismo (ereção prolongada e dolorosa que pode durar horas, e não está associada com atividade sexual).

Distúrbios gerais e condições do local de administração

Houve relatos isolados de morte súbita, com possíveis causas de origem cardíaca, bem como casos de morte súbita inexplicável, em pacientes que administraram neurolépticos como fenotiazina.

Investigações

Desconhecida

Ganho de peso, sorologia positiva para anticorpos antinucleares (anticorpos encontrados em doenças auto-imunes) sem lúpus eritematoso (doença multissistêmica autoimune) clínico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

População Especial

Solução Oral

Em crianças, devido ao impacto nas funções intelectuais, é recomendado um exame clínico anual avaliando a capacidade de aprendizagem. A dosagem deve ser regularmente adaptada em função do estado clínico da criança. A administração do medicamento em crianças com menos de 6 anos de idade deve ser realizada somente em situações excepcionais.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Deve-se levar em consideração a presença de álcool na formulação do produto.

Qual a composição do Levozine?

Comprimido

Cada comprimido revestido de 25 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">33,8 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 25 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Cada comprimido revestido de 100 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">135 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 100 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Solução Oral

Cada mL da solução contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">40 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 mL</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipientes: álcool benzílico, álcool etílico, aroma de caramelo, mistura de corante artificial marrom chocolate e água purificada.

Cada gota contém 1 mg de maleato de levomepromazina.

Cada 1 mL de Levozine 4% solução oral equivale a 40 gotas.

Apresentação do&nbsp;Levozine

{"tag":"hr","value":" <p><strong>Medicamento similar equivalente ao medicamento de refer&#xEA;ncia.</strong></p> <h3>Comprimido</h3> <p>Embalagens contendo 200 comprimidos revestidos de 25 mg e 100 mg de maleato de levomepromazina.</p> <p><strong>Uso oral.</strong></p> <p><strong>Uso adulto.</strong></p> <h3>Solu&#xE7;&#xE3;o Oral</h3> <p>Embalagens contendo 10 frascos de 20 mL de solu&#xE7;&#xE3;o de maleato de levomepromazina 40 mg/mL.</p> <p><strong>Uso oral.</strong></p> <p><strong>Uso adulto e pedi&#xE1;trico acima de 02 anos.</strong></p> "}

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Levozine maior do que a recomendada?

Pode ocorrer Síndrome Parkinsoniana (síndrome específica caracterizada por tremor, movimentos diminuídos ou lentos da musculatura do corpo, rigidez e instabilidade postural) gravíssima, convulsão e coma.

O tratamento dos sintomas, sob vigilância respiratória e cardíaca contínua (risco de prolongamento do intervalo QT), deverá ser mantido até a recuperação do paciente.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Levozine com outros remédios?

O uso de levomepromazina é contraindicado com as seguintes substâncias:

  • <li>Agonistas dopamin&#xE9;rgicos (amantadina, apomorfina, bromocriptina, cabergolina, entacapone, lisurida, pergolida, piribedil, pramipexol, quinagolida, ropinirol) com a exce&#xE7;&#xE3;o para paciente com doen&#xE7;a de Parkinson. Em caso de s&#xED;ndrome extrapiramidal (relacionada &#xE0; coordena&#xE7;&#xE3;o dos movimentos): induzida por neurol&#xE9;ptico, n&#xE3;o deve ser tratado com agonista dopamin&#xE9;rgico, por&#xE9;m utilizar um anticolin&#xE9;rgico;</li> <li>Medicamentos que podem induzir <em>torsades de pointes</em>: antiarr&#xED;tmicos da classe Ia (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); antiarr&#xED;tmicos da classe III (<a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-amiodarona/bula" target="_blank">amiodarona</a>, dofetilide, ibutilida, sotalol), certos neurol&#xE9;pticos: fenotiaz&#xED;nicos (<a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-clorpromazina/bula" target="_blank">clorpromazina</a>, ciamemazina, <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-tioridazina/bula" target="_blank">tioridazina</a>), benzamidas (amisulprida, <a href="https://consultaremedios.com.br/sulpirida/bula" target="_blank">sulpirida</a>, tiaprida), butirofenonas (<a href="https://consultaremedios.com.br/droperidol/bula" target="_blank">droperidol</a>, aloperidol), outros neurol&#xE9;pticos (<a href="https://consultaremedios.com.br/pimozida/bula" target="_blank">pimozida</a>) e outros semelhantes: bepridil, cisaprida, difemanil, <a href="https://consultaremedios.com.br/eritromicina/bula" target="_blank">eritromicina</a> IV, mizolastina, vincamina IV: risco aumentado dos dist&#xFA;rbios de ritmo ventricular (das cavidades do cora&#xE7;&#xE3;o), particularmente <em>torsades de pointes.</em> </li>

O uso de levomepromazina é desaconselhado com as seguintes substâncias:

  • <li>Agonistas dopamin&#xE9;rgicos em pacientes com doen&#xE7;a de Parkinson: ocorre antagonismo rec&#xED;proco do agonista dopamin&#xE9;rgico e neurol&#xE9;pticos. O agonista dopamin&#xE9;rgico pode provocar ou agravar os dist&#xFA;rbios psic&#xF3;ticos. Em caso de necessidade de tratamento com neurol&#xE9;ptico entre os parkinsonianos tratados com agonistas dopamin&#xE9;rgicos, os &#xFA;ltimos devem ser diminu&#xED;dos progressivamente at&#xE9; a interrup&#xE7;&#xE3;o (a interrup&#xE7;&#xE3;o abrupta dos dopamin&#xE9;rgicos exp&#xF5;e ao risco da &#x201C;s&#xED;ndrome maligna dos neurol&#xE9;pticos&#x201D;);</li> <li>&#xC1;lcool: os efeitos <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/sedativos/c" target="_blank">sedativos</a> (calmantes) dos neurol&#xE9;pticos s&#xE3;o acentuados pelo &#xE1;lcool. A altera&#xE7;&#xE3;o da vigil&#xE2;ncia (aten&#xE7;&#xE3;o) pode se tornar perigosa na condu&#xE7;&#xE3;o de ve&#xED;culos e opera&#xE7;&#xE3;o de m&#xE1;quinas. Evitar o uso de bebidas alco&#xF3;licas e de medicamentos contendo &#xE1;lcool em sua composi&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Levodopa: ocorre antagonismo (inibi&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o) rec&#xED;proco da levodopa e neurol&#xE9;pticos. Nos pacientes com doen&#xE7;a de Parkinson, deve-se utilizar doses m&#xED;nimas eficazes de qualquer dos dois medicamentos;</li> <li>Outros medicamentos que podem induzir<em> torsades de pointes </em>(halofantrina, moxifloxacina, pentamidina e esparfloxacina): risco aumentado dos dist&#xFA;rbios de ritmo ventricular, particularmente <em>torsades de pointes</em>. Caso seja poss&#xED;vel, deve ser interrompido o medicamento torsadog&#xEA;nico (capacidade de provocar altera&#xE7;&#xF5;es no eletrocardiograma chamadas<em> torsade de pointes</em>) n&#xE3;o anti-infectivo. Caso a associa&#xE7;&#xE3;o n&#xE3;o possa ser evitada, seu m&#xE9;dico deve controlar previamente o intervalo QT e deve monitorar o eletrocardiograma;</li> <li>Medicamentos antipsic&#xF3;ticos (medicamentos usados no tratamento das psicoses), quando usados concomitantemente com medicamentos que prolongam o intervalo QT (intervalo medido no eletrocardiograma, que quando aumentado associa-se ao aumento do risco de arritmias e at&#xE9; morte s&#xFA;bita) (incluindo certos antiarr&#xED;tmicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/antidepressivos/c" target="_blank">antidepressivos</a> e outros antipsic&#xF3;ticos) e medicamentos que causam desequil&#xED;brio eletrol&#xED;tico (desbalan&#xE7;o de sais minerais), apresentam um risco aumentado de arritmias (descompasso dos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o).</li>

O uso de levomepromazina necessita de cuidados quando usado com as seguintes substâncias:

  • <li>Metabolismo do citocromo P450 2D6: a levomepromazina e seus metab&#xF3;litos n&#xE3;o hidroxilados s&#xE3;o relatados como sendo inibidores do citocromo P450 2D6 (CYP2D6). H&#xE1; a possibilidade de intera&#xE7;&#xE3;o medicamentosa entre inibidores da CYP2D6, como fenotiazina, e substratos da CYP2D6. A coadministra&#xE7;&#xE3;o de levomepromazina e f&#xE1;rmacos que s&#xE3;o principalmente metabolizados pelo sistema enzim&#xE1;tico CYP2D6 podem resultar no aumento das concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas destes f&#xE1;rmacos. Os pacientes devem ser monitorados para rea&#xE7;&#xF5;es adversas dosedependente associadas com substratos da CYP2D6, tais como <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-amitriptilina/bula" target="_blank">amitriptilina</a>/&#xF3;xido-N amitriptilina;</li> <li>Medicamentos que s&#xE3;o pr&#xF3;-convulsivantes, ou que reduzem o limiar convulsivo, em uso combinado, devem ser cuidadosamente avaliados devido &#xE0; gravidade do risco adicional;</li> <li>Protetores gastrintestinais de a&#xE7;&#xE3;o t&#xF3;pica (sais, &#xF3;xidos e hidr&#xF3;xidos de magn&#xE9;sio, de alum&#xED;nio e de c&#xE1;lcio): diminui&#xE7;&#xE3;o da absor&#xE7;&#xE3;o gastrintestinal dos neurol&#xE9;pticos fenotiaz&#xED;nicos. Administrar os medicamentos gastrintestinais de a&#xE7;&#xE3;o t&#xF3;pica e os neurol&#xE9;pticos fenotiaz&#xED;nicos com intervalo (maior de 2 horas, se poss&#xED;vel) entre eles;</li> <li>Medicamentos bradicardisantes (antagonistas de c&#xE1;lcio bradicardisantes: <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-diltiazem/bula" target="_blank">diltiazem</a>, <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-verapamil/bula" target="_blank">verapamil</a>; betabloqueadores (exceto o sotalol); <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-clonidina/bula" target="_blank">clonidina</a>, guanfacina, digit&#xE1;licos): risco aumentado dos dist&#xFA;rbios de ritmo ventricular, particularmente <em>torsades de pointes</em>. &#xC9; necess&#xE1;ria observa&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica e eletrocardiogr&#xE1;fica;</li> <li>Medicamentos hipopotassemiantes: (<a href="https://consultaremedios.com.br/pressao-alta/diureticos/c" target="_blank">diur&#xE9;ticos</a> hipopotassemiantes) (que diminuem a concentra&#xE7;&#xE3;o corporal de pot&#xE1;ssio), <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/laxantes/c" target="_blank">laxantes</a> estimulantes, <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a> pela via IV, glicocorticoide tetracosactide: risco aumentado dos dist&#xFA;rbios de ritmo ventricular, particularmente <em>torsades de pointes.</em> A observa&#xE7;&#xE3;o deve ser cl&#xED;nica, eletrol&#xED;tica e eletrocardiogr&#xE1;fica.</li>

O uso de levomepromazina deve ser considerado quando usado com as seguintes substâncias:

  • <li>Anti-hipertensivos (medicamentos que tratam a <a href="https://consultaremedios.com.br/pressao-alta/c" target="_blank">press&#xE3;o alta</a>): aumento do efeito anti-hipertensivo e do risco de hipotens&#xE3;o (press&#xE3;o baixa) ortost&#xE1;tica (efeito aditivo);</li> <li>Guanetidina: inibi&#xE7;&#xE3;o do efeito anti-hipertensivo da guanetidina;</li> <li>Atropina e outras subst&#xE2;ncias atrop&#xED;nicas: antidepressivos imipram&#xED;nicos, anti-histam&#xED;nicos H1 anticolin&#xE9;rgicos, antiparkinsonianos anticolin&#xE9;rgicos, antiespasm&#xF3;dicos atrop&#xED;nicos, disopiramida: adi&#xE7;&#xE3;o dos efeitos indesej&#xE1;veis atrop&#xED;nicos, como reten&#xE7;&#xE3;o urin&#xE1;ria (dificuldade para urinar), constipa&#xE7;&#xE3;o (pris&#xE3;o de ventre) e secura na boca;</li> <li>Outros depressores do sistema nervoso central: derivados morf&#xED;nicos (<a href="https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/analgesicos/c" target="_blank">analg&#xE9;sicos</a>, antituss&#xED;genos e tratamentos de substitui&#xE7;&#xE3;o); barbit&#xFA;ricos, benzodiazep&#xED;nicos; ansiol&#xED;ticos outros como benzodiazep&#xED;nicos (carbamatos, captodiame, etifoxina); hipn&#xF3;ticos; antidepressivos sedativos; anti-histam&#xED;nicos H1 sedativos; anti-hipertensivos centrais, <a href="https://consultaremedios.com.br/baclofeno/bula" target="_blank">baclofeno</a>; <a href="https://consultaremedios.com.br/talidomida/bula" target="_blank">talidomida</a>: aumento da depress&#xE3;o central. As a&#xE7;&#xF5;es depressoras do SNC dos neurol&#xE9;pticos podem ser intensificadas pelo &#xE1;lcool, barbit&#xFA;ricos e outros sedativos. Pode ocorrer depress&#xE3;o respirat&#xF3;ria (diminui&#xE7;&#xE3;o da respira&#xE7;&#xE3;o). A altera&#xE7;&#xE3;o do estado de vig&#xED;lia pode se tornar perigosa na condu&#xE7;&#xE3;o de ve&#xED;culos e opera&#xE7;&#xE3;o de m&#xE1;quinas. Evitar o consumo de bebidas alco&#xF3;licas e de medicamentos contendo &#xE1;lcool;</li> <li><a href="https://consultaremedios.com.br/carbonato-de-litio/bula" target="_blank">L&#xED;tio</a>: risco de aparecimento de sinais neuropsiqui&#xE1;tricos sugestivos de s&#xED;ndrome neurol&#xE9;ptica maligna (s&#xED;ndrome com uma s&#xE9;rie de sintomas que podem surgir em determinados indiv&#xED;duos devido ao uso de neurol&#xE9;pticos) ou envenenamento com l&#xED;tio.</li>

Informe ao seu médico se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Levozine (Levomepromazina)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Ansiedade</h3> <p>Um estudo duplo-cego efetuado por Blind et al em 1996 teve como objetivo avaliar as propriedades antipsic&#xF3;ticas e ansiol&#xED;ticas da <a href=\"https://consultaremedios.com.br/risperidona/bula\" target=\"_blank\">risperidona</a> versus <a href=\"https://consultaremedios.com.br/haloperidol/bula\" target=\"_blank\">haloperidol</a> e Levomepromazina.</p> <p>Foram avaliados 62 pacientes hospitalizados com exacerba&#xE7;&#xE3;o aguda de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/esquizofrenia/c\" target=\"_blank\">esquizofrenia</a> que foram designados randomizadamente a receber risperidona (dose m&#xE9;dia de 7,4 mg/dia), haloperidol (7,6 mg/dia), ou Levomepromazina (100 mg/dia) por 4 semanas.</p> <p/>"}

40mg/mL, caixa com 10 frascos com 20mL de solução de uso oral (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Levomepromazina
Classe Terapêutica
:
Antipsicóticos Convencionais
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
C1 Branca 2 vias (Venda Sob Prescrição Médica - Este medicamento pode causar Dependência Física ou Psíquica)
Categoria
:
Sistema Nervoso
Especialidade
:
Psiquiatria e Neurologia

Bula do medicamento

Levozine, para o que é indicado e para o que serve?

Levozine® (levomepromazina) é um medicamento cuja ação esperada é a sedação e melhora de quadros mentais, como por exemplo, a ansiedade em pacientes psicóticos e na terapia adjuvante para o alívio do delírio, agitação, inquietação, confusão, associados com a dor em pacientes terminais.

Como o Levozine funciona?

{"tag":"hr","value":" <p>Levomepromazina age no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/c\" target=\"_blank\">Sistema Nervoso Central</a> (SNC) atrav&#xE9;s de sua propriedade antidopamin&#xE9;rgica (que inibem a estimula&#xE7;&#xE3;o excessiva do SNC).</p> "}

Quais as contraindicações do Levozine?

Levomepromazina não deve ser utilizado nos seguintes casos:

  • <li>Pacientes com hipersensibilidade &#xE0; levomepromazina e aos demais componentes do produto;</li> <li>Hist&#xF3;rico de hipersensibilidade &#xE0;s fenotiazinas;</li> <li>Risco de reten&#xE7;&#xE3;o urin&#xE1;ria ligada a dist&#xFA;rbios uretroprost&#xE1;ticos (altera&#xE7;&#xF5;es na uretra e pr&#xF3;stata);</li> <li>Risco de <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-glaucoma-sintomas-tratamento-causas-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">glaucoma</a> (aumento da press&#xE3;o intraocular) de &#xE2;ngulo-fechado;</li> <li>Antecedentes de agranulocitose (diminui&#xE7;&#xE3;o de granul&#xF3;citos no sangue);</li> <li>Pacientes que fazem uso de medicamentos que pertencem &#xE0; classe agonistas dopamin&#xE9;rgicos (amantadina, apomorfina, <a href="https://consultaremedios.com.br/bromocriptina/bula" target="_blank">bromocriptina</a>, <a href="https://consultaremedios.com.br/cabergolina/bula" target="_blank">cabergolina</a>, entacapone, lisurida, pramipexol, ropinirol, pergolida, <a href="https://consultaremedios.com.br/piribedil/bula" target="_blank">piribedil</a>, quinagolida), com exce&#xE7;&#xE3;o nos casos de pacientes com doen&#xE7;a de <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/parkinson/c" target="_blank">Parkinson</a>;</li> <li>Medicamentos que podem induzir <em>torsades de pointes </em>(quadro espec&#xED;fico de altera&#xE7;&#xE3;o nos batimentos card&#xED;acos);</li> <li>Amamenta&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Em associa&#xE7;&#xE3;o com &#xE1;lcool, levodopa, agonistas dopamin&#xE9;rgicos em parkinsonianos.</li>

Este medicamento é contraindicado para uso em pacientes grávidas nos três primeiros meses de gravidez e durante a amamentação.

Exclusivo Comprimido:&nbsp;Este medicamento contém lactose.

Como usar o Levozine?

Comprimido

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Você deve tomar os comprimidos com líquido, por via oral.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente que receber uma dose inicial elevada, deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante da dor em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Uso em crianças

Como as doses pediátricas dificilmente podem ser obtidas com a apresentação comprimidos, deve ser utilizada a apresentação solução oral a 4% para estes pacientes.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Solução Oral

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Instrução de uso
{"tag":"ol","value":" <li>Coloque o frasco na posi&#xE7;&#xE3;o vertical com a tampa para o lado de cima, gire-a at&#xE9; romper o lacre da tampa.</li> "}

{"tag":"ol","value":" <li>Virar o frasco para iniciar o gotejamento. Mant&#xEA;-lo inclinado em aproximadamente 45&#xBA;.&amp;nbsp;</li> "}

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Cada 1 mL = 40 gotas (1 gota = 1 mg de maleato de levomepromazina).

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Uso em crianças
De 2 a 15 anos de idade

0,1 a 0,2 mg/kg em 24 horas.

As gotas devem ser diluídas em água açucarada e nunca administradas diretamente na língua.

Deve-se observar atentamente que as doses de levomepromazina para crianças são diferentes das doses para adultos.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrada por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Levozine?&nbsp;

{"tag":"hr","value":" <p>Caso esque&#xE7;a de administrar uma dose, administre-a assim que poss&#xED;vel. No entanto, se estiver pr&#xF3;ximo do hor&#xE1;rio da dose seguinte, espere por este hor&#xE1;rio, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia. Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo.</p> <p><strong>Em caso de d&#xFA;vidas, procure orienta&#xE7;&#xE3;o do farmac&#xEA;utico ou de seu m&#xE9;dico, ou cirurgi&#xE3;o-dentista.</strong></p> "}

Quais cuidados devo ter ao usar o Levozine?

Comprimido / Solução Oral

Hiperglicemia (nível alto de açúcar no sangue) ou intolerância à glicose foram relatadas em pacientes tratados com levomepromazina. Os pacientes com diagnóstico estabelecido de diabetes mellitus ou com fatores de risco para desenvolvimento de diabetes que iniciaram o tratamento com levomepromazina devem realizar monitoramento glicêmico (controle do açúcar no sangue) apropriado durante o tratamento.

A levomepromazina pode diminuir o limiar para convulsões e deve ser usado com cautela em pacientes epilépticos.

A monitorização cuidadosa do tratamento da levomepromazina é necessária nos seguintes casos:
  • <li>Pacientes portadores de certas doen&#xE7;as cardiovasculares;</li> <li>Pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica e/ou renal grave (redu&#xE7;&#xE3;o grave das fun&#xE7;&#xF5;es do <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c" target="_blank">f&#xED;gado</a> e/ou rins);</li> <li>Pacientes idosos exibindo grande sensibilidade &#xE0; <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> ortost&#xE1;tica (queda s&#xFA;bita de press&#xE3;o arterial quando um indiv&#xED;duo assume a posi&#xE7;&#xE3;o ereta), seda&#xE7;&#xE3;o e outros efeitos extrapiramidais (relacionado &#xE0; coordena&#xE7;&#xE3;o dos movimentos); <a href="https://minutosaudavel.com.br/prisao-de-ventre/" rel="noopener" target="_blank">constipa&#xE7;&#xE3;o</a> cr&#xF4;nica [risco de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional dos intestinos)]; eventual hipertrofia prost&#xE1;tica (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata);</li> <li>Pacientes epil&#xE9;pticos. O aparecimento inesperado de crises convulsivas requer interrup&#xE7;&#xE3;o do tratamento.</li>

A ingestão de álcool, assim como de medicamentos contendo álcool em sua formulação, é fortemente desaconselhada durante o tratamento.

Precauções devem ser tomadas com insuficiência hepática (redução grave das funções do fígado), devido ao risco de overdose (dose excessiva capaz de provocar efeitos adversos).

No início do tratamento com levomepromazina devem ser realizados testes da função hepática. Durante o tratamento crônico (de longa duração), os exames de acompanhamento devem ser realizados pelo menos a cada 6-12 meses.

Levomepromazina deve ser utilizado com prudência em pacientes idosos, exigindo certas precauções, tais como a verificação da pressão arterial e, às vezes, exames eletroencefalográficos, em razão da grande sensibilidade à sedação e à hipotensão ortostática (queda significativa da pressão arterial após assumir a posição de pé) neste grupo de pacientes.

Pacientes idosos não devem usar o medicamento sem orientação médica.

Gravidez
Os seguintes efeitos foram relatados (em experiência pós-comercialização) em recém-nascidos que foram expostos a fenotiazínicos durante o terceiro trimestre de gravidez:
  • <li>Diversos graus de dist&#xFA;rbios respirat&#xF3;rios variando de taquipneia (respira&#xE7;&#xE3;o r&#xE1;pida e anormal) a ang&#xFA;stia respirat&#xF3;ria, bradicardia (diminui&#xE7;&#xE3;o da frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca) e hipotonia (flacidez muscular), sendo estes mais comuns quando outros medicamentos do tipo psicotr&#xF3;picos ou antimuscar&#xED;nicos forem concomitantemente administrados;</li> <li>Sinais relacionados &#xE0;s propriedades atrop&#xED;nicas dos fenotiaz&#xED;nicos tais como &#xED;leo meconial (<a href="https://minutosaudavel.com.br/obstrucao-intestinal/" rel="noopener" target="_blank">obstru&#xE7;&#xE3;o intestinal</a> do rec&#xE9;mnascido), retardo da elimina&#xE7;&#xE3;o do mec&#xF4;nio (primeiras fezes eliminadas pelo rec&#xE9;m-nascido), dificuldades iniciais de alimenta&#xE7;&#xE3;o, distens&#xE3;o abdominal, taquicardia (acelera&#xE7;&#xE3;o do ritmo card&#xED;aco);</li> <li>Dist&#xFA;rbios neurol&#xF3;gicos tais como sintomas extrapiramidais (altera&#xE7;&#xE3;o neurol&#xF3;gica que leva a dist&#xFA;rbios do equil&#xED;brio e da movimenta&#xE7;&#xE3;o) incluindo tremor e hipertonia (aumento anormal do t&#xF4;nus muscular), sonol&#xEA;ncia, agita&#xE7;&#xE3;o.</li>

Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento com levomepromazina ou após seu término, pois é recomendável limitar a duração da prescrição de levomepromazina durante a gestação.

No final da gravidez, se possível, é recomendável diminuir a dose simultaneamente de neurolépticos e antiparkinsonianos que potencializam os efeitos atropínicos [por exemplo: íleo meconial (obstrução intestinal do recém-nascido), retardo da eliminação do mecônio (primeiras fezes eliminadas pelo recém-nascido), dificuldades iniciais de alimentação, distensão abdominal, taquicardia (aceleração do ritmo cardíaco)] dos neurolépticos.

Levomepromazina não é recomendado durante a gravidez.

Converse com seu médico antes de tomar este medicamento:
  • <li>Se &#xE9; uma mulher em idade f&#xE9;rtil e que n&#xE3;o usa m&#xE9;todos contraceptivos eficazes ou;</li> <li>Se est&#xE1; gr&#xE1;vida, pode engravidar ou pensa estar gr&#xE1;vida.</li>

Converse com o seu médico sobre a necessidade de monitoramento e tratamento adequado do recém-nascido de mães tratadas com levomepromazina, uma vez que estes procedimentos são recomendados.

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

Lactação

A levomepromazina é excretada no leite materno em baixas quantidades. O risco para a criança que está sendo amamentada não pode ser excluído. O médico deve decidir entre a descontinuação da amamentação ou a descontinuação da terapia com levomepromazina, levando-se em conta os benefícios da amamentação para a criança e o da terapia para a mulher.

Fertilidade

Não existem dados de fertilidade em animais.

Em humanos, por causa da interação com receptores de dopamina, a levomepromazina pode causar hiperproactinemia, que pode ser associada à diminuição da fertilidade nas mulheres. Alguns dados sugerem que o tratamento com levomepromazina esteja associado à diminuição da fertilidade em pacientes masculinos.

Efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

A atenção é requerida, particularmente para os condutores de veículos e operadores de máquinas, por causa do risco de sonolência, desorientação e confusão ligado ao medicamento, sobretudo no início do tratamento.

Durante o tratamento com Levozine® o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Exclusivo Comprimido

Este medicamento contém lactose.

Exclusivo Solução Oral

Devido à presença de álcool na formulação de Levozine®, este medicamento pode causar doping.

Este medicamento não deve ser administrado diretamente na boca. Ele deve ser sempre diluído em água.

Advertências do&nbsp;Levozine

{"tag":"hr","value":" <p>Medicamentos da classe dos neurol&#xE9;pticos fenotiaz&#xED;nicos, a qual o levomepromazina pertence podem potencializar o prolongamento do intervalo QT (altera&#xE7;&#xE3;o observada em <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/eletrocardiograma-ecg-o-que-e-para-que-serve-e-como-e-feito-o-exame/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">eletrocardiograma</a> e que est&#xE1; relacionada aos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o), o que aumenta o risco de ataque de arritmias ventriculares (descompasso dos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o) graves do tipo <em>torsades de pointes</em> (tipo de altera&#xE7;&#xE3;o grave nos batimentos card&#xED;acos), que &#xE9; potencialmente fatal (morte s&#xFA;bita). Se a situa&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica permitir, avalia&#xE7;&#xF5;es m&#xE9;dicas e laboratoriais devem ser realizadas para descartar poss&#xED;veis fatores de risco antes do in&#xED;cio do tratamento com um agente neurol&#xE9;ptico e conforme necessidade durante o tratamento.</p> <p>Exceto nas situa&#xE7;&#xF5;es de emerg&#xEA;ncia, &#xE9; recomendado que o m&#xE9;dico realize um eletrocardiograma na avalia&#xE7;&#xE3;o inicial dos pacientes que ser&#xE3;o tratados com neurol&#xE9;pticos.</p> <h3>Levomepromazina deve ser usado com cautela nos seguintes casos:</h3> <ul> <li>Pacientes com fatores de risco de acidentes vasculares cerebrais (derrames cerebrais). Em estudos cl&#xED;nicos randomizados versus placebo realizados em uma popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes idosos com dem&#xEA;ncia e tratados com certos f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, foi observado um aumento de tr&#xEA;s vezes no risco de eventos cerebrovasculares. O mecanismo pelo qual ocorre este aumento de risco, n&#xE3;o &#xE9; conhecido. O aumento do risco com outros f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos ou com outra popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes n&#xE3;o pode ser exclu&#xED;do;</li> <li>Pacientes idosos com dem&#xEA;ncia (perda ou diminui&#xE7;&#xE3;o da capacidade de racioc&#xED;nio) uma vez que esta popula&#xE7;&#xE3;o de paciente est&#xE1; sob risco de morte aumentada. Embora os casos de &#xF3;bito em estudos cl&#xED;nicos com antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos sejam variados, a maioria dos &#xF3;bitos parece ser de natureza cardiovascular (exemplo: <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/insuficiencia-cardiaca/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca</a>, morte s&#xFA;bita) ou infecciosa (exemplo: <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-respiratorio/pneumonia/c\" target=\"_blank\">pneumonia</a>). Estudos observacionais sugerem que, similarmente aos medicamentos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, o tratamento com medicamentos antipsic&#xF3;ticos convencionais pode aumentar a mortalidade. N&#xE3;o est&#xE1; clara a dimens&#xE3;o dos achados de mortalidade aumentada em estudos observacionais quando o medicamento <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/antipsicotico/c\" target=\"_blank\">antipsic&#xF3;tico</a> &#xE9; comparado a algumas caracter&#xED;sticas dos pacientes;</li> <li>Pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo. Casos de tromboembolismo venoso, algumas vezes fatal, foram reportados com medicamentos antipsic&#xF3;ticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.</li> </ul> <p>O aparecimento de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/c\" target=\"_blank\">febre</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/gripes-e-resfriados/dor-de-garganta/c\" target=\"_blank\">dor de garganta</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-cardiovascular-circulacao/angina/c\" target=\"_blank\">angina</a> (<a href=\"https://minutosaudavel.com.br/dor-no-peito/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">dor no peito</a>) e de alguma infec&#xE7;&#xE3;o requerem que o m&#xE9;dico seja informado imediatamente para que o controle do hemograma (exame de sangue) seja feito rapidamente. Em caso de modifica&#xE7;&#xE3;o espont&#xE2;nea do &#xFA;ltimo resultado [hiperleucocitose (aumento dos gl&#xF3;bulos brancos), granulopenia (diminui&#xE7;&#xE3;o dos gl&#xF3;bulos brancos)] o m&#xE9;dico deve ser consultado para avaliar a continuidade do tratamento.</p> <h3>S&#xED;ndrome maligna</h3> <p>Em caso de hipertermia (febre) inexplic&#xE1;vel, &#xE9; fundamental informar ao m&#xE9;dico imediatamente para que ele avalie a suspens&#xE3;o do tratamento, uma vez que este pode ser um dos sinais de s&#xED;ndrome maligna que tem sido descrita com o uso de neurol&#xE9;pticos (palidez, febre, problemas vegetativos, altera&#xE7;&#xE3;o da consci&#xEA;ncia e rigidez muscular). Os sinais de disfun&#xE7;&#xE3;o vegetativa como sudorese e instabilidade arterial (altera&#xE7;&#xF5;es da press&#xE3;o arterial), podem preceder o aparecimento da febre e constituem, por consequ&#xEA;ncia, os sinais de alerta. Entretanto, alguns dos efeitos dos neurol&#xE9;pticos t&#xEA;m origem indeterminada e certos fatores de risco, tais como a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/desidratacao/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">desidrata&#xE7;&#xE3;o</a> ou danos cerebrais org&#xE2;nicos, parecem ser predisponentes.</p> <p>Com exce&#xE7;&#xE3;o de situa&#xE7;&#xF5;es excepcionais, levomepromazina n&#xE3;o deve ser utilizado em casos de doen&#xE7;a de Parkinson.</p> <p>Procure imediatamente atendimento m&#xE9;dico ou hospitalar em caso de aparecimento inesperado de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional do intestino) caracterizado por distens&#xE3;o e dores abdominais.</p> <p>Casos muito raros de enterocolite necrosante (inflama&#xE7;&#xE3;o do intestino delgado e do c&#xF3;lon com forma&#xE7;&#xE3;o de &#xFA;lceras e necrose) potencialmente fatal foram reportados.</p> <p>Levomepromazina deve ser evitado em <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/hipotireoidismo/c\" target=\"_blank\">hipotireoidismo</a> (produ&#xE7;&#xE3;o insuficiente de horm&#xF4;nio pela gl&#xE2;ndula <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/c\" target=\"_blank\">tireoide</a>), insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca (condi&#xE7;&#xE3;o em que o cora&#xE7;&#xE3;o &#xE9; incapaz de bombear sangue suficiente para satisfazer as necessidades do corpo), <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/feocromocitoma-tratamento-diagnostico-causas-sintomas-e-mais/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">feocromocitoma</a> (tumor da gl&#xE2;ndula supra-renal), miastenia<em> gravis </em>(doen&#xE7;a que acomete os nervos e os m&#xFA;sculos (neuromuscular), cuja principal caracter&#xED;stica &#xE9; a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-fadiga-muscular-cronica-adrenal-etc-e-como-tratar/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">fadiga</a>), hipertrofia da pr&#xF3;stata (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata).</p> <p>O risco de aparecimento de discinesia (movimentos involunt&#xE1;rios anormais do corpo) tardia, mesmo em doses baixas, especialmente em crian&#xE7;as e idosos, deve ser levado em considera&#xE7;&#xE3;o.</p> "}

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Levozine?

  • <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Frequ&#xEA;ncia desconhecida (n&#xE3;o pode ser estimada a partir dos dados dispon&#xED;veis).</li>

Distúrbios do sangue e sistema linfático

Desconhecida

Agranulocitose (diminuição na contagem de granulócitos no sangue), recomenda-se a realização de hemogramas regularmente; leucopenia (diminuição no número de leucócitos).

Distúrbios endócrinos

Desconhecida

Desregulação térmica (temperatura corporal), hiperprolactinemia (aumento na prolactina) que pode resultar em galactorreia (produção de leite excessiva ou inadequada), ginecomastia (aumento das mamas em homens), amenorreia (ausência de menstruação), impotência; frigidez (distúrbios do desejo sexual).

Distúrbios do metabolismo e da nutrição

Desconhecida

Intolerância à glicose, hiperglicemia (aumento de açúcar no sangue), hiponatremia (transtorno dos sais presentes no sangue) e síndrome da secreção inapropriada do hormônio antidiurético (SIADH).

Distúrbios psiquiátricos

Desconhecida

Estados de confusão, delírio, indiferença, reações de ansiedade, variações do estado de humor.

Distúrbios do sistema nervoso

Incomum

Convulsões.

Desconhecida

Parkinsonismo (com dosagem alta prolongada); sedação ou sonolência, mais acentuadas no início do tratamento; discinesia precoce (torcicolos espasmódicos, crises oculógiras, trismo); discinesia tardia, que sobrevêm de tratamentos prolongados. A discinesia tardia pode ocorrer após a interrupção do neuroléptico e desaparecem quando da reintrodução ou do aumento da posologia; os antiparkinsonianos anticolinérgicos ficam sem ação ou podem provocar piora do quadro.

Síndrome extrapiramidal
  • <li>Acin&#xE9;tica (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), com ou sem hipertonia (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), e cedem parcialmente com antiparkinsonianos anticolin&#xE9;rgicos;</li> <li>Hipercin&#xE9;tica;</li> <li>Hipert&#xF4;nica (aumento dos movimentos-tremores e rigidez muscular), excita&#xE7;&#xE3;o motora;</li> <li>Acatisia (inquieta&#xE7;&#xE3;o).</li>
Desconhecida

Síndrome maligna dos neurolépticos (síndrome com uma série de sintomas que podem surgir em determinados indivíduos devido ao uso de neurolépticos); efeitos anticolinérgicos como íleo paralítico, risco de retenção urinária, secura da boca, constipação (prisão de ventre), distúrbios de acomodação visual (distúrbios visuais que alteram a capacidade de elasticidade do cristalino de mudar de forma para focalizar objetos situados a diferentes distâncias).

Distúrbios oculares

Desconhecida

Depósitos acastanhados no segmento anterior do olho devido ao acúmulo do medicamento e, em geral, sem alterar a visão.

Distúrbios cardíacos

Desconhecida

Torsades de pointes (quadro específico de alteração nos batimentos do coração). Alterações no ECG incluem prolongamento do QT (como com outros neurolépticos), depressão do ST, alterações na onda U e na onda T; arritmias cardíacas, incluindo arritmias ventriculares e arritmias atriais, bloqueio a-v, taquicardia ventricular, que pode resultar em fibrilação ventricular ou parada cardíaca, foram relatadas durante a terapia com neurolépticos como fenotiazina, possivelmente relacionada à dose.

Distúrbios vasculares

Casos de tromboembolismo venoso (obstrução de uma veia causada por um coágulo de sangue na corrente sanguínea) (incomum), incluindo casos de embolismo pulmonar (presença de um coágulo em uma artéria do pulmão) (desconhecida), algumas vezes fatal, e casos de trombose venosa profunda (formação ou presença de um coágulo sanguíneo dentro de uma veia) (desconhecida) foram reportados com medicamentos antipsicóticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.

Distúrbios gastrintestinais

Desconhecida

Enterocolite necrosante (inflamação do intestino delgado e do cólon com formação de úlceras e necrose), a qual pode ser fatal, foi relatada em pacientes tratados com levomepromazina.

Distúrbios hepatobiliares

Desconhecida

Lesões hepáticas hepatocelulares, colestáticas e mistas (relativo à redução do fluxo biliar), icterícia colestática (coloração amarelada da pele e das membranas mucosas, devido ao fluxo irregular da bile).

Distúrbios da pele e tecido subcutâneo

Desconhecida

Reações cutâneas (na pele) alérgicas; fotossensibilidade (sensibilidade à luz).

Gestação, puerpério e condições perinatais

Desconhecida

Síndrome de abstinência neonatal.

Distúrbios do sistema reprodutivo e da mama

Desconhecida

Priapismo (ereção prolongada e dolorosa que pode durar horas, e não está associada com atividade sexual).

Distúrbios gerais e condições do local de administração

Houve relatos isolados de morte súbita, com possíveis causas de origem cardíaca, bem como casos de morte súbita inexplicável, em pacientes que administraram neurolépticos como fenotiazina.

Investigações

Desconhecida

Ganho de peso, sorologia positiva para anticorpos antinucleares (anticorpos encontrados em doenças auto-imunes) sem lúpus eritematoso (doença multissistêmica autoimune) clínico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

População Especial

Solução Oral

Em crianças, devido ao impacto nas funções intelectuais, é recomendado um exame clínico anual avaliando a capacidade de aprendizagem. A dosagem deve ser regularmente adaptada em função do estado clínico da criança. A administração do medicamento em crianças com menos de 6 anos de idade deve ser realizada somente em situações excepcionais.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Deve-se levar em consideração a presença de álcool na formulação do produto.

Qual a composição do Levozine?

Comprimido

Cada comprimido revestido de 25 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">33,8 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 25 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Cada comprimido revestido de 100 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">135 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 100 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Solução Oral

Cada mL da solução contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">40 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 mL</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipientes: álcool benzílico, álcool etílico, aroma de caramelo, mistura de corante artificial marrom chocolate e água purificada.

Cada gota contém 1 mg de maleato de levomepromazina.

Cada 1 mL de Levozine 4% solução oral equivale a 40 gotas.

Apresentação do&nbsp;Levozine

{"tag":"hr","value":" <p><strong>Medicamento similar equivalente ao medicamento de refer&#xEA;ncia.</strong></p> <h3>Comprimido</h3> <p>Embalagens contendo 200 comprimidos revestidos de 25 mg e 100 mg de maleato de levomepromazina.</p> <p><strong>Uso oral.</strong></p> <p><strong>Uso adulto.</strong></p> <h3>Solu&#xE7;&#xE3;o Oral</h3> <p>Embalagens contendo 10 frascos de 20 mL de solu&#xE7;&#xE3;o de maleato de levomepromazina 40 mg/mL.</p> <p><strong>Uso oral.</strong></p> <p><strong>Uso adulto e pedi&#xE1;trico acima de 02 anos.</strong></p> "}

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Levozine maior do que a recomendada?

Pode ocorrer Síndrome Parkinsoniana (síndrome específica caracterizada por tremor, movimentos diminuídos ou lentos da musculatura do corpo, rigidez e instabilidade postural) gravíssima, convulsão e coma.

O tratamento dos sintomas, sob vigilância respiratória e cardíaca contínua (risco de prolongamento do intervalo QT), deverá ser mantido até a recuperação do paciente.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Levozine com outros remédios?

O uso de levomepromazina é contraindicado com as seguintes substâncias:

  • <li>Agonistas dopamin&#xE9;rgicos (amantadina, apomorfina, bromocriptina, cabergolina, entacapone, lisurida, pergolida, piribedil, pramipexol, quinagolida, ropinirol) com a exce&#xE7;&#xE3;o para paciente com doen&#xE7;a de Parkinson. Em caso de s&#xED;ndrome extrapiramidal (relacionada &#xE0; coordena&#xE7;&#xE3;o dos movimentos): induzida por neurol&#xE9;ptico, n&#xE3;o deve ser tratado com agonista dopamin&#xE9;rgico, por&#xE9;m utilizar um anticolin&#xE9;rgico;</li> <li>Medicamentos que podem induzir <em>torsades de pointes</em>: antiarr&#xED;tmicos da classe Ia (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); antiarr&#xED;tmicos da classe III (<a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-amiodarona/bula" target="_blank">amiodarona</a>, dofetilide, ibutilida, sotalol), certos neurol&#xE9;pticos: fenotiaz&#xED;nicos (<a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-clorpromazina/bula" target="_blank">clorpromazina</a>, ciamemazina, <a href="https://consultaremedios.com.br/cloridrato-de-tioridazina/bula" target="_blank"/></li>

25mg, caixa com 200 comprimidos revestidos (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Levomepromazina
Classe Terapêutica
:
Antipsicóticos Convencionais
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
C1 Branca 2 vias (Venda Sob Prescrição Médica - Este medicamento pode causar Dependência Física ou Psíquica)
Categoria
:
Sistema Nervoso
Especialidade
:
Psiquiatria e Neurologia

Bula do medicamento

Levozine, para o que é indicado e para o que serve?

Levozine® (levomepromazina) é um medicamento cuja ação esperada é a sedação e melhora de quadros mentais, como por exemplo, a ansiedade em pacientes psicóticos e na terapia adjuvante para o alívio do delírio, agitação, inquietação, confusão, associados com a dor em pacientes terminais.

Como o Levozine funciona?

{"tag":"hr","value":" <p>Levomepromazina age no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/c\" target=\"_blank\">Sistema Nervoso Central</a> (SNC) atrav&#xE9;s de sua propriedade antidopamin&#xE9;rgica (que inibem a estimula&#xE7;&#xE3;o excessiva do SNC).</p> "}

Quais as contraindicações do Levozine?

Levomepromazina não deve ser utilizado nos seguintes casos:

  • <li>Pacientes com hipersensibilidade &#xE0; levomepromazina e aos demais componentes do produto;</li> <li>Hist&#xF3;rico de hipersensibilidade &#xE0;s fenotiazinas;</li> <li>Risco de reten&#xE7;&#xE3;o urin&#xE1;ria ligada a dist&#xFA;rbios uretroprost&#xE1;ticos (altera&#xE7;&#xF5;es na uretra e pr&#xF3;stata);</li> <li>Risco de <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-glaucoma-sintomas-tratamento-causas-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">glaucoma</a> (aumento da press&#xE3;o intraocular) de &#xE2;ngulo-fechado;</li> <li>Antecedentes de agranulocitose (diminui&#xE7;&#xE3;o de granul&#xF3;citos no sangue);</li> <li>Pacientes que fazem uso de medicamentos que pertencem &#xE0; classe agonistas dopamin&#xE9;rgicos (amantadina, apomorfina, <a href="https://consultaremedios.com.br/bromocriptina/bula" target="_blank">bromocriptina</a>, <a href="https://consultaremedios.com.br/cabergolina/bula" target="_blank">cabergolina</a>, entacapone, lisurida, pramipexol, ropinirol, pergolida, <a href="https://consultaremedios.com.br/piribedil/bula" target="_blank">piribedil</a>, quinagolida), com exce&#xE7;&#xE3;o nos casos de pacientes com doen&#xE7;a de <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/parkinson/c" target="_blank">Parkinson</a>;</li> <li>Medicamentos que podem induzir <em>torsades de pointes </em>(quadro espec&#xED;fico de altera&#xE7;&#xE3;o nos batimentos card&#xED;acos);</li> <li>Amamenta&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Em associa&#xE7;&#xE3;o com &#xE1;lcool, levodopa, agonistas dopamin&#xE9;rgicos em parkinsonianos.</li>

Este medicamento é contraindicado para uso em pacientes grávidas nos três primeiros meses de gravidez e durante a amamentação.

Exclusivo Comprimido:&nbsp;Este medicamento contém lactose.

Como usar o Levozine?

Comprimido

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Você deve tomar os comprimidos com líquido, por via oral.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente que receber uma dose inicial elevada, deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante da dor em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Uso em crianças

Como as doses pediátricas dificilmente podem ser obtidas com a apresentação comprimidos, deve ser utilizada a apresentação solução oral a 4% para estes pacientes.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Solução Oral

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Instrução de uso
{"tag":"ol","value":" <li>Coloque o frasco na posi&#xE7;&#xE3;o vertical com a tampa para o lado de cima, gire-a at&#xE9; romper o lacre da tampa.</li> "}

{"tag":"ol","value":" <li>Virar o frasco para iniciar o gotejamento. Mant&#xEA;-lo inclinado em aproximadamente 45&#xBA;.&amp;nbsp;</li> "}

Levozine® deve ser diluído em água açucarada e nunca administrado diretamente sobre a língua.

Cada 1 mL = 40 gotas (1 gota = 1 mg de maleato de levomepromazina).

O modo de uso do Levozine® é essencialmente individual e deve ser estabelecido pelo médico.

Uso em crianças
De 2 a 15 anos de idade

0,1 a 0,2 mg/kg em 24 horas.

As gotas devem ser diluídas em água açucarada e nunca administradas diretamente na língua.

Deve-se observar atentamente que as doses de levomepromazina para crianças são diferentes das doses para adultos.

Uso adulto
Psiquiatria

Iniciar com 25 a 50 mg divididos em 2 a 4 tomadas nas primeiras 24 horas; nos dias subsequentes, aumentar a dose de maneira lenta e progressiva até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente deverá permanecer deitado por uma hora após a administração de cada dose.

Terapia adjuvante em pacientes terminais

Administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 mg por dia.

Não há estudos dos efeitos de levomepromazina administrada por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral, conforme recomendado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Levozine?&nbsp;

{"tag":"hr","value":" <p>Caso esque&#xE7;a de administrar uma dose, administre-a assim que poss&#xED;vel. No entanto, se estiver pr&#xF3;ximo do hor&#xE1;rio da dose seguinte, espere por este hor&#xE1;rio, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia. Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo.</p> <p><strong>Em caso de d&#xFA;vidas, procure orienta&#xE7;&#xE3;o do farmac&#xEA;utico ou de seu m&#xE9;dico, ou cirurgi&#xE3;o-dentista.</strong></p> "}

Quais cuidados devo ter ao usar o Levozine?

Comprimido / Solução Oral

Hiperglicemia (nível alto de açúcar no sangue) ou intolerância à glicose foram relatadas em pacientes tratados com levomepromazina. Os pacientes com diagnóstico estabelecido de diabetes mellitus ou com fatores de risco para desenvolvimento de diabetes que iniciaram o tratamento com levomepromazina devem realizar monitoramento glicêmico (controle do açúcar no sangue) apropriado durante o tratamento.

A levomepromazina pode diminuir o limiar para convulsões e deve ser usado com cautela em pacientes epilépticos.

A monitorização cuidadosa do tratamento da levomepromazina é necessária nos seguintes casos:
  • <li>Pacientes portadores de certas doen&#xE7;as cardiovasculares;</li> <li>Pacientes com insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica e/ou renal grave (redu&#xE7;&#xE3;o grave das fun&#xE7;&#xF5;es do <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c" target="_blank">f&#xED;gado</a> e/ou rins);</li> <li>Pacientes idosos exibindo grande sensibilidade &#xE0; <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> ortost&#xE1;tica (queda s&#xFA;bita de press&#xE3;o arterial quando um indiv&#xED;duo assume a posi&#xE7;&#xE3;o ereta), seda&#xE7;&#xE3;o e outros efeitos extrapiramidais (relacionado &#xE0; coordena&#xE7;&#xE3;o dos movimentos); <a href="https://minutosaudavel.com.br/prisao-de-ventre/" rel="noopener" target="_blank">constipa&#xE7;&#xE3;o</a> cr&#xF4;nica [risco de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional dos intestinos)]; eventual hipertrofia prost&#xE1;tica (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata);</li> <li>Pacientes epil&#xE9;pticos. O aparecimento inesperado de crises convulsivas requer interrup&#xE7;&#xE3;o do tratamento.</li>

A ingestão de álcool, assim como de medicamentos contendo álcool em sua formulação, é fortemente desaconselhada durante o tratamento.

Precauções devem ser tomadas com insuficiência hepática (redução grave das funções do fígado), devido ao risco de overdose (dose excessiva capaz de provocar efeitos adversos).

No início do tratamento com levomepromazina devem ser realizados testes da função hepática. Durante o tratamento crônico (de longa duração), os exames de acompanhamento devem ser realizados pelo menos a cada 6-12 meses.

Levomepromazina deve ser utilizado com prudência em pacientes idosos, exigindo certas precauções, tais como a verificação da pressão arterial e, às vezes, exames eletroencefalográficos, em razão da grande sensibilidade à sedação e à hipotensão ortostática (queda significativa da pressão arterial após assumir a posição de pé) neste grupo de pacientes.

Pacientes idosos não devem usar o medicamento sem orientação médica.

Gravidez
Os seguintes efeitos foram relatados (em experiência pós-comercialização) em recém-nascidos que foram expostos a fenotiazínicos durante o terceiro trimestre de gravidez:
  • <li>Diversos graus de dist&#xFA;rbios respirat&#xF3;rios variando de taquipneia (respira&#xE7;&#xE3;o r&#xE1;pida e anormal) a ang&#xFA;stia respirat&#xF3;ria, bradicardia (diminui&#xE7;&#xE3;o da frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca) e hipotonia (flacidez muscular), sendo estes mais comuns quando outros medicamentos do tipo psicotr&#xF3;picos ou antimuscar&#xED;nicos forem concomitantemente administrados;</li> <li>Sinais relacionados &#xE0;s propriedades atrop&#xED;nicas dos fenotiaz&#xED;nicos tais como &#xED;leo meconial (<a href="https://minutosaudavel.com.br/obstrucao-intestinal/" rel="noopener" target="_blank">obstru&#xE7;&#xE3;o intestinal</a> do rec&#xE9;mnascido), retardo da elimina&#xE7;&#xE3;o do mec&#xF4;nio (primeiras fezes eliminadas pelo rec&#xE9;m-nascido), dificuldades iniciais de alimenta&#xE7;&#xE3;o, distens&#xE3;o abdominal, taquicardia (acelera&#xE7;&#xE3;o do ritmo card&#xED;aco);</li> <li>Dist&#xFA;rbios neurol&#xF3;gicos tais como sintomas extrapiramidais (altera&#xE7;&#xE3;o neurol&#xF3;gica que leva a dist&#xFA;rbios do equil&#xED;brio e da movimenta&#xE7;&#xE3;o) incluindo tremor e hipertonia (aumento anormal do t&#xF4;nus muscular), sonol&#xEA;ncia, agita&#xE7;&#xE3;o.</li>

Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento com levomepromazina ou após seu término, pois é recomendável limitar a duração da prescrição de levomepromazina durante a gestação.

No final da gravidez, se possível, é recomendável diminuir a dose simultaneamente de neurolépticos e antiparkinsonianos que potencializam os efeitos atropínicos [por exemplo: íleo meconial (obstrução intestinal do recém-nascido), retardo da eliminação do mecônio (primeiras fezes eliminadas pelo recém-nascido), dificuldades iniciais de alimentação, distensão abdominal, taquicardia (aceleração do ritmo cardíaco)] dos neurolépticos.

Levomepromazina não é recomendado durante a gravidez.

Converse com seu médico antes de tomar este medicamento:
  • <li>Se &#xE9; uma mulher em idade f&#xE9;rtil e que n&#xE3;o usa m&#xE9;todos contraceptivos eficazes ou;</li> <li>Se est&#xE1; gr&#xE1;vida, pode engravidar ou pensa estar gr&#xE1;vida.</li>

Converse com o seu médico sobre a necessidade de monitoramento e tratamento adequado do recém-nascido de mães tratadas com levomepromazina, uma vez que estes procedimentos são recomendados.

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

Lactação

A levomepromazina é excretada no leite materno em baixas quantidades. O risco para a criança que está sendo amamentada não pode ser excluído. O médico deve decidir entre a descontinuação da amamentação ou a descontinuação da terapia com levomepromazina, levando-se em conta os benefícios da amamentação para a criança e o da terapia para a mulher.

Fertilidade

Não existem dados de fertilidade em animais.

Em humanos, por causa da interação com receptores de dopamina, a levomepromazina pode causar hiperproactinemia, que pode ser associada à diminuição da fertilidade nas mulheres. Alguns dados sugerem que o tratamento com levomepromazina esteja associado à diminuição da fertilidade em pacientes masculinos.

Efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

A atenção é requerida, particularmente para os condutores de veículos e operadores de máquinas, por causa do risco de sonolência, desorientação e confusão ligado ao medicamento, sobretudo no início do tratamento.

Durante o tratamento com Levozine® o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Exclusivo Comprimido

Este medicamento contém lactose.

Exclusivo Solução Oral

Devido à presença de álcool na formulação de Levozine®, este medicamento pode causar doping.

Este medicamento não deve ser administrado diretamente na boca. Ele deve ser sempre diluído em água.

Advertências do&nbsp;Levozine

{"tag":"hr","value":" <p>Medicamentos da classe dos neurol&#xE9;pticos fenotiaz&#xED;nicos, a qual o levomepromazina pertence podem potencializar o prolongamento do intervalo QT (altera&#xE7;&#xE3;o observada em <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/eletrocardiograma-ecg-o-que-e-para-que-serve-e-como-e-feito-o-exame/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">eletrocardiograma</a> e que est&#xE1; relacionada aos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o), o que aumenta o risco de ataque de arritmias ventriculares (descompasso dos batimentos do cora&#xE7;&#xE3;o) graves do tipo <em>torsades de pointes</em> (tipo de altera&#xE7;&#xE3;o grave nos batimentos card&#xED;acos), que &#xE9; potencialmente fatal (morte s&#xFA;bita). Se a situa&#xE7;&#xE3;o cl&#xED;nica permitir, avalia&#xE7;&#xF5;es m&#xE9;dicas e laboratoriais devem ser realizadas para descartar poss&#xED;veis fatores de risco antes do in&#xED;cio do tratamento com um agente neurol&#xE9;ptico e conforme necessidade durante o tratamento.</p> <p>Exceto nas situa&#xE7;&#xF5;es de emerg&#xEA;ncia, &#xE9; recomendado que o m&#xE9;dico realize um eletrocardiograma na avalia&#xE7;&#xE3;o inicial dos pacientes que ser&#xE3;o tratados com neurol&#xE9;pticos.</p> <h3>Levomepromazina deve ser usado com cautela nos seguintes casos:</h3> <ul> <li>Pacientes com fatores de risco de acidentes vasculares cerebrais (derrames cerebrais). Em estudos cl&#xED;nicos randomizados versus placebo realizados em uma popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes idosos com dem&#xEA;ncia e tratados com certos f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, foi observado um aumento de tr&#xEA;s vezes no risco de eventos cerebrovasculares. O mecanismo pelo qual ocorre este aumento de risco, n&#xE3;o &#xE9; conhecido. O aumento do risco com outros f&#xE1;rmacos antipsic&#xF3;ticos ou com outra popula&#xE7;&#xE3;o de pacientes n&#xE3;o pode ser exclu&#xED;do;</li> <li>Pacientes idosos com dem&#xEA;ncia (perda ou diminui&#xE7;&#xE3;o da capacidade de racioc&#xED;nio) uma vez que esta popula&#xE7;&#xE3;o de paciente est&#xE1; sob risco de morte aumentada. Embora os casos de &#xF3;bito em estudos cl&#xED;nicos com antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos sejam variados, a maioria dos &#xF3;bitos parece ser de natureza cardiovascular (exemplo: <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/insuficiencia-cardiaca/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca</a>, morte s&#xFA;bita) ou infecciosa (exemplo: <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-respiratorio/pneumonia/c\" target=\"_blank\">pneumonia</a>). Estudos observacionais sugerem que, similarmente aos medicamentos antipsic&#xF3;ticos at&#xED;picos, o tratamento com medicamentos antipsic&#xF3;ticos convencionais pode aumentar a mortalidade. N&#xE3;o est&#xE1; clara a dimens&#xE3;o dos achados de mortalidade aumentada em estudos observacionais quando o medicamento <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/antipsicotico/c\" target=\"_blank\">antipsic&#xF3;tico</a> &#xE9; comparado a algumas caracter&#xED;sticas dos pacientes;</li> <li>Pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo. Casos de tromboembolismo venoso, algumas vezes fatal, foram reportados com medicamentos antipsic&#xF3;ticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.</li> </ul> <p>O aparecimento de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/c\" target=\"_blank\">febre</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/gripes-e-resfriados/dor-de-garganta/c\" target=\"_blank\">dor de garganta</a>, <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-cardiovascular-circulacao/angina/c\" target=\"_blank\">angina</a> (<a href=\"https://minutosaudavel.com.br/dor-no-peito/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">dor no peito</a>) e de alguma infec&#xE7;&#xE3;o requerem que o m&#xE9;dico seja informado imediatamente para que o controle do hemograma (exame de sangue) seja feito rapidamente. Em caso de modifica&#xE7;&#xE3;o espont&#xE2;nea do &#xFA;ltimo resultado [hiperleucocitose (aumento dos gl&#xF3;bulos brancos), granulopenia (diminui&#xE7;&#xE3;o dos gl&#xF3;bulos brancos)] o m&#xE9;dico deve ser consultado para avaliar a continuidade do tratamento.</p> <h3>S&#xED;ndrome maligna</h3> <p>Em caso de hipertermia (febre) inexplic&#xE1;vel, &#xE9; fundamental informar ao m&#xE9;dico imediatamente para que ele avalie a suspens&#xE3;o do tratamento, uma vez que este pode ser um dos sinais de s&#xED;ndrome maligna que tem sido descrita com o uso de neurol&#xE9;pticos (palidez, febre, problemas vegetativos, altera&#xE7;&#xE3;o da consci&#xEA;ncia e rigidez muscular). Os sinais de disfun&#xE7;&#xE3;o vegetativa como sudorese e instabilidade arterial (altera&#xE7;&#xF5;es da press&#xE3;o arterial), podem preceder o aparecimento da febre e constituem, por consequ&#xEA;ncia, os sinais de alerta. Entretanto, alguns dos efeitos dos neurol&#xE9;pticos t&#xEA;m origem indeterminada e certos fatores de risco, tais como a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/desidratacao/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">desidrata&#xE7;&#xE3;o</a> ou danos cerebrais org&#xE2;nicos, parecem ser predisponentes.</p> <p>Com exce&#xE7;&#xE3;o de situa&#xE7;&#xF5;es excepcionais, levomepromazina n&#xE3;o deve ser utilizado em casos de doen&#xE7;a de Parkinson.</p> <p>Procure imediatamente atendimento m&#xE9;dico ou hospitalar em caso de aparecimento inesperado de &#xED;leo paral&#xED;tico (obstru&#xE7;&#xE3;o funcional do intestino) caracterizado por distens&#xE3;o e dores abdominais.</p> <p>Casos muito raros de enterocolite necrosante (inflama&#xE7;&#xE3;o do intestino delgado e do c&#xF3;lon com forma&#xE7;&#xE3;o de &#xFA;lceras e necrose) potencialmente fatal foram reportados.</p> <p>Levomepromazina deve ser evitado em <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/hipotireoidismo/c\" target=\"_blank\">hipotireoidismo</a> (produ&#xE7;&#xE3;o insuficiente de horm&#xF4;nio pela gl&#xE2;ndula <a href=\"https://consultaremedios.com.br/tireoide/c\" target=\"_blank\">tireoide</a>), insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca (condi&#xE7;&#xE3;o em que o cora&#xE7;&#xE3;o &#xE9; incapaz de bombear sangue suficiente para satisfazer as necessidades do corpo), <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/feocromocitoma-tratamento-diagnostico-causas-sintomas-e-mais/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">feocromocitoma</a> (tumor da gl&#xE2;ndula supra-renal), miastenia<em> gravis </em>(doen&#xE7;a que acomete os nervos e os m&#xFA;sculos (neuromuscular), cuja principal caracter&#xED;stica &#xE9; a <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-fadiga-muscular-cronica-adrenal-etc-e-como-tratar/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">fadiga</a>), hipertrofia da pr&#xF3;stata (aumento do tamanho da pr&#xF3;stata).</p> <p>O risco de aparecimento de discinesia (movimentos involunt&#xE1;rios anormais do corpo) tardia, mesmo em doses baixas, especialmente em crian&#xE7;as e idosos, deve ser levado em considera&#xE7;&#xE3;o.</p> "}

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Levozine?

  • <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Rea&#xE7;&#xE3;o muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento);</li> <li>Frequ&#xEA;ncia desconhecida (n&#xE3;o pode ser estimada a partir dos dados dispon&#xED;veis).</li>

Distúrbios do sangue e sistema linfático

Desconhecida

Agranulocitose (diminuição na contagem de granulócitos no sangue), recomenda-se a realização de hemogramas regularmente; leucopenia (diminuição no número de leucócitos).

Distúrbios endócrinos

Desconhecida

Desregulação térmica (temperatura corporal), hiperprolactinemia (aumento na prolactina) que pode resultar em galactorreia (produção de leite excessiva ou inadequada), ginecomastia (aumento das mamas em homens), amenorreia (ausência de menstruação), impotência; frigidez (distúrbios do desejo sexual).

Distúrbios do metabolismo e da nutrição

Desconhecida

Intolerância à glicose, hiperglicemia (aumento de açúcar no sangue), hiponatremia (transtorno dos sais presentes no sangue) e síndrome da secreção inapropriada do hormônio antidiurético (SIADH).

Distúrbios psiquiátricos

Desconhecida

Estados de confusão, delírio, indiferença, reações de ansiedade, variações do estado de humor.

Distúrbios do sistema nervoso

Incomum

Convulsões.

Desconhecida

Parkinsonismo (com dosagem alta prolongada); sedação ou sonolência, mais acentuadas no início do tratamento; discinesia precoce (torcicolos espasmódicos, crises oculógiras, trismo); discinesia tardia, que sobrevêm de tratamentos prolongados. A discinesia tardia pode ocorrer após a interrupção do neuroléptico e desaparecem quando da reintrodução ou do aumento da posologia; os antiparkinsonianos anticolinérgicos ficam sem ação ou podem provocar piora do quadro.

Síndrome extrapiramidal
  • <li>Acin&#xE9;tica (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), com ou sem hipertonia (escassez e lentid&#xE3;o dos movimentos), e cedem parcialmente com antiparkinsonianos anticolin&#xE9;rgicos;</li> <li>Hipercin&#xE9;tica;</li> <li>Hipert&#xF4;nica (aumento dos movimentos-tremores e rigidez muscular), excita&#xE7;&#xE3;o motora;</li> <li>Acatisia (inquieta&#xE7;&#xE3;o).</li>
Desconhecida

Síndrome maligna dos neurolépticos (síndrome com uma série de sintomas que podem surgir em determinados indivíduos devido ao uso de neurolépticos); efeitos anticolinérgicos como íleo paralítico, risco de retenção urinária, secura da boca, constipação (prisão de ventre), distúrbios de acomodação visual (distúrbios visuais que alteram a capacidade de elasticidade do cristalino de mudar de forma para focalizar objetos situados a diferentes distâncias).

Distúrbios oculares

Desconhecida

Depósitos acastanhados no segmento anterior do olho devido ao acúmulo do medicamento e, em geral, sem alterar a visão.

Distúrbios cardíacos

Desconhecida

Torsades de pointes (quadro específico de alteração nos batimentos do coração). Alterações no ECG incluem prolongamento do QT (como com outros neurolépticos), depressão do ST, alterações na onda U e na onda T; arritmias cardíacas, incluindo arritmias ventriculares e arritmias atriais, bloqueio a-v, taquicardia ventricular, que pode resultar em fibrilação ventricular ou parada cardíaca, foram relatadas durante a terapia com neurolépticos como fenotiazina, possivelmente relacionada à dose.

Distúrbios vasculares

Casos de tromboembolismo venoso (obstrução de uma veia causada por um coágulo de sangue na corrente sanguínea) (incomum), incluindo casos de embolismo pulmonar (presença de um coágulo em uma artéria do pulmão) (desconhecida), algumas vezes fatal, e casos de trombose venosa profunda (formação ou presença de um coágulo sanguíneo dentro de uma veia) (desconhecida) foram reportados com medicamentos antipsicóticos. Portanto, levomepromazina deve ser utilizado com cautela em pacientes com fatores de riscos para tromboembolismo.

Distúrbios gastrintestinais

Desconhecida

Enterocolite necrosante (inflamação do intestino delgado e do cólon com formação de úlceras e necrose), a qual pode ser fatal, foi relatada em pacientes tratados com levomepromazina.

Distúrbios hepatobiliares

Desconhecida

Lesões hepáticas hepatocelulares, colestáticas e mistas (relativo à redução do fluxo biliar), icterícia colestática (coloração amarelada da pele e das membranas mucosas, devido ao fluxo irregular da bile).

Distúrbios da pele e tecido subcutâneo

Desconhecida

Reações cutâneas (na pele) alérgicas; fotossensibilidade (sensibilidade à luz).

Gestação, puerpério e condições perinatais

Desconhecida

Síndrome de abstinência neonatal.

Distúrbios do sistema reprodutivo e da mama

Desconhecida

Priapismo (ereção prolongada e dolorosa que pode durar horas, e não está associada com atividade sexual).

Distúrbios gerais e condições do local de administração

Houve relatos isolados de morte súbita, com possíveis causas de origem cardíaca, bem como casos de morte súbita inexplicável, em pacientes que administraram neurolépticos como fenotiazina.

Investigações

Desconhecida

Ganho de peso, sorologia positiva para anticorpos antinucleares (anticorpos encontrados em doenças auto-imunes) sem lúpus eritematoso (doença multissistêmica autoimune) clínico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

População Especial

Solução Oral

Em crianças, devido ao impacto nas funções intelectuais, é recomendado um exame clínico anual avaliando a capacidade de aprendizagem. A dosagem deve ser regularmente adaptada em função do estado clínico da criança. A administração do medicamento em crianças com menos de 6 anos de idade deve ser realizada somente em situações excepcionais.

Não se recomenda o uso de levomepromazina em crianças com menos de 2 (dois) anos de idade.

Deve-se levar em consideração a presença de álcool na formulação do produto.

Qual a composição do Levozine?

Comprimido

Cada comprimido revestido de 25 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">33,8 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 25 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Cada comprimido revestido de 100 mg contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Maleato de levomepromazina*</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">135 mg</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:283px\"> <p style=\"text-align:center\">Excipiente q.s.p.</p> </td> <td style=\"width:186px\"> <p style=\"text-align:center\">1 comprimido revestido</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

*Equivalente a 100 mg de levomepromazina.

Excipientes: amido pré gelatinizado, povidona, lactose monoidratada, croscarmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio, macrogol 6000, macrogol 400, hipromelose, dióxido de titânio, polissorbato 80.

Solução Oral

Cada mL da solução contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody/></table>"],"rows":[]}}

Fabricante: Cristália

© 2021 Medicamento Lab.