Cristália Tartarato de Metoprolol Cristália

1mg/mL, caixa com 10 ampolas com 5mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Tartarato De Metoprolol
Classe Terapêutica
:
Betabloqueadores Puros
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Sistema Cardiovascular (Circulação)
Especialidade
:
Angiologia e Cirurgia Vascular e Cardiologia

Bula do medicamento

Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália, para o que é indicado e para o que serve?

Tartarato de metoprolol está indicado para:

  • <li>Dist&#xFA;rbios do ritmo card&#xED;aco, especialmente taquicardia supraventricular;</li> <li><a href="https://minutosaudavel.com.br/infarto/" rel="noopener" target="_blank">Infarto</a> do mioc&#xE1;rdio, confirmado ou suspeita.</li>

Quais as contraindicações do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade ao metoprolol, aos demais componentes da fórmula ou a outros betabloqueadores.

Na presença das seguintes patologias deve ser evitada a administração do metoprolol:

  • <li>Bloqueio atrioventricular de grau II ou de grau III;</li> <li><a href="https://minutosaudavel.com.br/insuficiencia-cardiaca/" rel="noopener" target="_blank">Insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca</a> n&#xE3;o compensada inst&#xE1;vel (<a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-edema-pulmonar-causas-sintomas-tratamento-tem-cura/" rel="noopener" target="_blank">edema pulmonar</a>, hipoperfus&#xE3;o ou <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a>) e pacientes com terapia inotr&#xF3;pica cont&#xED;nua ou intermitente agindo atrav&#xE9;s de agonista do beta receptor;</li> <li>Bradicardia sinusal clinicamente relevante;</li> <li>S&#xED;ndrome do n&#xF3; sino-atrial (a menos que o paciente possua marcapasso ativo);</li> <li>Choque cardiog&#xEA;nico, e arteriopatia perif&#xE9;rica grave.</li>

O metoprolol não deve ser administrado em pacientes com suspeita de infarto agudo do miocárdio enquanto a frequência cardíaca for < 45 batimentos/minuto, o intervalo PQ for > 0,24 segundos ou a pressão sistólica for < 100 mmHg.

Como usar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol destina-se para uso sem diluição.

Entretanto, pode-se adicionar 40 mL da solução injetável (8 ampolas), equivalente a 40 mg de tartarato de metoprolol, à 1.000 mL das seguintes soluções para infusão:

  • <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de <a href="https://consultaremedios.com.br/cloreto-de-sodio/bula" target="_blank">cloreto de s&#xF3;dio</a> 0,9%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de dextrose 5%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de dextrose 10%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o Ringer.</li>

Posologia do&nbsp;Tartarato de Metoprolol Cristália

{"tag":"hr","value":" <h3>Arritmias card&#xED;acas</h3> <p>Inicialmente at&#xE9; 5 mg injetado por via intravenosa &#xE0; raz&#xE3;o de 1-2 mg/min. A inje&#xE7;&#xE3;o pode ser repetida em intervalos de 5 minutos at&#xE9; que&amp;nbsp;se obtenha uma resposta satisfat&#xF3;ria. Geralmente, uma dose total de 10-15 mg &#xE9; suficiente. S&#xE3;o improv&#xE1;veis os benef&#xED;cios da terap&#xEA;utica com doses de 20 mg ou mais.</p> <h3>Infarto do mioc&#xE1;rdio</h3> <p>Tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel deve ser administrado por via intravenosa o mais r&#xE1;pido poss&#xED;vel ap&#xF3;s o in&#xED;cio dos sintomas de infarto agudo do mioc&#xE1;rdio.</p> <p>O tratamento deve ser iniciado em unidade coronariana ou similar, imediatamente ap&#xF3;s a estabiliza&#xE7;&#xE3;o hemodin&#xE2;mica do paciente.</p> <p>Deve-se administrar 3 inje&#xE7;&#xF5;es em bolus de 5 mg, em intervalos de 2 minutos, dependendo das condi&#xE7;&#xF5;es hemodin&#xE2;micas do paciente.</p> <p>Se o paciente tolerar a dose intravenosa total (15 mg), deve-se passar &#xE0; dose de manuten&#xE7;&#xE3;o de 50 mg de tartarato de metoprolol por via oral, quatro vezes ao dia, iniciando-se 15 minutos ap&#xF3;s a &#xFA;ltima inje&#xE7;&#xE3;o intravenosa. Mant&#xE9;m-se este esquema geralmente por 48 horas.</p> <p>A dose de manuten&#xE7;&#xE3;o &#xE9; de 100 mg de tartarato de metoprolol comprimidos, via oral, 2 vezes ao dia (pela manh&#xE3; e &#xE0; noite), ou 200 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/succinato-de-metoprolol/bula\" target=\"_blank\">succinato de metoprolol</a> comprimidos, uma vez ao dia.</p> <p>Pacientes que n&#xE3;o toleram a dose intravenosa total de tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel (15 mg) devem iniciar o tratamento oral com cuidado, utilizando-se uma dose menor.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia renal</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose em pacientes com insufici&#xEA;ncia renal.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica</h3> <p>Normalmente, n&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose em pacientes com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/b/cirrose-hepatica\" target=\"_blank\"/><a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/cirrose/c\" target=\"_blank\">cirrose</a> hep&#xE1;tica, porque o metoprolol tem uma baixa taxa de liga&#xE7;&#xE3;o proteica (5-10%). Quando h&#xE1; sinais de s&#xE9;rio comprometimento da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica (por exemplo, pacientes submetidos a cirurgia de deriva&#xE7;&#xE3;o) deve-se considerar uma redu&#xE7;&#xE3;o da dose.</p> <h3>Idosos</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose.</p> <h3>Crian&#xE7;as</h3> <p>H&#xE1; experi&#xEA;ncia limitada do tratamento de crian&#xE7;as com tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel</p> "}

Quais cuidados devo ter ao usar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

A administração intravenosa de antagonistas de cálcio do tipo verapamil não deve ser realizada em pacientes tratados com betabloqueadores. Pacientes com doenças broncoespásticas, em geral, não devem receber betabloqueadores. Porém, devido à sua relativa seletividade beta-1, tartarato de metoprolol pode ser usado com cautela em pacientes com doença broncoespástica que não respondem, ou não toleraram tratamento com outros anti-hipertensivos. Deve-se administrar um fármaco agonista beta-2 e usar a menor dose possível de tartarato de metoprolol.

Geralmente, quando estiver tratando pacientes com asma, deve-se administrar terapia concomitante com agonista beta-2 (comprimidos e/ou aerossol). Pode haver necessidade de ajuste da dose do agonista beta- 2 (aumento) quando o tratamento com tartarato de metoprolol é iniciado.

O tartarato de metoprolol deve ser usado com cautela em pacientes diabéticos. Há evidências de que o metoprolol pode diminuir a tolerância à glicose em pacientes diabéticos e, possivelmente, em indivíduos normais. Betabloqueadores podem mascarar alguns sintomas de hipoglicemia como a taquicardia, embora outras manifestações como vertigem e sudorese podem não ser significativamente afetadas.

Durante o tratamento com metoprolol, há menor risco de interferência com o metabolismo de carboidratos ou de mascarar a hipoglicemia do que com betabloqueadores não-seletivos.

O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar certos sinais clínicos de hipertireoidismo (por exemplo: taquicardia). Pacientes suspeitos de apresentarem tireotoxicoses devem ser controlados cuidadosamente para evitar interrupção abrupta do bloqueio beta, o que pode precipitar uma descompensação do quadro.

Em pacientes utilizando betabloqueadores, o choque anafilático manifesta-se com maior intensidade.

Pacientes com insuficiência cardíaca devem ter a descompensação tratada antes e durante o tratamento com tartarato de metoprolol.

A estimulação simpática é um componente vital de suporte da função circulatória em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva e os betabloqueadores possuem o risco potencial de depressão da contractilidade do miocárdio, podendo precipitar uma insuficiência cardíaca mais grave. Em pacientes hipertensos e com angina que têm insuficiência cardíaca congestiva controlada por digitálicos e diuréticos, tartarato de metoprolol injetável deve ser administrado com cautela. Tanto digitálicos, quanto tartarato de metoprolol injetável diminuem a condução A-V.

Muito raramente, uma alteração pré-existente da condução A-V de grau moderado pode ser agravada (levando, possivelmente, ao bloqueio A-V).

Se os pacientes desenvolverem crescente bradicardia, deve-se reduzir a dose de metoprolol ou suspender a medicação gradualmente.

O tartarato de metoprolol pode agravar os sintomas de arteriopatia periférica, devendo ser usado com cautela nestas condições.

Se utilizado em pacientes com feocromocitoma, deve-se administrar concomitantemente um alfabloqueador. A necessidade ou desejo de retirar a terapia betabloqueadora antes de cirurgias maiores é controversa. A habilidade prejudicada do coração para responder a estímulos adrenérgicos reflexos pode aumentar os riscos de anestesia geral e procedimentos cirúrgicos. O tartarato de metoprolol injetável, como outros betabloqueadores, é um inibidor competitivo de agonistas de betareceptores e seus efeitos podem ser revertidos pela administração destes agentes, por exemplo, dobutamina ou isoproterenol. Entretanto, estes pacientes podem estar sujeitos a hipotensão grave prolongada. Dificuldade em reiniciar e manter os batimentos cardíacos tem sido também relatada com betabloqueadores.

Não é recomendado interromper o tratamento com beta-bloqueador em pacientes que serão submetidos a cirurgia e o anestesista deve ser alertado que o paciente faz uso de metoprolol. Iniciar uma alta dose aguda de metoprolol em pacientes que serão submetidos a cirurgia não-cardíaca deve ser evitada, pois ela tem sido associada com bradicardia, hipotensão arterial e acidente vascular cerebral, incluindo resultados fatais em pacientes com fatores de risco cardiovascular.

Durante tratamento por via oral, a suspensão abrupta da medicação deve ser evitada.

Se for necessária a interrupção do tratamento, deverá ser realizada gradualmente, quando possível. Muitos pacientes podem interromper o tratamento ao longo de um período de 14 dias. Isto pode ser feito pela redução da dose diária em etapas sequenciais até uma dose final de 25 mg uma vez ao dia (metade de um comprimido de 50 mg). Durante este período, os pacientes devem ser mantidos sob vigilância, especialmente aqueles com doença cardíaca isquêmica conhecida. O risco de eventos coronarianos, como morte súbita, pode aumentar durante a interrupção do tratamento com bloqueador beta.

O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar certos sinais clínicos de hipertireoidismo (ex.: taquicardia). Pacientes suspeitos de apresentarem tireotoxicoses devem ser controlados cuidadosamente para evitar interrupção abrupta do bloqueio beta, o que pode precipitar uma descompensação do quadro.

Em casos em que a pressão arterial sistólica for inferior a 100 mmHg, o metoprolol deve ser administrado por via intravenosa apenas se forem observadas precauções especiais, pois há o risco da administração por esta via causar maior queda na pressão arterial (por exemplo, em pacientes com arritmias cardíacas).

Durante o uso de tartarato de metoprolol injetável em pacientes com suspeita ou confirmação de infarto, deve-se monitorizar cuidadosamente o estado hemodinâmico do paciente após cada uma das três doses intravenosas de 5 mg.

Não se deve administrar a segunda ou terceira dose se a frequência cardíaca for < 40 batimentos/minutos, a pressão sistólica for < 90 mmHg e o intervalo PQ for > 0,26 segundos, ou se existir qualquer acentuação da dispneia ou da sudorese fria.

Os pacientes devem verificar sua reação ao tartarato de metoprolol injetável antes de operar máquinas ou dirigir veículos, porque, ocasionalmente, podem ocorrer vertigem ou fadiga.

Uso durante a gravidez e lactação

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

O tartarato de metoprolol injetável não deve ser usado durante a gravidez ou lactação a menos que seu uso seja considerado essencial. Em geral, os betabloqueadores reduzem a perfusão placentária, o que tem sido associado com retardo de crescimento, morte intrauterina, aborto e parto prematuro. Sugere-se que acompanhamento materno-fetal apropriado seja realizado em mulheres grávidas tratadas com metoprolol. Os betabloqueadores podem causar efeitos adversos, por exemplo, bradicardia no feto, recém-nascido e lactentes.

Se a mãe lactante for tratada com metoprolol em doses dentro da faixa terapêutica normal, a quantidade de metoprolol ingerida através do leite materno, entretanto, parece ser insignificante com relação ao efeito betabloqueador no lactente, no entanto, deve-se administrá-lo com cautela nesses casos, observando-se a possível apresentação de sinais de bloqueio do tipo beta pelo lactente.

Este medicamento pode causar doping.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

O metoprolol é bem tolerado e as reações adversas têm sido, geralmente, leves e reversíveis. Os eventos a seguir têm sido relatados como eventos adversos em estudos clínicos ou em uso de rotina. Em muitos casos, não foi estabelecida uma relação com o tratamento com metoprolol.

As seguintes definições de frequência são usadas:

  • <li>Muito comum (&#x2265;1/10);</li> <li>Comum (&#x2265;1/100 e &lt; 1/10);</li> <li>Incomum (&#x2265; 1/1.000 e &lt; 1/100);</li> <li>Rara (&#x2265; 1/10.000 e &lt; 1/1.000);</li> <li>Muito rara (&lt; 1/10.000).</li>

Sistema Cardiovascular:

  • <li>Comum: bradicardia, altera&#xE7;&#xF5;es posturais (muito raramente com <a href="https://minutosaudavel.com.br/desmaio/" rel="noopener" target="_blank">s&#xED;ncope</a>), m&#xE3;os e p&#xE9;s frios, fen&#xF4;meno de Raynaud e palpita&#xE7;&#xF5;es;</li> <li>Incomum: deteriora&#xE7;&#xE3;o dos sintomas de insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca, choque cardiog&#xEA;nico em pacientes com infarto agudo do mioc&#xE1;rdio*, bloqueio card&#xED;aco de primeiro grau, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-edema-tipos-cerebral-pulmonar-etc-e-tratamento/" rel="noopener" target="_blank">edema</a> e dor precordial;</li> <li>Rara: altera&#xE7;&#xF5;es na condu&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca e arritmias card&#xED;acas;</li> <li>Muito rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/gangrena/" rel="noopener" target="_blank">gangrena</a> em pacientes com altera&#xE7;&#xF5;es circulat&#xF3;rias perif&#xE9;ricas graves pr&#xE9;-existentes.</li>

*Excesso de frequência de 0,4% comparado com placebo em um estudo com 46000 pacientes com infarto do miocárdio agudo quando a frequência de choque cardiogênico foi de 2,3% no grupo metoprolol e 1,9% no grupo placebo no subgrupo de pacientes com menor índice de risco de choque. O índice de risco de choque foi baseado no risco absoluto em cada paciente individualmente derivado da idade, sexo, “time delay”, classe Killip, pressão sanguínea, frequência cardíaca, anormalidades no ECG e histórico de hipertensão prévia. O grupo de pacientes com menor índice de risco de choque corresponde aos pacientes nos quais metoprolol é recomendado para o uso em infarto do miocárdio agudo.

Sistema Nervoso Central:

  • <li>Muito comum: fadiga;</li> <li>Comum: vertigem e <a href="https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/dor-de-cabeca-e-enxaqueca/c" target="_blank">cefaleia</a>;</li> <li>Incomum: <a href="https://minutosaudavel.com.br/parestesia/" rel="noopener" target="_blank">parestesia</a> e c&#xE3;ibras musculares.</li>

Sistema Gastrointestinal:

  • <li>Comum: n&#xE1;usea, dor abdominal, <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/diarreia/c" target="_blank">diarreia</a> e <a href="https://minutosaudavel.com.br/prisao-de-ventre/" rel="noopener" target="_blank">constipa&#xE7;&#xE3;o</a>;</li> <li>Incomum: <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/nauseas/c" target="_blank">v&#xF4;mitos</a>;</li> <li>Rara: boca seca.</li>

Sistema Hematológico:

  • <li>Muito rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/trombocitopenia/" rel="noopener" target="_blank">trombocitopenia</a>.</li>

Sistema Hepático:

  • <li>Rara: altera&#xE7;&#xF5;es de testes da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica;</li> <li>Muito rara: <a href="https://consultaremedios.com.br/infectologia/hepatite/c" target="_blank">hepatite</a>.</li>

Metabolismo:

  • <li>Incomum: ganho de peso.</li>

Músculo-esquelético:

  • <li>Muito rara: artralgia e astenia</li>

Efeitos Psiquiátricos:

  • <li>Incomum: depress&#xE3;o, dificuldade de concentra&#xE7;&#xE3;o, sonol&#xEA;ncia ou <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/insonia/c" target="_blank">ins&#xF4;nia</a> e pesadelos;</li> <li>Rara: nervosismo, <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/ansiedade/c" target="_blank">ansiedade</a> e impot&#xEA;ncia/disfun&#xE7;&#xE3;o sexual;</li> <li>Muito rara: amn&#xE9;sia/comprometimento da mem&#xF3;ria, confus&#xE3;o e alucina&#xE7;&#xF5;es.</li>

Sistema Respiratório:

  • <li>Comum: dispneia de esfor&#xE7;o;</li> <li>Incomum: broncoespasmo;</li> <li>Rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/rinite/" rel="noopener" target="_blank">rinite</a>.</li>

Órgãos dos Sentidos:

  • <li>Rara: dist&#xFA;rbios da vis&#xE3;o, irrita&#xE7;&#xE3;o e/ou ressecamento dos olhos e <a href="https://consultaremedios.com.br/doencas-dos-olhos/conjuntivite/c" target="_blank">conjuntivite</a>;</li> <li>Muito rara: <a href="https://consultaremedios.com.br/doenca-nos-ouvidos/zumbido/c" target="_blank">zumbido</a> e dist&#xFA;rbios do paladar.</li>

Pele:

  • <li>Incomum: exantema (na forma de <a href="https://minutosaudavel.com.br/urticaria/" rel="noopener" target="_blank">urtic&#xE1;ria</a> psoriasiforme e les&#xF5;es cut&#xE2;neas distr&#xF3;ficas) e sudorese aumentada;</li> <li>Rara: perda de cabelo;</li> <li>Muito rara: rea&#xE7;&#xF5;es de fotossensibilidade e agravamento da <a href="https://consultaremedios.com.br/pele-e-mucosa/psoriase/c" target="_blank">psor&#xED;ase</a>.</li>

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/ notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Qual a composição do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Cada mL da ampola de tartarato de metoprolol contém:

1 mg de tartarato de metoprolol.

Excipientes: cloreto de sódio e água para injeção.

Apresentação do&nbsp;Tartarato de Metoprolol Cristália

{"tag":"hr","value":" <h3>Solu&#xE7;&#xE3;o injet&#xE1;vel de 5 mg (1 mg/mL)</h3> <p>Embalagem com 10 ampolas contendo 5 mL cada.</p> <p><strong>Via intravenosa.</strong></p> <p><strong>Uso adulto.</strong></p> "}

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália maior do que a recomendada?

Sintomas

Dentre os sintomas da superdose podem ocorrer hipotensão, insuficiência cardíaca, bradicardia e bradiarritmias, distúrbios na condução elétrica cardíaca e broncoespasmo.

Tratamento

O tratamento deve ser realizado em local com medidas adequadas de atendimento, monitoramento e supervisão.

Atropina, drogas estimulantes do sistema adrenérgico ou marcapasso podem ser utilizados no tratamento de bradicardia e desordens de condução cardíaca.

Hipotensão, insuficiência cardíaca aguda e choque devem ser tratados com adequados expansores de volume, injeção de glucagon (se necessário, seguido de&nbsp;uma infusão intravenosa de glucagon), administração intravenosa de medicamentos estimulantes do sistema adrenérgico como a dobutamina, combinada com medicamentos agonistas dos receptores alfa 1 quando houver vasodilatação. O uso intravenoso de Ca2+ também pode ser considerado.

Broncoespasmo geralmente pode ser revertido por broncodilatadores.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália com outros remédios?

O metoprolol é um substrato metabólico para o citocromo P450 isoenzima CYP2D6.

Fármacos indutores ou inibidores enzimáticos podem exercer uma influência nos níveis plasmáticos do metoprolol. Os níveis plasmáticos do metoprolol podem ser aumentados pela coadministração de compostos metabolizados pela CYP2D6, ex.: antiarrítmicos, anti-histamínicos, antagonistas dos receptores de histamina-2, antidepressivos, antipsicóticos e inibidores da COX-2. A concentração plasmática do metoprolol é diminuída pela rifampicina e pode ser aumentada pelo álcool e hidralazina.

Recomenda-se cuidado especial quando associar tartarato de metoprolol injetável a bloqueadores ganglionares simpáticos, inibidores da MAO (monoaminoxidase) ou outros betabloqueadores (por exemplo, colírio).

Se o tratamento concomitante com clonidina for descontinuado, a medicação betabloqueadora deve ser retirada vários dias antes da clonidina.

Pode ocorrer aumento dos efeitos negativos sobre o inotropismo e cronotropismo quando metoprolol for administrado junto com antagonistas do cálcio pela via intravenosa (particularmente do tipo verapamil e diltiazem), sendo assim não devem ser administrados em conjunto.

Os betabloqueadores podem aumentar os efeitos negativos sobre o inotropismo e dromotropismo cardíacos de antiarrítmicos (do tipo da quinidina e amiodarona).

A associação de digitálicos glicosídeos e betabloqueadores pode aumentar o tempo de condução atrioventricular e pode induzir a bradicardia.

Em pacientes recebendo terapia com betabloqueador, os anestésicos inalatórios aumentam o efeito cardiodepressor.

O tratamento concomitante com indometacina ou outros fármacos inibidores da prostaglandina sintetase pode diminuir o efeito anti-hipertensivo dos betabloqueadores.

Sob certas condições, quando a epinefrina é administrada em pacientes tratados com betabloqueadores, os betabloqueadores cardiosseletivos interferem em menor grau com o controle da pressão sanguínea que os não-seletivos.

Pode ser necessário um ajuste da dose de hipoglicemiantes orais em pacientes sob tratamento com betabloqueadores.

Interferências com exames laboratoriais

O uso de tartarato de metoprolol injetável pode apresentar níveis séricos elevados das transaminases, fosfatase alcalina e lactato desidrogenase (LDH).

Qual a ação da substância do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália (Tartarato de Metoprolol)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Efeitos na hipertens&#xE3;o</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol reduz a press&#xE3;o arterial elevada tanto em pacientes na posi&#xE7;&#xE3;o supina quanto na ortost&#xE1;tica. Pode ser observado aumento na resist&#xEA;ncia perif&#xE9;rica ap&#xF3;s a institui&#xE7;&#xE3;o do tratamento com Tartarato de Metoprolol, mas com curta dura&#xE7;&#xE3;o (poucas horas) e clinicamente insignificante. O tratamento prolongado com Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a resist&#xEA;ncia perif&#xE9;rica total devido &#xE0; revers&#xE3;o da hipertrofia na resist&#xEA;ncia arterial dos vasos. Tamb&#xE9;m foi demonstrado que o tratamento anti-hipertensivo a longo prazo com o Tartarato de Metoprolol reduz a hipertrofia ventricular esquerda e melhora a fun&#xE7;&#xE3;o diast&#xF3;lica ventricular esquerda e o enchimento ventricular esquerdo.</p> <p>Em homens com hipertens&#xE3;o arterial leve a moderada o Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir o risco de morte por <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/doenca-cardiovascular-dcv-sintomas-fatores-de-risco-prevencao-tratamento-tipos-e-mais/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">doen&#xE7;a cardiovascular</a>, principalmente por reduzir o risco de morte cardiovascular s&#xFA;bita, infarto do mioc&#xE1;rdio fatal e n&#xE3;o-fatal e acidente vascular cerebral.</p> <h3>Efeitos na angina do peito</h3> <p>Em pacientes com angina do peito o Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a frequ&#xEA;ncia, a dura&#xE7;&#xE3;o e a gravidade tanto das crises de angina, quanto dos epis&#xF3;dios de isquemia silenciosa e demonstrou aumentar a capacidade f&#xED;sica de trabalho.</p> <h3>Efeitos no ritmo card&#xED;aco</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a frequ&#xEA;ncia ventricular e as extrass&#xED;stoles ventriculares em casos de taquicardia supraventricular ou fibrila&#xE7;&#xE3;o atrial e na presen&#xE7;a de extrass&#xED;stoles.</p> <h3>Efeitos no infarto do mioc&#xE1;rdio</h3> <p>Em pacientes com suspeita ou infarto do mioc&#xE1;rdio confirmado, o Tartarato de Metoprolol reduziu a mortalidade principalmente devido &#xE0; redu&#xE7;&#xE3;o do risco de morte s&#xFA;bita. Presume-se que este efeito seja em parte devido &#xE0; preven&#xE7;&#xE3;o da fibrila&#xE7;&#xE3;o ventricular.</p> <p>O efeito antifibrilat&#xF3;rio pode ser devido a um mecanismo duplo: um efeito vagal na barreira hematoencef&#xE1;lica influenciando de maneira ben&#xE9;fica a estabilidade el&#xE9;trica do cora&#xE7;&#xE3;o e um efeito antiisqu&#xEA;mico card&#xED;aco simp&#xE1;tico direto influenciando de maneira ben&#xE9;fica a contractilidade, a frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca e a press&#xE3;o arterial. Tanto na interven&#xE7;&#xE3;o precoce, como na interven&#xE7;&#xE3;o tardia, a redu&#xE7;&#xE3;o da mortalidade tamb&#xE9;m foi observada em pacientes de alto risco com doen&#xE7;a cardiovascular pr&#xE9;via e em pacientes com diabetes <em>mellitus</em>.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou tamb&#xE9;m reduzir o risco de reinfarto do mioc&#xE1;rdio n&#xE3;o-fatal.</p> <h3>Efeitos nas desordens do cora&#xE7;&#xE3;o com palpita&#xE7;&#xF5;es e enxaqueca</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou ser adequado para o tratamento de desordens card&#xED;acas funcionais com palpita&#xE7;&#xF5;es.</p> <h3>Efeitos em enxaqueca</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou ser adequado para o tratamento profil&#xE1;tico da enxaqueca.</p> <h3>Efeitos no hipertireoidismo</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir as manifesta&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas em hipertireoidismo podendo assim, ser administrado como medica&#xE7;&#xE3;o suplementar.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas&amp;nbsp;</h2> <hr> <h3>Propriedades Farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol &#xE9; um bloqueador beta-1 seletivo, isto &#xE9;, bloqueia os receptores beta-1 em doses muito menores que as necess&#xE1;rias para bloquear os receptores beta-2.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol possui um insignificante efeito estabilizador de membrana e n&#xE3;o apresenta atividade agonista parcial.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol reduz ou inibe o efeito agonista das catecolaminas no cora&#xE7;&#xE3;o (as quais s&#xE3;o liberadas durante o <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/estresse/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">estresse</a> f&#xED;sico e mental). Isto significa que o aumento usual da frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca, do d&#xE9;bito card&#xED;aco, da contractilidade card&#xED;aca e da press&#xE3;o arterial, produzido pelo aumento agudo das catecolaminas, &#xE9; reduzido pelo Tartarato de Metoprolol. Quando os n&#xED;veis end&#xF3;genos de adrenalina est&#xE3;o aumentados, o Tartarato de Metoprolol interfere muito menos no controle da press&#xE3;o arterial do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>Quando necess&#xE1;rio, pode-se administrar Tartarato de Metoprolol em associa&#xE7;&#xE3;o com um agonista beta-2 em pacientes com sintomas de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/b/doenca-pulmonar-obstrutiva\" target=\"_blank\">doen&#xE7;a pulmonar obstrutiva</a>. Quando administrado junto com um agonista beta-2, o Tartarato de Metoprolol, nas doses terap&#xEA;uticas, interfere menos na broncodilata&#xE7;&#xE3;o causada pelo agonista beta-2 do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol interfere menos na libera&#xE7;&#xE3;o de insulina e no metabolismo dos carboidratos do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol interfere muito menos na resposta cardiovascular para hipoglicemia do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o de agentes betabloqueadores n&#xE3;o est&#xE1; totalmente elucidado.</p> <h4>Entretanto, diversos mecanismos t&#xEA;m sido propostos:</h4> <ul> <li>Antagonismo competitivo de catecolamina nos s&#xED;tios adren&#xE9;rgicos nos neur&#xF4;nios perif&#xE9;ricos (especialmente card&#xED;acos), induzindo um decr&#xE9;scimo no d&#xE9;bito card&#xED;aco;</li> <li>Um efeito central levando a uma redu&#xE7;&#xE3;o da atividade simp&#xE1;tica na periferia;</li> <li>Supress&#xE3;o da atividade de renina.</li> </ul> <p>Em geral, o in&#xED;cio do efeito &#xE9; observado em algumas horas, mesmo em baixas doses de Tartarato de Metoprolol. O efeito anti-hipertensivo m&#xE1;ximo de qualquer faixa de dose de Tartarato de Metoprolol ser&#xE1; atingido ap&#xF3;s uma semana de terapia.</p> <p>Estudos de curto prazo demonstraram que o Tartarato de Metoprolol pode causar um discreto aumento nos triglic&#xE9;rides e uma redu&#xE7;&#xE3;o nos &#xE1;cidos graxos livres no sangue. Em alguns casos, foi observada uma pequena redu&#xE7;&#xE3;o na fra&#xE7;&#xE3;o de lipoprote&#xED;nas de alta densidade (HDL), embora em uma propor&#xE7;&#xE3;o menor do que a observada ap&#xF3;s a administra&#xE7;&#xE3;o de betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos. Entretanto, foi demonstrada uma redu&#xE7;&#xE3;o significativa nos n&#xED;veis s&#xE9;ricos totais de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-cardiovascular-circulacao/colesterol/c\" target=\"_blank\">colesterol</a> ap&#xF3;s tratamento com o Tartarato de Metoprolol em um estudo realizado durante v&#xE1;rios anos.</p> <p>A qualidade de vida &#xE9; mantida inalterada ou &#xE9; melhorada durante o tratamento com Tartarato de Metoprolol.</p> <p>Foi observada uma melhora na qualidade de vida ap&#xF3;s tratamento com Tartarato de Metoprolol em pacientes ap&#xF3;s infarto do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Propriedades Farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o e distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Tartarato de Metoprolol &#xE9; completamente absorvido ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o oral. Dentro da faixa de dose terap&#xEA;utica, as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas se elevam linearmente em rela&#xE7;&#xE3;o &#xE0; dose. Os picos de concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas s&#xE3;o atingidos ap&#xF3;s aproximadamente 1,5 - 2 horas. Embora os perfis plasm&#xE1;ticos exibam uma ampla variabilidade interindividual, eles mostram boa reprodutibilidade em cada indiv&#xED;duo.</p> <p>Devido ao extenso metabolismo de primeira passagem, a biodisponibilidade sist&#xEA;mica do Tartarato de Metoprolol em uma dose &#xFA;nica oral &#xE9; de aproximadamente 50%. Em administra&#xE7;&#xF5;es repetidas, a por&#xE7;&#xE3;o da dose dispon&#xED;vel sistemicamente aumenta para aproximadamente 70%. A ingest&#xE3;o concomitante com alimentos pode aumentar a disponibilidade sist&#xEA;mica da dose oral em aproximadamente 30-40%. A liga&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol &#xE0;s <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> plasm&#xE1;ticas &#xE9; baixa, aproximadamente 5-10%.</p> <h4>Metabolismo e elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Tartarato de Metoprolol sofre metabolismo oxidativo no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a> primariamente pela isoenzima CYP2D6. Tr&#xEA;s principais metab&#xF3;litos foram identificados, entretanto nenhum deles tem efeito betabloqueador de import&#xE2;ncia cl&#xED;nica.</p> <p>Mais de 95% da dose oral pode ser recuperada na urina. Aproximadamente 5% da dose administrada &#xE9; excretada na urina como f&#xE1;rmaco inalterado, podendo aumentar para at&#xE9; 30% em casos isolados. A meiavida de elimina&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol no plasma &#xE9; em m&#xE9;dia de 3,5 horas (valores extremos em: 1 e 9 horas). A velocidade de depura&#xE7;&#xE3;o total &#xE9; de aproximadamente 1 L/min.</p> <p>Os pacientes idosos n&#xE3;o apresentam altera&#xE7;&#xF5;es significativas na farmacocin&#xE9;tica do Tartarato de Metoprolol em compara&#xE7;&#xE3;o com pessoas jovens. A biodisponibilidade sist&#xEA;mica e elimina&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol n&#xE3;o s&#xE3;o alteradas em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal reduzida. Entretanto, a excre&#xE7;&#xE3;o dos metab&#xF3;litos &#xE9; reduzida. Foi observado um ac&#xFA;mulo significativo dos metab&#xF3;litos em pacientes com uma taxa de filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular inferior a 5 mL/min. Esse ac&#xFA;mulo de metab&#xF3;litos, entretanto, n&#xE3;o aumenta o efeito betabloqueador.</p> <p>A farmacocin&#xE9;tica do Tartarato de Metoprolol &#xE9; pouco afetada pela diminui&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica. Entretanto, em pacientes com cirrose hep&#xE1;tica grave e deriva&#xE7;&#xE3;o porto-cava, a biodisponibilidade do Tartarato de Metoprolol pode aumentar e a depura&#xE7;&#xE3;o total pode ser reduzida. Os pacientes com anastomose porto-cava apresentaram uma depura&#xE7;&#xE3;o total de aproximadamente 0,3 L/min e valores da &#xE1;rea sob a curva de concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica versus tempo (AUC) at&#xE9; 6 vezes maiores do que em indiv&#xED;duos sadios.</p> <h3>Dados de seguran&#xE7;a pr&#xE9;-cl&#xED;nica</h3> <p>N&#xE3;o h&#xE1; achados relevantes.</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol deve ser conservado em temperatura ambiente (15ºC a 30°C). Protegido da luz.

Tartarato de metoprolol tem validade de 24 meses a partir da data de fabricação.

O produto só deve ser retirado da caixa no momento do uso.

Após o preparo da diluição, a solução diluída deve ser protegida da luz e ser utilizada em até 24 horas.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Tartarato de metoprolol é apresentado em ampolas contendo solução injetável incolor, límpida, livre de partículas visíveis.

1mg/mL, caixa com 5 ampolas com 5mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Tartarato De Metoprolol
Classe Terapêutica
:
Betabloqueadores Puros
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)
Categoria
:
Sistema Cardiovascular (Circulação)
Especialidade
:
Angiologia e Cirurgia Vascular e Cardiologia

Bula do medicamento

Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália, para o que é indicado e para o que serve?

Tartarato de metoprolol está indicado para:

  • <li>Dist&#xFA;rbios do ritmo card&#xED;aco, especialmente taquicardia supraventricular;</li> <li><a href="https://minutosaudavel.com.br/infarto/" rel="noopener" target="_blank">Infarto</a> do mioc&#xE1;rdio, confirmado ou suspeita.</li>

Quais as contraindicações do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade ao metoprolol, aos demais componentes da fórmula ou a outros betabloqueadores.

Na presença das seguintes patologias deve ser evitada a administração do metoprolol:

  • <li>Bloqueio atrioventricular de grau II ou de grau III;</li> <li><a href="https://minutosaudavel.com.br/insuficiencia-cardiaca/" rel="noopener" target="_blank">Insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca</a> n&#xE3;o compensada inst&#xE1;vel (<a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-edema-pulmonar-causas-sintomas-tratamento-tem-cura/" rel="noopener" target="_blank">edema pulmonar</a>, hipoperfus&#xE3;o ou <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a>) e pacientes com terapia inotr&#xF3;pica cont&#xED;nua ou intermitente agindo atrav&#xE9;s de agonista do beta receptor;</li> <li>Bradicardia sinusal clinicamente relevante;</li> <li>S&#xED;ndrome do n&#xF3; sino-atrial (a menos que o paciente possua marcapasso ativo);</li> <li>Choque cardiog&#xEA;nico, e arteriopatia perif&#xE9;rica grave.</li>

O metoprolol não deve ser administrado em pacientes com suspeita de infarto agudo do miocárdio enquanto a frequência cardíaca for < 45 batimentos/minuto, o intervalo PQ for > 0,24 segundos ou a pressão sistólica for < 100 mmHg.

Como usar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol destina-se para uso sem diluição.

Entretanto, pode-se adicionar 40 mL da solução injetável (8 ampolas), equivalente a 40 mg de tartarato de metoprolol, à 1.000 mL das seguintes soluções para infusão:

  • <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de <a href="https://consultaremedios.com.br/cloreto-de-sodio/bula" target="_blank">cloreto de s&#xF3;dio</a> 0,9%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de dextrose 5%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o de dextrose 10%;</li> <li>Solu&#xE7;&#xE3;o Ringer.</li>

Posologia do&nbsp;Tartarato de Metoprolol Cristália

{"tag":"hr","value":" <h3>Arritmias card&#xED;acas</h3> <p>Inicialmente at&#xE9; 5 mg injetado por via intravenosa &#xE0; raz&#xE3;o de 1-2 mg/min. A inje&#xE7;&#xE3;o pode ser repetida em intervalos de 5 minutos at&#xE9; que&amp;nbsp;se obtenha uma resposta satisfat&#xF3;ria. Geralmente, uma dose total de 10-15 mg &#xE9; suficiente. S&#xE3;o improv&#xE1;veis os benef&#xED;cios da terap&#xEA;utica com doses de 20 mg ou mais.</p> <h3>Infarto do mioc&#xE1;rdio</h3> <p>Tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel deve ser administrado por via intravenosa o mais r&#xE1;pido poss&#xED;vel ap&#xF3;s o in&#xED;cio dos sintomas de infarto agudo do mioc&#xE1;rdio.</p> <p>O tratamento deve ser iniciado em unidade coronariana ou similar, imediatamente ap&#xF3;s a estabiliza&#xE7;&#xE3;o hemodin&#xE2;mica do paciente.</p> <p>Deve-se administrar 3 inje&#xE7;&#xF5;es em bolus de 5 mg, em intervalos de 2 minutos, dependendo das condi&#xE7;&#xF5;es hemodin&#xE2;micas do paciente.</p> <p>Se o paciente tolerar a dose intravenosa total (15 mg), deve-se passar &#xE0; dose de manuten&#xE7;&#xE3;o de 50 mg de tartarato de metoprolol por via oral, quatro vezes ao dia, iniciando-se 15 minutos ap&#xF3;s a &#xFA;ltima inje&#xE7;&#xE3;o intravenosa. Mant&#xE9;m-se este esquema geralmente por 48 horas.</p> <p>A dose de manuten&#xE7;&#xE3;o &#xE9; de 100 mg de tartarato de metoprolol comprimidos, via oral, 2 vezes ao dia (pela manh&#xE3; e &#xE0; noite), ou 200 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/succinato-de-metoprolol/bula\" target=\"_blank\">succinato de metoprolol</a> comprimidos, uma vez ao dia.</p> <p>Pacientes que n&#xE3;o toleram a dose intravenosa total de tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel (15 mg) devem iniciar o tratamento oral com cuidado, utilizando-se uma dose menor.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia renal</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose em pacientes com insufici&#xEA;ncia renal.</p> <h3>Insufici&#xEA;ncia hep&#xE1;tica</h3> <p>Normalmente, n&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose em pacientes com <a href=\"https://consultaremedios.com.br/b/cirrose-hepatica\" target=\"_blank\"/><a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/cirrose/c\" target=\"_blank\">cirrose</a> hep&#xE1;tica, porque o metoprolol tem uma baixa taxa de liga&#xE7;&#xE3;o proteica (5-10%). Quando h&#xE1; sinais de s&#xE9;rio comprometimento da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica (por exemplo, pacientes submetidos a cirurgia de deriva&#xE7;&#xE3;o) deve-se considerar uma redu&#xE7;&#xE3;o da dose.</p> <h3>Idosos</h3> <p>N&#xE3;o &#xE9; necess&#xE1;rio ajuste de dose.</p> <h3>Crian&#xE7;as</h3> <p>H&#xE1; experi&#xEA;ncia limitada do tratamento de crian&#xE7;as com tartarato de metoprolol injet&#xE1;vel</p> "}

Quais cuidados devo ter ao usar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

A administração intravenosa de antagonistas de cálcio do tipo verapamil não deve ser realizada em pacientes tratados com betabloqueadores. Pacientes com doenças broncoespásticas, em geral, não devem receber betabloqueadores. Porém, devido à sua relativa seletividade beta-1, tartarato de metoprolol pode ser usado com cautela em pacientes com doença broncoespástica que não respondem, ou não toleraram tratamento com outros anti-hipertensivos. Deve-se administrar um fármaco agonista beta-2 e usar a menor dose possível de tartarato de metoprolol.

Geralmente, quando estiver tratando pacientes com asma, deve-se administrar terapia concomitante com agonista beta-2 (comprimidos e/ou aerossol). Pode haver necessidade de ajuste da dose do agonista beta- 2 (aumento) quando o tratamento com tartarato de metoprolol é iniciado.

O tartarato de metoprolol deve ser usado com cautela em pacientes diabéticos. Há evidências de que o metoprolol pode diminuir a tolerância à glicose em pacientes diabéticos e, possivelmente, em indivíduos normais. Betabloqueadores podem mascarar alguns sintomas de hipoglicemia como a taquicardia, embora outras manifestações como vertigem e sudorese podem não ser significativamente afetadas.

Durante o tratamento com metoprolol, há menor risco de interferência com o metabolismo de carboidratos ou de mascarar a hipoglicemia do que com betabloqueadores não-seletivos.

O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar certos sinais clínicos de hipertireoidismo (por exemplo: taquicardia). Pacientes suspeitos de apresentarem tireotoxicoses devem ser controlados cuidadosamente para evitar interrupção abrupta do bloqueio beta, o que pode precipitar uma descompensação do quadro.

Em pacientes utilizando betabloqueadores, o choque anafilático manifesta-se com maior intensidade.

Pacientes com insuficiência cardíaca devem ter a descompensação tratada antes e durante o tratamento com tartarato de metoprolol.

A estimulação simpática é um componente vital de suporte da função circulatória em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva e os betabloqueadores possuem o risco potencial de depressão da contractilidade do miocárdio, podendo precipitar uma insuficiência cardíaca mais grave. Em pacientes hipertensos e com angina que têm insuficiência cardíaca congestiva controlada por digitálicos e diuréticos, tartarato de metoprolol injetável deve ser administrado com cautela. Tanto digitálicos, quanto tartarato de metoprolol injetável diminuem a condução A-V.

Muito raramente, uma alteração pré-existente da condução A-V de grau moderado pode ser agravada (levando, possivelmente, ao bloqueio A-V).

Se os pacientes desenvolverem crescente bradicardia, deve-se reduzir a dose de metoprolol ou suspender a medicação gradualmente.

O tartarato de metoprolol pode agravar os sintomas de arteriopatia periférica, devendo ser usado com cautela nestas condições.

Se utilizado em pacientes com feocromocitoma, deve-se administrar concomitantemente um alfabloqueador. A necessidade ou desejo de retirar a terapia betabloqueadora antes de cirurgias maiores é controversa. A habilidade prejudicada do coração para responder a estímulos adrenérgicos reflexos pode aumentar os riscos de anestesia geral e procedimentos cirúrgicos. O tartarato de metoprolol injetável, como outros betabloqueadores, é um inibidor competitivo de agonistas de betareceptores e seus efeitos podem ser revertidos pela administração destes agentes, por exemplo, dobutamina ou isoproterenol. Entretanto, estes pacientes podem estar sujeitos a hipotensão grave prolongada. Dificuldade em reiniciar e manter os batimentos cardíacos tem sido também relatada com betabloqueadores.

Não é recomendado interromper o tratamento com beta-bloqueador em pacientes que serão submetidos a cirurgia e o anestesista deve ser alertado que o paciente faz uso de metoprolol. Iniciar uma alta dose aguda de metoprolol em pacientes que serão submetidos a cirurgia não-cardíaca deve ser evitada, pois ela tem sido associada com bradicardia, hipotensão arterial e acidente vascular cerebral, incluindo resultados fatais em pacientes com fatores de risco cardiovascular.

Durante tratamento por via oral, a suspensão abrupta da medicação deve ser evitada.

Se for necessária a interrupção do tratamento, deverá ser realizada gradualmente, quando possível. Muitos pacientes podem interromper o tratamento ao longo de um período de 14 dias. Isto pode ser feito pela redução da dose diária em etapas sequenciais até uma dose final de 25 mg uma vez ao dia (metade de um comprimido de 50 mg). Durante este período, os pacientes devem ser mantidos sob vigilância, especialmente aqueles com doença cardíaca isquêmica conhecida. O risco de eventos coronarianos, como morte súbita, pode aumentar durante a interrupção do tratamento com bloqueador beta.

O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar certos sinais clínicos de hipertireoidismo (ex.: taquicardia). Pacientes suspeitos de apresentarem tireotoxicoses devem ser controlados cuidadosamente para evitar interrupção abrupta do bloqueio beta, o que pode precipitar uma descompensação do quadro.

Em casos em que a pressão arterial sistólica for inferior a 100 mmHg, o metoprolol deve ser administrado por via intravenosa apenas se forem observadas precauções especiais, pois há o risco da administração por esta via causar maior queda na pressão arterial (por exemplo, em pacientes com arritmias cardíacas).

Durante o uso de tartarato de metoprolol injetável em pacientes com suspeita ou confirmação de infarto, deve-se monitorizar cuidadosamente o estado hemodinâmico do paciente após cada uma das três doses intravenosas de 5 mg.

Não se deve administrar a segunda ou terceira dose se a frequência cardíaca for < 40 batimentos/minutos, a pressão sistólica for < 90 mmHg e o intervalo PQ for > 0,26 segundos, ou se existir qualquer acentuação da dispneia ou da sudorese fria.

Os pacientes devem verificar sua reação ao tartarato de metoprolol injetável antes de operar máquinas ou dirigir veículos, porque, ocasionalmente, podem ocorrer vertigem ou fadiga.

Uso durante a gravidez e lactação

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

O tartarato de metoprolol injetável não deve ser usado durante a gravidez ou lactação a menos que seu uso seja considerado essencial. Em geral, os betabloqueadores reduzem a perfusão placentária, o que tem sido associado com retardo de crescimento, morte intrauterina, aborto e parto prematuro. Sugere-se que acompanhamento materno-fetal apropriado seja realizado em mulheres grávidas tratadas com metoprolol. Os betabloqueadores podem causar efeitos adversos, por exemplo, bradicardia no feto, recém-nascido e lactentes.

Se a mãe lactante for tratada com metoprolol em doses dentro da faixa terapêutica normal, a quantidade de metoprolol ingerida através do leite materno, entretanto, parece ser insignificante com relação ao efeito betabloqueador no lactente, no entanto, deve-se administrá-lo com cautela nesses casos, observando-se a possível apresentação de sinais de bloqueio do tipo beta pelo lactente.

Este medicamento pode causar doping.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

O metoprolol é bem tolerado e as reações adversas têm sido, geralmente, leves e reversíveis. Os eventos a seguir têm sido relatados como eventos adversos em estudos clínicos ou em uso de rotina. Em muitos casos, não foi estabelecida uma relação com o tratamento com metoprolol.

As seguintes definições de frequência são usadas:

  • <li>Muito comum (&#x2265;1/10);</li> <li>Comum (&#x2265;1/100 e &lt; 1/10);</li> <li>Incomum (&#x2265; 1/1.000 e &lt; 1/100);</li> <li>Rara (&#x2265; 1/10.000 e &lt; 1/1.000);</li> <li>Muito rara (&lt; 1/10.000).</li>

Sistema Cardiovascular:

  • <li>Comum: bradicardia, altera&#xE7;&#xF5;es posturais (muito raramente com <a href="https://minutosaudavel.com.br/desmaio/" rel="noopener" target="_blank">s&#xED;ncope</a>), m&#xE3;os e p&#xE9;s frios, fen&#xF4;meno de Raynaud e palpita&#xE7;&#xF5;es;</li> <li>Incomum: deteriora&#xE7;&#xE3;o dos sintomas de insufici&#xEA;ncia card&#xED;aca, choque cardiog&#xEA;nico em pacientes com infarto agudo do mioc&#xE1;rdio*, bloqueio card&#xED;aco de primeiro grau, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-edema-tipos-cerebral-pulmonar-etc-e-tratamento/" rel="noopener" target="_blank">edema</a> e dor precordial;</li> <li>Rara: altera&#xE7;&#xF5;es na condu&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca e arritmias card&#xED;acas;</li> <li>Muito rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/gangrena/" rel="noopener" target="_blank">gangrena</a> em pacientes com altera&#xE7;&#xF5;es circulat&#xF3;rias perif&#xE9;ricas graves pr&#xE9;-existentes.</li>

*Excesso de frequência de 0,4% comparado com placebo em um estudo com 46000 pacientes com infarto do miocárdio agudo quando a frequência de choque cardiogênico foi de 2,3% no grupo metoprolol e 1,9% no grupo placebo no subgrupo de pacientes com menor índice de risco de choque. O índice de risco de choque foi baseado no risco absoluto em cada paciente individualmente derivado da idade, sexo, “time delay”, classe Killip, pressão sanguínea, frequência cardíaca, anormalidades no ECG e histórico de hipertensão prévia. O grupo de pacientes com menor índice de risco de choque corresponde aos pacientes nos quais metoprolol é recomendado para o uso em infarto do miocárdio agudo.

Sistema Nervoso Central:

  • <li>Muito comum: fadiga;</li> <li>Comum: vertigem e <a href="https://consultaremedios.com.br/dor-febre-e-contusao/dor-de-cabeca-e-enxaqueca/c" target="_blank">cefaleia</a>;</li> <li>Incomum: <a href="https://minutosaudavel.com.br/parestesia/" rel="noopener" target="_blank">parestesia</a> e c&#xE3;ibras musculares.</li>

Sistema Gastrointestinal:

  • <li>Comum: n&#xE1;usea, dor abdominal, <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/diarreia/c" target="_blank">diarreia</a> e <a href="https://minutosaudavel.com.br/prisao-de-ventre/" rel="noopener" target="_blank">constipa&#xE7;&#xE3;o</a>;</li> <li>Incomum: <a href="https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/nauseas/c" target="_blank">v&#xF4;mitos</a>;</li> <li>Rara: boca seca.</li>

Sistema Hematológico:

  • <li>Muito rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/trombocitopenia/" rel="noopener" target="_blank">trombocitopenia</a>.</li>

Sistema Hepático:

  • <li>Rara: altera&#xE7;&#xF5;es de testes da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica;</li> <li>Muito rara: <a href="https://consultaremedios.com.br/infectologia/hepatite/c" target="_blank">hepatite</a>.</li>

Metabolismo:

  • <li>Incomum: ganho de peso.</li>

Músculo-esquelético:

  • <li>Muito rara: artralgia e astenia</li>

Efeitos Psiquiátricos:

  • <li>Incomum: depress&#xE3;o, dificuldade de concentra&#xE7;&#xE3;o, sonol&#xEA;ncia ou <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/insonia/c" target="_blank">ins&#xF4;nia</a> e pesadelos;</li> <li>Rara: nervosismo, <a href="https://consultaremedios.com.br/sistema-nervoso-central/ansiedade/c" target="_blank">ansiedade</a> e impot&#xEA;ncia/disfun&#xE7;&#xE3;o sexual;</li> <li>Muito rara: amn&#xE9;sia/comprometimento da mem&#xF3;ria, confus&#xE3;o e alucina&#xE7;&#xF5;es.</li>

Sistema Respiratório:

  • <li>Comum: dispneia de esfor&#xE7;o;</li> <li>Incomum: broncoespasmo;</li> <li>Rara: <a href="https://minutosaudavel.com.br/rinite/" rel="noopener" target="_blank">rinite</a>.</li>

Órgãos dos Sentidos:

  • <li>Rara: dist&#xFA;rbios da vis&#xE3;o, irrita&#xE7;&#xE3;o e/ou ressecamento dos olhos e <a href="https://consultaremedios.com.br/doencas-dos-olhos/conjuntivite/c" target="_blank">conjuntivite</a>;</li> <li>Muito rara: <a href="https://consultaremedios.com.br/doenca-nos-ouvidos/zumbido/c" target="_blank">zumbido</a> e dist&#xFA;rbios do paladar.</li>

Pele:

  • <li>Incomum: exantema (na forma de <a href="https://minutosaudavel.com.br/urticaria/" rel="noopener" target="_blank">urtic&#xE1;ria</a> psoriasiforme e les&#xF5;es cut&#xE2;neas distr&#xF3;ficas) e sudorese aumentada;</li> <li>Rara: perda de cabelo;</li> <li>Muito rara: rea&#xE7;&#xF5;es de fotossensibilidade e agravamento da <a href="https://consultaremedios.com.br/pele-e-mucosa/psoriase/c" target="_blank">psor&#xED;ase</a>.</li>

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/ notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Qual a composição do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Cada mL da ampola de tartarato de metoprolol contém:

1 mg de tartarato de metoprolol.

Excipientes: cloreto de sódio e água para injeção.

Apresentação do&nbsp;Tartarato de Metoprolol Cristália

{"tag":"hr","value":" <h3>Solu&#xE7;&#xE3;o injet&#xE1;vel de 5 mg (1 mg/mL)</h3> <p>Embalagem com 10 ampolas contendo 5 mL cada.</p> <p><strong>Via intravenosa.</strong></p> <p><strong>Uso adulto.</strong></p> "}

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália maior do que a recomendada?

Sintomas

Dentre os sintomas da superdose podem ocorrer hipotensão, insuficiência cardíaca, bradicardia e bradiarritmias, distúrbios na condução elétrica cardíaca e broncoespasmo.

Tratamento

O tratamento deve ser realizado em local com medidas adequadas de atendimento, monitoramento e supervisão.

Atropina, drogas estimulantes do sistema adrenérgico ou marcapasso podem ser utilizados no tratamento de bradicardia e desordens de condução cardíaca.

Hipotensão, insuficiência cardíaca aguda e choque devem ser tratados com adequados expansores de volume, injeção de glucagon (se necessário, seguido de&nbsp;uma infusão intravenosa de glucagon), administração intravenosa de medicamentos estimulantes do sistema adrenérgico como a dobutamina, combinada com medicamentos agonistas dos receptores alfa 1 quando houver vasodilatação. O uso intravenoso de Ca2+ também pode ser considerado.

Broncoespasmo geralmente pode ser revertido por broncodilatadores.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália com outros remédios?

O metoprolol é um substrato metabólico para o citocromo P450 isoenzima CYP2D6.

Fármacos indutores ou inibidores enzimáticos podem exercer uma influência nos níveis plasmáticos do metoprolol. Os níveis plasmáticos do metoprolol podem ser aumentados pela coadministração de compostos metabolizados pela CYP2D6, ex.: antiarrítmicos, anti-histamínicos, antagonistas dos receptores de histamina-2, antidepressivos, antipsicóticos e inibidores da COX-2. A concentração plasmática do metoprolol é diminuída pela rifampicina e pode ser aumentada pelo álcool e hidralazina.

Recomenda-se cuidado especial quando associar tartarato de metoprolol injetável a bloqueadores ganglionares simpáticos, inibidores da MAO (monoaminoxidase) ou outros betabloqueadores (por exemplo, colírio).

Se o tratamento concomitante com clonidina for descontinuado, a medicação betabloqueadora deve ser retirada vários dias antes da clonidina.

Pode ocorrer aumento dos efeitos negativos sobre o inotropismo e cronotropismo quando metoprolol for administrado junto com antagonistas do cálcio pela via intravenosa (particularmente do tipo verapamil e diltiazem), sendo assim não devem ser administrados em conjunto.

Os betabloqueadores podem aumentar os efeitos negativos sobre o inotropismo e dromotropismo cardíacos de antiarrítmicos (do tipo da quinidina e amiodarona).

A associação de digitálicos glicosídeos e betabloqueadores pode aumentar o tempo de condução atrioventricular e pode induzir a bradicardia.

Em pacientes recebendo terapia com betabloqueador, os anestésicos inalatórios aumentam o efeito cardiodepressor.

O tratamento concomitante com indometacina ou outros fármacos inibidores da prostaglandina sintetase pode diminuir o efeito anti-hipertensivo dos betabloqueadores.

Sob certas condições, quando a epinefrina é administrada em pacientes tratados com betabloqueadores, os betabloqueadores cardiosseletivos interferem em menor grau com o controle da pressão sanguínea que os não-seletivos.

Pode ser necessário um ajuste da dose de hipoglicemiantes orais em pacientes sob tratamento com betabloqueadores.

Interferências com exames laboratoriais

O uso de tartarato de metoprolol injetável pode apresentar níveis séricos elevados das transaminases, fosfatase alcalina e lactato desidrogenase (LDH).

Qual a ação da substância do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália (Tartarato de Metoprolol)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <h3>Efeitos na hipertens&#xE3;o</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol reduz a press&#xE3;o arterial elevada tanto em pacientes na posi&#xE7;&#xE3;o supina quanto na ortost&#xE1;tica. Pode ser observado aumento na resist&#xEA;ncia perif&#xE9;rica ap&#xF3;s a institui&#xE7;&#xE3;o do tratamento com Tartarato de Metoprolol, mas com curta dura&#xE7;&#xE3;o (poucas horas) e clinicamente insignificante. O tratamento prolongado com Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a resist&#xEA;ncia perif&#xE9;rica total devido &#xE0; revers&#xE3;o da hipertrofia na resist&#xEA;ncia arterial dos vasos. Tamb&#xE9;m foi demonstrado que o tratamento anti-hipertensivo a longo prazo com o Tartarato de Metoprolol reduz a hipertrofia ventricular esquerda e melhora a fun&#xE7;&#xE3;o diast&#xF3;lica ventricular esquerda e o enchimento ventricular esquerdo.</p> <p>Em homens com hipertens&#xE3;o arterial leve a moderada o Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir o risco de morte por <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/doenca-cardiovascular-dcv-sintomas-fatores-de-risco-prevencao-tratamento-tipos-e-mais/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">doen&#xE7;a cardiovascular</a>, principalmente por reduzir o risco de morte cardiovascular s&#xFA;bita, infarto do mioc&#xE1;rdio fatal e n&#xE3;o-fatal e acidente vascular cerebral.</p> <h3>Efeitos na angina do peito</h3> <p>Em pacientes com angina do peito o Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a frequ&#xEA;ncia, a dura&#xE7;&#xE3;o e a gravidade tanto das crises de angina, quanto dos epis&#xF3;dios de isquemia silenciosa e demonstrou aumentar a capacidade f&#xED;sica de trabalho.</p> <h3>Efeitos no ritmo card&#xED;aco</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir a frequ&#xEA;ncia ventricular e as extrass&#xED;stoles ventriculares em casos de taquicardia supraventricular ou fibrila&#xE7;&#xE3;o atrial e na presen&#xE7;a de extrass&#xED;stoles.</p> <h3>Efeitos no infarto do mioc&#xE1;rdio</h3> <p>Em pacientes com suspeita ou infarto do mioc&#xE1;rdio confirmado, o Tartarato de Metoprolol reduziu a mortalidade principalmente devido &#xE0; redu&#xE7;&#xE3;o do risco de morte s&#xFA;bita. Presume-se que este efeito seja em parte devido &#xE0; preven&#xE7;&#xE3;o da fibrila&#xE7;&#xE3;o ventricular.</p> <p>O efeito antifibrilat&#xF3;rio pode ser devido a um mecanismo duplo: um efeito vagal na barreira hematoencef&#xE1;lica influenciando de maneira ben&#xE9;fica a estabilidade el&#xE9;trica do cora&#xE7;&#xE3;o e um efeito antiisqu&#xEA;mico card&#xED;aco simp&#xE1;tico direto influenciando de maneira ben&#xE9;fica a contractilidade, a frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca e a press&#xE3;o arterial. Tanto na interven&#xE7;&#xE3;o precoce, como na interven&#xE7;&#xE3;o tardia, a redu&#xE7;&#xE3;o da mortalidade tamb&#xE9;m foi observada em pacientes de alto risco com doen&#xE7;a cardiovascular pr&#xE9;via e em pacientes com diabetes <em>mellitus</em>.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou tamb&#xE9;m reduzir o risco de reinfarto do mioc&#xE1;rdio n&#xE3;o-fatal.</p> <h3>Efeitos nas desordens do cora&#xE7;&#xE3;o com palpita&#xE7;&#xF5;es e enxaqueca</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou ser adequado para o tratamento de desordens card&#xED;acas funcionais com palpita&#xE7;&#xF5;es.</p> <h3>Efeitos em enxaqueca</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou ser adequado para o tratamento profil&#xE1;tico da enxaqueca.</p> <h3>Efeitos no hipertireoidismo</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol demonstrou reduzir as manifesta&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas em hipertireoidismo podendo assim, ser administrado como medica&#xE7;&#xE3;o suplementar.</p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas&amp;nbsp;</h2> <hr> <h3>Propriedades Farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>O Tartarato de Metoprolol &#xE9; um bloqueador beta-1 seletivo, isto &#xE9;, bloqueia os receptores beta-1 em doses muito menores que as necess&#xE1;rias para bloquear os receptores beta-2.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol possui um insignificante efeito estabilizador de membrana e n&#xE3;o apresenta atividade agonista parcial.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol reduz ou inibe o efeito agonista das catecolaminas no cora&#xE7;&#xE3;o (as quais s&#xE3;o liberadas durante o <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/estresse/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">estresse</a> f&#xED;sico e mental). Isto significa que o aumento usual da frequ&#xEA;ncia card&#xED;aca, do d&#xE9;bito card&#xED;aco, da contractilidade card&#xED;aca e da press&#xE3;o arterial, produzido pelo aumento agudo das catecolaminas, &#xE9; reduzido pelo Tartarato de Metoprolol. Quando os n&#xED;veis end&#xF3;genos de adrenalina est&#xE3;o aumentados, o Tartarato de Metoprolol interfere muito menos no controle da press&#xE3;o arterial do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>Quando necess&#xE1;rio, pode-se administrar Tartarato de Metoprolol em associa&#xE7;&#xE3;o com um agonista beta-2 em pacientes com sintomas de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/b/doenca-pulmonar-obstrutiva\" target=\"_blank\">doen&#xE7;a pulmonar obstrutiva</a>. Quando administrado junto com um agonista beta-2, o Tartarato de Metoprolol, nas doses terap&#xEA;uticas, interfere menos na broncodilata&#xE7;&#xE3;o causada pelo agonista beta-2 do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol interfere menos na libera&#xE7;&#xE3;o de insulina e no metabolismo dos carboidratos do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O Tartarato de Metoprolol interfere muito menos na resposta cardiovascular para hipoglicemia do que os betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos.</p> <p>O mecanismo de a&#xE7;&#xE3;o de agentes betabloqueadores n&#xE3;o est&#xE1; totalmente elucidado.</p> <h4>Entretanto, diversos mecanismos t&#xEA;m sido propostos:</h4> <ul> <li>Antagonismo competitivo de catecolamina nos s&#xED;tios adren&#xE9;rgicos nos neur&#xF4;nios perif&#xE9;ricos (especialmente card&#xED;acos), induzindo um decr&#xE9;scimo no d&#xE9;bito card&#xED;aco;</li> <li>Um efeito central levando a uma redu&#xE7;&#xE3;o da atividade simp&#xE1;tica na periferia;</li> <li>Supress&#xE3;o da atividade de renina.</li> </ul> <p>Em geral, o in&#xED;cio do efeito &#xE9; observado em algumas horas, mesmo em baixas doses de Tartarato de Metoprolol. O efeito anti-hipertensivo m&#xE1;ximo de qualquer faixa de dose de Tartarato de Metoprolol ser&#xE1; atingido ap&#xF3;s uma semana de terapia.</p> <p>Estudos de curto prazo demonstraram que o Tartarato de Metoprolol pode causar um discreto aumento nos triglic&#xE9;rides e uma redu&#xE7;&#xE3;o nos &#xE1;cidos graxos livres no sangue. Em alguns casos, foi observada uma pequena redu&#xE7;&#xE3;o na fra&#xE7;&#xE3;o de lipoprote&#xED;nas de alta densidade (HDL), embora em uma propor&#xE7;&#xE3;o menor do que a observada ap&#xF3;s a administra&#xE7;&#xE3;o de betabloqueadores n&#xE3;o-seletivos. Entretanto, foi demonstrada uma redu&#xE7;&#xE3;o significativa nos n&#xED;veis s&#xE9;ricos totais de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/sistema-cardiovascular-circulacao/colesterol/c\" target=\"_blank\">colesterol</a> ap&#xF3;s tratamento com o Tartarato de Metoprolol em um estudo realizado durante v&#xE1;rios anos.</p> <p>A qualidade de vida &#xE9; mantida inalterada ou &#xE9; melhorada durante o tratamento com Tartarato de Metoprolol.</p> <p>Foi observada uma melhora na qualidade de vida ap&#xF3;s tratamento com Tartarato de Metoprolol em pacientes ap&#xF3;s infarto do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Propriedades Farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o e distribui&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Tartarato de Metoprolol &#xE9; completamente absorvido ap&#xF3;s administra&#xE7;&#xE3;o oral. Dentro da faixa de dose terap&#xEA;utica, as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas se elevam linearmente em rela&#xE7;&#xE3;o &#xE0; dose. Os picos de concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas s&#xE3;o atingidos ap&#xF3;s aproximadamente 1,5 - 2 horas. Embora os perfis plasm&#xE1;ticos exibam uma ampla variabilidade interindividual, eles mostram boa reprodutibilidade em cada indiv&#xED;duo.</p> <p>Devido ao extenso metabolismo de primeira passagem, a biodisponibilidade sist&#xEA;mica do Tartarato de Metoprolol em uma dose &#xFA;nica oral &#xE9; de aproximadamente 50%. Em administra&#xE7;&#xF5;es repetidas, a por&#xE7;&#xE3;o da dose dispon&#xED;vel sistemicamente aumenta para aproximadamente 70%. A ingest&#xE3;o concomitante com alimentos pode aumentar a disponibilidade sist&#xEA;mica da dose oral em aproximadamente 30-40%. A liga&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol &#xE0;s <a href=\"https://minutosaudavel.com.br/proteinas/\" rel=\"noopener\" target=\"_blank\">prote&#xED;nas</a> plasm&#xE1;ticas &#xE9; baixa, aproximadamente 5-10%.</p> <h4>Metabolismo e elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>O Tartarato de Metoprolol sofre metabolismo oxidativo no <a href=\"https://consultaremedios.com.br/aparelho-digestivo/figado/c\" target=\"_blank\">f&#xED;gado</a> primariamente pela isoenzima CYP2D6. Tr&#xEA;s principais metab&#xF3;litos foram identificados, entretanto nenhum deles tem efeito betabloqueador de import&#xE2;ncia cl&#xED;nica.</p> <p>Mais de 95% da dose oral pode ser recuperada na urina. Aproximadamente 5% da dose administrada &#xE9; excretada na urina como f&#xE1;rmaco inalterado, podendo aumentar para at&#xE9; 30% em casos isolados. A meiavida de elimina&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol no plasma &#xE9; em m&#xE9;dia de 3,5 horas (valores extremos em: 1 e 9 horas). A velocidade de depura&#xE7;&#xE3;o total &#xE9; de aproximadamente 1 L/min.</p> <p>Os pacientes idosos n&#xE3;o apresentam altera&#xE7;&#xF5;es significativas na farmacocin&#xE9;tica do Tartarato de Metoprolol em compara&#xE7;&#xE3;o com pessoas jovens. A biodisponibilidade sist&#xEA;mica e elimina&#xE7;&#xE3;o do Tartarato de Metoprolol n&#xE3;o s&#xE3;o alteradas em pacientes com fun&#xE7;&#xE3;o renal reduzida. Entretanto, a excre&#xE7;&#xE3;o dos metab&#xF3;litos &#xE9; reduzida. Foi observado um ac&#xFA;mulo significativo dos metab&#xF3;litos em pacientes com uma taxa de filtra&#xE7;&#xE3;o glomerular inferior a 5 mL/min. Esse ac&#xFA;mulo de metab&#xF3;litos, entretanto, n&#xE3;o aumenta o efeito betabloqueador.</p> <p>A farmacocin&#xE9;tica do Tartarato de Metoprolol &#xE9; pouco afetada pela diminui&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o hep&#xE1;tica. Entretanto, em pacientes com cirrose hep&#xE1;tica grave e deriva&#xE7;&#xE3;o porto-cava, a biodisponibilidade do Tartarato de Metoprolol pode aumentar e a depura&#xE7;&#xE3;o total pode ser reduzida. Os pacientes com anastomose porto-cava apresentaram uma depura&#xE7;&#xE3;o total de aproximadamente 0,3 L/min e valores da &#xE1;rea sob a curva de concentra&#xE7;&#xE3;o plasm&#xE1;tica versus tempo (AUC) at&#xE9; 6 vezes maiores do que em indiv&#xED;duos sadios.</p> <h3>Dados de seguran&#xE7;a pr&#xE9;-cl&#xED;nica</h3> <p>N&#xE3;o h&#xE1; achados relevantes.</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália?

Tartarato de metoprolol deve ser conservado em temperatura ambiente (15ºC a 30°C). Protegido da luz.

Tartarato de metoprolol tem validade de 24 meses a partir da data de fabricação.

O produto só deve ser retirado da caixa no momento do uso.

Após o preparo da diluição, a solução diluída deve ser protegida da luz e ser utilizada em até 24 horas.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Tartarato de metoprolol é apresentado em ampolas contendo solução injetável incolor, límpida, livre de partículas visíveis.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Dizeres Legais do Tartarato de Metoprolol Cristália Cristália

MS nº 1.0298.0447

Farm. Resp.:
Dr. José Carlos Módolo
CRF-SP nº 10.446

Registrado por:
Cristália – Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda.
Rod. Itapira-Lindóia, km 14
Itapira - SP
CNPJ: 44.734.671/0001-51
Indústria Brasileira




Fabricado por:
Cristália – Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda.
Avenida Nossa Senhora da Assunção, 574
Butantã – São Paulo/SP
CNPJ: 44.734.671/0008-28
Indústria Brasileira




SAC:
0800 701 19 18

Nº do Lote, Data de Fabricação e Prazo de Validade: Vide Cartucho.&nbsp;

Fabricante: Cristália

© 2021 Medicamento Lab.