Isofarma Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

100mg/mL, caixa com 120 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

191mg/mL, caixa com 120 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

191mg/mL, caixa com 200 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

100mg/mL, caixa com 200 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

191mg/mL, caixa com 120 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

191mg/mL, caixa com 200 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

100mg/mL, caixa com 120 ampolas com 10mL de solução de uso intravenoso (embalagem hospitalar)

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

100mg/mL, ampola com 10mL de solução de uso intravenoso

Princípio ativo
:
Cloreto De Potássio
Classe Terapêutica
:
Suplementos Minerais Á Base de Potássio
Requer Receita
:
Sim, necessita de Receita
Tipo de prescrição
:
Branca Comum (Venda Sob Prescrição Médica)
Categoria
:
Vitaminas E Minerais
Especialidade
:
Nutricionista

Bula do medicamento

Solução de Cloreto de Potássio Isofarma, para o que é indicado e para o que serve?

É indicado na prevenção e tratamento da redução de potássio ou hipocalemia (baixa concentração sérica de potássio). Além dessas indicações, este medicamento também é utilizado para tratar de pacientes acometidos por cetoacidose diabética, prevenindo dessa forma a hipocalemia – esta induzida pela administração de insulina.

Quais as contraindicações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você não deve tomar este medicamento caso tenha insuficiência renal grave com oligúria (excesso de acidez no sangue, com diminuição da produção de urina); anúria (ausência de produção de urina) ou azotemia (elevação do nível dos compostos de nitrogênio no sangue). É contraindicado para pacientes com hipercalemia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de potássio) aguda ou crônica; doença de Addison não tratada, desidratação aguda e hipercloremia (elevação acima do normal do nível sanguíneo de cloro).

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

{"tag":"ol","value":" <li>Segure as ampolas com os bicos voltados para baixo, posicionando a m&#xE3;o de forma a proteger os <em>twist-off;</em><br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/5d5448f15fa9c1002173eccf/original_Solucao-de-Cloreto-de-Potassio-Isofarma-1-Consulta-Remedios.PNG?1565804785\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Pressionando com pequena for&#xE7;a o polegar direito para frente (45&#xB0;) e o esquerdo para tr&#xE1;s (45&#xB0;), separando as laterais das ampolas e o <em>twist-off</em>;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a76ca62f30025f3df3e/original_2.JPG?1612282485\" style=\"width:50%\"> </img></br></li> <li>Continue o movimento contr&#xE1;rio dos polegares at&#xE9; que ocorra a separa&#xE7;&#xE3;o total das laterais das ampolas;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197a9eca62f30023f3df15/original_3.JPG?1612282525\" style=\"width:50%\">&amp;nbsp;</img></br></li> <li>Segure a ampola na posi&#xE7;&#xE3;o vertical e d&#xEA; leves batidas na parte superior da ampola;<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d1900218c316e/original_4.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Dobre o gargalo para frente (45&#xB0;) e para tr&#xE1;s (45&#xB0;);<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197ade7e4d19002b8c3102/original_5.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\"> </img></br></li> <li>Segure firmente o <em>twist-off </em>e gire-o no sentido anti-hor&#xE1;rio.<br> <img alt=\"\" src=\"https://uploads.consultaremedios.com.br/ckeditor_assets/pictures/60197adfca62f30025f3df42/original_6.JPG?1612282590\" style=\"width:40%\">&amp;nbsp;</img></br></li> "}

A administração deste medicamento é definida a critério médico e de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Isofarma - solução de cloreto de potássio deve ser adicionada às soluções intravenosas para obter uma concentração final de potássio de 30 a 40 mEq/L. Recomenda-se administrar não mais do que 20 mEq por hora de cloreto de potássio.

Não exceder 200 mEq de cloreto de potássio por dia, exceto em circunstâncias especiais.

É importante saber que potássio sérico deve ser controlado em intervalos apropriados. A frequência desse controle é determinada pela condição clínica do paciente, concentração sérica inicial de potássio, velocidade com que há alterações do potássio sérico em um dado paciente, e pela função renal.

O uso é através da administração intravenosa lenta, mediante prévia diluição e conforme orientação médica.

Atenção:&nbsp;A infusão intravenosa direta da solução de cloreto de potássio (sem a diluição prévia, conforme orientação médica), pode causar morte instantânea.&nbsp;Não misture medicamentos diferentes. A troca pode ser fatal. Certifique-se de que está sendo administrado o medicamento prescrito.&nbsp;Deve-se ter extremo cuidado para não trocar este medicamento com outras soluções diferentes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Como o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma funciona?

Funciona como condutor dos impulsos nervosos em tecidos especiais:

  • <li>Cora&#xE7;&#xE3;o, c&#xE9;rebro e m&#xFA;sculo esquel&#xE9;tico.</li>

Este medicamento também é responsável pela manutenção da função renal normal e pelo equilíbrio ácido-base no organismo.

Quais cuidados devo ter ao usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve tomar os seguintes cuidados antes de administrar este medicamento:

  • <li>Verificar o prazo de validade;</li> <li>N&#xE3;o utiliz&#xE1;-lo se o recipiente estiver violado e se a solu&#xE7;&#xE3;o apresentar turva&#xE7;&#xE3;o;</li> <li>Descartar imediatamente o volume n&#xE3;o usado ap&#xF3;s a abertura da ampola.</li>

Após observar essas precauções, diluir totalmente a quantidade de solução a ser utilizada, antes de você administrá-la, de forma intravenosa lenta. Saiba que extravasamentos devem ser evitados.

Mesmo diluído, levar em consideração a relação risco/benefício deste medicamento, quando existirem estes problemas:

  • <li>Acidose metab&#xF3;lica com olig&#xFA;ria;</li> <li>Azotemia;</li> <li>Bloqueio card&#xED;aco grave ou completo;</li> <li>Diarr&#xE9;ia prolongada ou grave;</li> <li>Hipoadrenalismo;</li> <li>Miotonia cong&#xEA;nita (dist&#xFA;rbio muscular heredit&#xE1;rio);</li> <li>Trauma e sensibilidade ao pot&#xE1;ssio.</li>

Utilizar este produto com cautela em pacientes idosos; com insuficiência renal crônica, ulceração gastrintestinal, choque térmico, grandes destruições de tecido (queimaduras extensas, por exemplo) e em pacientes que estejam recebendo diuréticos poupadores de potássio.

O uso também deve ser cautelar em pacientes tratados com sais de cálcio por via parenteral, devido o risco de surgir arritmias.

Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Este medicamento pode causar arritmias cardíacas.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

O que eu devo fazer quando esquecer de usar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Qual a composição do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Cloreto de potássio 10%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">100 mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">1341 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:237px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:240px\"> <p style=\"text-align:center\">2683 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Cloreto de potássio 19,1%

Cada mL contém:
{"tag":"table","value":{"heading":["<table border=\"1\" cellpadding=\"1\" cellspacing=\"1\" style=\"width:100%\"> <tbody> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto de pot&#xE1;ssio (D.C.B. 02415)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">191&amp;nbsp;mg</p> </td> </tr> <tr> <td colspan=\"2\"> <p style=\"text-align:center\"><strong>Conte&#xFA;do eletrol&#xED;tico</strong></p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Pot&#xE1;ssio (K<sup>+</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Cloreto (Cl<sup>-</sup>)</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">2562 mEq/L</p> </td> </tr> <tr> <td style=\"width:239px\"> <p style=\"text-align:center\">Osmolaridade</p> </td> <td style=\"width:238px\"> <p style=\"text-align:center\">5124 mOsm/L</p> </td> </tr> </tbody> </table>"],"rows":[]}}

Excipiente: água para injetáveis.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma maior do que a recomendada?

Se você utilizar acidentalmente uma dose muito grande deste medicamento, pode levar ao desenvolvimento de hipercalemia, especialmente em pacientes com insuficiência renal.

Os sintomas incluem:

  • <li>Paralisia das extremidades, fraqueza muscular, <a href="https://minutosaudavel.com.br/o-que-e-hipotensao-pressao-baixa-sintomas-na-gravidez-e-mais/" rel="noopener" target="_blank">hipotens&#xE3;o</a> (press&#xE3;o baixa), arritmias card&#xED;acas, bloqueio e parada card&#xED;aca e confus&#xE3;o mental.</li>

Diante disso, é recomendável procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental para adultos e crianças, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Solução de Cloreto de Potássio Isofarma com outros remédios?

Além do grupo de pacientes mencionados anteriormente, é indispensável você saber estas informações sobre a administração associada a estas substâncias e a estes medicamentos:

  • <li>Com a <a href="https://consultaremedios.com.br/anfotericina-b/bula" target="_blank">anfotericina B</a>, as solu&#xE7;&#xF5;es de cloreto de pot&#xE1;ssio s&#xE3;o incompat&#xED;veis;</li> <li>Os cortic&#xF3;ides e o ACTH (horm&#xF4;nio adenocorticotr&#xF3;fico) podem diminuir os efeitos dos suplementos de pot&#xE1;ssio;</li> <li>Os diur&#xE9;ticos tiaz&#xED;dicos e retentores de pot&#xE1;ssio, os inibidores da ECA, AINE, bloqueadores betaadren&#xE9;rgicos, <a href="https://consultaremedios.com.br/ciclosporina/bula" target="_blank">ciclosporina</a>, heparina e medicamentos contendo pot&#xE1;ssio podem aumentar a concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio com risco de causar hipercalemia (alta concentra&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio);</li> <li>O <a href="https://consultaremedios.com.br/captopril/bula" target="_blank">captopril</a> e o <a href="https://consultaremedios.com.br/maleato-de-enalapril/bula" target="_blank">enalapril</a> podem produzir hiperpotassemia (elevada concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio).</li>

Você também deve atentar para as seguintes recomendações a respeito do uso simultâneo com estas substâncias:

  • <li>N&#xE3;o use ao mesmo tempo e no mesmo l&#xED;quido de infus&#xE3;o o cloreto de pot&#xE1;ssio com amicacina e metilprednisolona;</li> <li>N&#xE3;o administre simultaneamente este medicamento com glicos&#xED;deos digit&#xE1;licos;</li> <li>Evite o uso concomitante deste medicamento com quinidina, pois dessa forma h&#xE1; uma potencializa&#xE7;&#xE3;o dos efeitos antiarr&#xED;tmicos da mesma.</li>

Não é conhecido se a solução de Isofarma - solução de cloreto de potássio é excretada para o leite materno.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Qual a ação da substância do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma (Cloreto de Potássio)?

Resultados de Eficácia

{"tag":"hr","value":" <p>O objetivo da administra&#xE7;&#xE3;o de cloreto de pot&#xE1;ssio a pacientes com defici&#xEA;ncia deste mineral &#xE9; repor suas quantidades b&#xE1;sicas necess&#xE1;rias e impedir a manifesta&#xE7;&#xE3;o de sintomas cl&#xED;nicos (Mudge; Levinsky; Stanaszek).</p> <p>Um dos estudos que mostra a efic&#xE1;cia de Cloreto de Pot&#xE1;ssio foi realizado por Skoutakis e avaliou indiv&#xED;duos adultos hipertensos recebendo 50 mg de <a href=\"https://consultaremedios.com.br/hidroclorotiazida/bula\" target=\"_blank\">hidroclorotiazida</a>/dia, sabidamente um diur&#xE9;tico que causa deple&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de&amp;nbsp;pot&#xE1;ssio, que tamb&#xE9;m passaram a receber Cloreto de Pot&#xE1;ssio (1 comprimido, 3 vezes ao dia) ou outro medicamento de libera&#xE7;&#xE3;o lenta &#xE0; base de cloreto de pot&#xE1;ssio. Ao final de dois per&#xED;odos de tratamento de quatro semanas, Cloreto de Pot&#xE1;ssio mostrou-se igualmente eficaz em manter as concentra&#xE7;&#xF5;es s&#xE9;ricas necess&#xE1;rias de pot&#xE1;ssio, mantendose os n&#xED;veis de press&#xE3;o arterial e as avalia&#xE7;&#xF5;es eletrocardiogr&#xE1;ficas dentro dos limites normais em todos os pacientes estudados. Al&#xE9;m disso, n&#xE3;o foram observados efeitos adversos, havendo &#xF3;tima aceita&#xE7;&#xE3;o e ades&#xE3;o dos pacientes ao tratamento. Outras estudos tamb&#xE9;m suportam o uso do cloreto de pot&#xE1;ssio para o tratamento e a preven&#xE7;&#xE3;o da casos de hipocalemia (Stanaszek; Lawson; Jellett; Kosman; Morgan; Kn&#xF6;chel).</p> <p>A paralisia hipocal&#xEA;mica peri&#xF3;dica familiar caracteriza-se por epis&#xF3;dios intermitentes de paralisia ou fraqueza muscular (com maior frequ&#xEA;ncia nos bra&#xE7;os e nas pernas, podendo afetar olhos ou os m&#xFA;sculos envolvidos na respira&#xE7;&#xE3;o e degluti&#xE7;&#xE3;o) e costuma ocorrer em v&#xE1;rios membros dentro de uma mesma fam&#xED;lia, sendo, portanto, uma condi&#xE7;&#xE3;o heredit&#xE1;ria. Durante um epis&#xF3;dio de fraqueza muscular, os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio s&#xE9;rico tornam-se baixos, uma vez que o pot&#xE1;ssio flui da corrente sangu&#xED;nea para as c&#xE9;lulas musculares. Apesar de os n&#xED;veis de pot&#xE1;ssio se normalizarem no per&#xED;odo intercrises, a reposi&#xE7;&#xE3;o s&#xE9;rica de pot&#xE1;ssio pode ser necess&#xE1;ria durante as crises. Segundo publica&#xE7;&#xE3;o de Wyngaarden &amp; Smith, a reposi&#xE7;&#xE3;o oral de pot&#xE1;ssio mostrou efic&#xE1;cia total, sem maiores complica&#xE7;&#xF5;es.</p> <p>Em pacientes com anemia megalobl&#xE1;stica, dois estudos feitos por Lawson e cols confirmam a presen&#xE7;a concomitante de hipocalemia e a necessidade estrita de seu monitoramento e reposi&#xE7;&#xE3;o, quando necess&#xE1;rio.</p> <p>Nenhum estudo cl&#xED;nico recentemente foi conduzido com Cloreto de Pot&#xE1;ssio.</p> <p><strong>Refer&#xEA;ncias Bibliogr&#xE1;ficas</strong></p> <p><span style=\"font-size:11px\">1. Gumma A, Hess H, Ramsay RA (1971) Freigabe von KC1 aus einer Retardform. Release of KCl from a slow-release form. Pharm Industr; 33:291-3.<br> 2. De Wardener HE, Clarkson EM, Ford J (1969) Potassium Supplements. Brit med J; IV:168.<br> 3. Nordin BEC, Wilkinson R (1970)] Potassium Supplements. Brit med J; 1:433.<br> 4. Lowance DC, Murad F, Darrow WR, et al (1982)] Bioequivalence of a slow-release potassium tablet and a liquid potassium Supplement. Int J Clin Pharmacol; 20:204-8.<br> 5. Barlow CG (1965)] Release of potassium Chloride from tablets. J Pharm Pharmacol; 17:822-4.<br> 6. Mudge GH (1985)] Agents affecting volume and composition of body fluids. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds); The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. pp. 846-78.<br> 7. [Martindale (1982)] Electrolytes. In: Reynolds JEF (eds): The extra pharmacopoeia. 28th ed. The Pharmaceutical Press, London.<br> 8. Levinsky NG (1986)] Fluids and electrolytes. In: Braunwald E, et al. (eds): Harrison&apos;s principles of internal medicine, 11th ed. McGraw-Hill Book Company, New York. pp. 198-208.<br> 9. Stanaszek WF, Romankiewicz JA (1985)] Current approaches to management of potassium deficiency. Drug Intell; 19:176-84.<br> 10. [American Medical Association (1986)] Replenishers and regulators of water and electrolytes. In: Drug evaluations, 6th ed. American Medical Association, Chicago. pp.827-39.<br> 11. [Thier SO (1986)] Potassium physiology. Amer J Med; 80 (Suppl. 4A):3-7.<br> 12. Lawson AAH (1981 )] Potassium replaceme nt: When is it ne cessary? Drugs; 21:35 4-61.<br> 13. [He ifant RH (1986)] Hypokalemia and arrhythmias. Am J Med; 80 (Suppl. 4A):13-22.<br> 14. [Lawson AAH (1981)] Potassium replacement: When is it necessary? Drugs; 21:354-61.<br> 15. Jellett LB (1978)] Potassium therapy; When is it indicated? Drugs; 16:88-94.<br> 16. Kaplan NM (1984)] Our appropriate concern about hypokalemia. Am J Med; 77:1-4.<br> 17. [Ben-Ishay D, Engelman K (1973)] Bioavailability of potassium from a slow-release tablet. Clin Pharmacol Ther; 14:250-8.<br> 18. Kosman ME (1974)] Management of potassium problems during long-term diuretic therapy. J Am Med Ass; 230:743-8. 19. Morgan DB (1981)] Hypokalaemia and diuretics. In: Wood C and Somerville W (eds); Arrhythmias and myocardial infarction; the role of potassium. Royal Society of Medicine and Symposium series 44, London. pp. 3-8.<br> 20. Kn&#xF6;chel JP (1984)] Diuretic-induced hypokalemia. Am J Med; 77:18-27.<br> 21. Wyngaarden JB, Smith LH (1982)] Myotonia congenita. Familial periodic paralysis. In: Cecil Textbook of Medicine, 16th ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia. pp. 2176f.<br> 22. Lawson DH, Murray RM, Parker JL (1972)] Early mortality in megaloblastic anaemias. Quart J Med; XLI:1-14.<br> 23. Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 24. Skoutakis VA, Carter CA, Acchiardo SR. Therapeutic assessment of Cloreto de Pot&#xE1;ssio and K-tab potassium chloride formulations in hypertensive patients treated with thiazide diuretics. Drug Intell Clin Pharm. 1987 May;21(5):445-50.<br> 25. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 26. [Lawson DH, Murray RM, Parker JL, et al (1970)] Hypokalaemia in megaloblastic anaemias. Lancet; 11:588-90.<br> 27. [Potter JM, Blake GM, Cox JR (1984)] Potassium Supplements and total body potassium in elderly patients. Age and Ageing; 13:238-42.<br> 28. [Graham DY (1986)] Effectiveness and tolerance of &quot;solid&quot; vs. &quot;liquid&quot; potassium replacement therapy. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker M, INC. New York, Basel. pp. 435-50. 29. [Ponce SP, Jennings AE, Madias NE, et al (1985)] Drug-induced hyperkalemia.Medicine; 64:357-70.<br> 30. [Kunau RT, Stein JH (1977)] Disorders of hypo- and hyperkalemia. Clin Nephrol; 7:173-90.<br> 31. [Al-Dujaili H, Salole EG, Florence AT (1983)] Drug formulation and oesophageal injury. Adverse Drug React. Acute Poison Revs; 2:235-56.<br> 32. [Bott SJ, McCallum RW (1986)] Medication-induced oesophageal injury. Survey of the literature. Med Toxicol; 1:449-57.<br> 33. [Lawson PH (1974)] Adverse reactions to potassium Chloride. Quart J Med; XLIII:433-40.<br> 34. [Durrence CW, Cooper JW (1984)] Gastrointestinal side effects associated with liquid and solid potassium Chloride in a geriatric long-term care facility. Curr Ther Res;36:550-6.<br> 35. [Kleinberg ML, Connors MC (1986)] Ostomy care. In: Davidson DE, Feldmann EG (eds): Handbook of non-prescription drugs. 8th ed. American Pharmaceutical Association, Washington. pp. 120-2.<br> 36. [Wills RW (1986)] Magnesium and potassium inter-relationships in cardiac disorders. Drugs; 31 (Suppl. 4):121-31.<br> 37. [Christofides ND, Ghatei MA, Bloom SR, et al (1982)] Decreased plasma motilin concentrations in pregnancy. Brit med J; 285:1453f.<br> 38. [Bloom Sr, Polak JM (1981)] Gut Hormones, 2nd ed. Churchill Livingstone, Edinburgh. pp. 276f. 39. [Goldszer RC, Coodley EL, Rosner MJ, et al (1981)] Hyperkalemia associated with indomethacin. Arch Intern Med; 141:802-4.<br> 40. [Akbarpour F, Afrasiabi A, Vaziri ND, et al (1985)] Severe hyperkalemia caused by indomethacin and potassium supplementation. Sth med J; 78:756f.<br> 41. [Rimmer JM, Horn JF, Gennari FJ (1987)] Hyperkalemia as a complication of drug therapy. Arch Intern Med; 147:867-9.<br> 42. [Tarpley EL (1974)] Controlled-release potassium supplementation. Curr Ther Res; 16:734-41.<br> 43. [Cooper I (1975)] Potassium supplementation during diuretic therapy. Curr Ther Res; 17:555-63.<br> 44. [Schwartz AB, Swartz Ch et al (1974)] Dosage of potassium Chloride elixir to correct thiazideinduced hypokalemia. J Am Med Ass; 230:702-4.<br> 45. [Ramsay LE, Boyle P, Ramsay MH (1977)] Factors influencing serum potassium in treated hypertension. Quart J Med; XLVI:401-10.<br> 46. Cloreto de Pot&#xE1;ssio: Overdosage (1982) In Information on overdosage with CIBA-GEIGY pharmaceuticals. CIBA-GEIGY AG. Basel, Switzerland.<br> 47. [Lakhani M (1986)] Complete heart block induced by hyperkalaemia associated with treatment with a combination of <a href=\"https://consultaremedios.com.br/captopril/bula\" target=\"_blank\">captopril</a> and spironolactone. Brit med J; 293:271.<br> 48. [Tannen RL (1986)] Drug interactions causing hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.467-76.<br> 49. [May RC, Mitch WE (1986)] The treatment of hyperkalemia. In: Whelton PK et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp.453-66.<br> 50. [L&apos;E Orme M (1986)] Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the kidney. Brit med J; 292:1621f.<br> 51. [Lofgren RP, Rothe PR, Carlson GJ (1982)] Jejunal Perforation associated with slow- release potassium chloride therapy. Sth med J; 75:1154f.<br> 52. [Mansfield JB, Schoenfeld FB, Suwa M, et al (1967)] Role of vascular insufficiency in drug-induced small bowel ulceration. Am J Surg; 113:608-14.<br> 53. [Bergmann KE, Ziegler EE, Fomon SJ (1974)] Water and renal solute load. In: Ponton SJ (eds): Infant Nutrition. 2nd ed. Saunders WB Company, Philadelphia. Chapter 10 pp.245-66.<br> 54. [Burnakis TG, Mioduch HJ (1984)] Combined therapy with captopril and potassium supplementation. A potential for hyperkalemia. Arch Intern Med; 144:2371f.<br> 55. [Schwartz AB (1986)] Balance, distribution, and reference ranges of potassium throughout the body. In: Whelton PK, et al. (eds): Potassium in cardiovascular and renal medicine. Dekker, New York, Basel. pp. 85-95.<br> 56. [Weiner N (1985)] Atropine, scopolamine, and related antimuscarinic drugs. In: Goodman and Gilman&apos;s (eds): The pharmacological basis of therapeutics. 7th ed. Macmillan Publishing, New York. Chapter 7, pp. 130-141.<br> 57. Clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6 and 4.8 of the CDS. Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 12 Jul 07.<br> 58. Non-clinical Safety Statement &#x2013; CDS Update of sections 4.6 and 5.3 Novartis Pharma AG. Basel, Switzerland. 13 Jul 07.<br> 59. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationContraindications. Novartis. 08-Nov-2011<br> 60. [2.5 Clinical Overview ] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information-Dosage and administration. Novartis. 08-Nov-2011<br> 61. [2.5 Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationInteractions and Clinical pharmacology. Novartis. 08-Nov-2011<br> 62. [2.4 Non-Clinical Overview ]Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product InformationNon-clinical safety data. Novartis. 08-Nov-2011<br> 63. [2.5 Clinical Overview] Rationale for changes to Core Data Sheet (CDS)/Product Information- topic Overdose (Pharmacobezoar Formation). Novartis. 14-Jul-2015.</br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></br></span></p> <h2>Caracter&#xED;sticas Farmacol&#xF3;gicas</h2> <hr> <p>O pot&#xE1;ssio, como o c&#xE1;tion intracelular mais abundante, desempenha um papel essencial em v&#xE1;rias fun&#xE7;&#xF5;es fisiol&#xF3;gicas importantes, incluindo a transmiss&#xE3;o de impulsos nervosos, contra&#xE7;&#xE3;o card&#xED;aca, esquel&#xE9;tica, e tecidos do m&#xFA;sculo liso, e a manuten&#xE7;&#xE3;o da fun&#xE7;&#xE3;o renal normal. Ela tamb&#xE9;m ajuda na regula&#xE7;&#xE3;o da press&#xE3;o osm&#xF3;tica e o equil&#xED;brio &#xE1;cido-base. concentra&#xE7;&#xF5;es de K + na gama de fluido intracelular 130-150 at&#xE9; 160 mmol / L e no plasma de 3,5 a 5 mmol / L . Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K + s&#xE3;o geralmente observada quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol / L (hipocalemia). Estes sinais incluem fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de fraqueza &#xE0; paralisia franca; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e &#xED;leo; e, mais freq&#xFC;entemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio com padr&#xF5;es de ECG caracterizadas por um intervalo prolongado PR, uma onda U exagerada, uma onda T larga e achatada, e um segmento ST deprimida.</p> <p>Hipocalemia pode ser prevenida e/ou corrigida pela administra&#xE7;&#xE3;o complementar de pot&#xE1;ssio. Al&#xE9;m de aumentar a ingest&#xE3;o de alimentos ricos em pot&#xE1;ssio, que pode n&#xE3;o ser sempre poss&#xED;vel, uma alternativa adequada &#xE9; administrar Cloreto de Pot&#xE1;ssio. Tendo em vista a frequ&#xEA;ncia com que os d&#xE9;ficits de K + e Cl coexistiem, cloreto de pot&#xE1;ssio &#xE9; o sal de prefer&#xEA;ncia para a maior parte do condi&#xE7;&#xF5;es cl&#xED;nicas associadas com hipocalemia.</p> <h3>Propriedades farmacocin&#xE9;ticas</h3> <h4>Absor&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Quando Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; dada numa dose &#xFA;nica de 5 ou 6 comprimidos revestidos com a&#xE7;&#xFA;car ou equivalente a 40 ou 48 mmol K +, KCl &#xE9; gradualmente libertado ao longo de um per&#xED;odo de aproximadamente 4 horas durante o seu tr&#xE2;nsito atrav&#xE9;s do TGI. O padr&#xE3;o de sua absor&#xE7;&#xE3;o &#xE9; tal que a excre&#xE7;&#xE3;o renal do KCl ocorre 30-60 minutos mais tarde do que quando a mesma dose &#xE9; administrada sob a forma de uma solu&#xE7;&#xE3;o.</p> <h4>Elimina&#xE7;&#xE3;o</h4> <p>Na presen&#xE7;a de equil&#xED;brio de pot&#xE1;ssio normal, aprox. 90% do pot&#xE1;ssio fornecido por Cloreto de Pot&#xE1;ssio &#xE9; excretado pelos rins dentro de 8 horas, e mais de 98% dentro de 24 horas.</p> <h3>Propriedades farmacodin&#xE2;micas</h3> <p>Embora n&#xE3;o haja nenhuma correla&#xE7;&#xE3;o uniforme entre as concentra&#xE7;&#xF5;es plasm&#xE1;ticas de pot&#xE1;ssio e armazenagem total do corpo, os sinais cl&#xED;nicos de defici&#xEA;ncia de K<sup>+</sup> s&#xE3;o geralmente observadas quando a concentra&#xE7;&#xE3;o de pot&#xE1;ssio no plasma cai abaixo de 3,5 mmol/L (hipocalemia). Estes sinais incluem: a fun&#xE7;&#xE3;o neuromuscular prejudicada, o que pode variar de m&#xED;nima fraqueza &#xE0; paralisia; dilata&#xE7;&#xE3;o intestinal e do &#xED;leo; e, mais frequentemente, anormalidades da fun&#xE7;&#xE3;o do mioc&#xE1;rdio.</p> <h3>Dados de Seguran&#xE7;a Pr&#xE9;-Cl&#xED;nica</h3> <p>A toxicidade oral de doses repetidas e agudas de cloreto de pot&#xE1;ssio em animais mostrou-se baixa. Foram observados efeitos gastrointestinais irritantes em macacos Rhesus, com doses orais elevadas de Cloreto de Pot&#xE1;ssio por 4,5 dias, embora n&#xE3;o tenham sido observados em babu&#xED;nos ap&#xF3;s doses orais elevadas por 28 dias.</p> <p>Alguns resultados positivos em testes de genotoxicidade <em>in vitro</em> foram atribu&#xED;dos &#xE0;s concentra&#xE7;&#xF5;es muito elevadas de cloreto de pot&#xE1;ssio. Os estudos de carcinogenicidade conduzidos em ratos que receberam cloreto de pot&#xE1;ssio na alimenta&#xE7;&#xE3;o foram negativos. As poucas informa&#xE7;&#xF5;es a partir de estudos em roedores n&#xE3;o indicaram qualquer efeito desfavor&#xE1;vel em seus descendentes. Nos estudos com ratos ou camundongos, n&#xE3;o se obteve evid&#xEA;ncias que o cloreto de pot&#xE1;ssio pudesse apresentar quaisquer efeitos teratog&#xEA;nicos ou de toxicidadereprodutiva que pudessem ser relevantes para o homem (Non-clinical Safety Statement, Novartis Pharma AG, Jul 07).</p> </hr>"}

Como devo armazenar o Solução de Cloreto de Potássio Isofarma?

Você deve conservar Isofarma – solução de cloreto de potássio em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade.

Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Este produto é frágil podendo sofrer avarias se colidido com materiais e estruturas perfuro cortantes ou impactos. Com o objetivo de manter a integridade do produto, as ampolas devem ser primordialmente armazenadas em caixa de acondicionamento de uso hospitalar, devidamente organizadas em posição vertical (com o bico da ampola sempre para cima) até o momento de sua dispensação.

Número de lote, data de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução límpida, incolor e isenta de partículas em suspensão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Apresentações do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

Solução para diluição para infusão&nbsp;100 mg/mL e&nbsp;191 mg/mL

Caixa contendo 120 ou 200 ampolas plásticas de polietileno transparente de 10 mL.

Via de administração: intravenosa.

Uso adulto e pediátrico.

Dizeres Legais do Solução de Cloreto de Potássio Isofarma

M.S -&nbsp;1.0311.0160

Resp. Técnico:
Caroline Fagundes do Amaral Lenza
CRF-GO n° 5554

Fabricado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Eusébio – CE

Registrado por:
Halex Istar Indústria Farmacêutica S.A
Br 153, Km 3, Conjunto Palmares
Goiânia-GO - CEP: 74775-027
CNPJ: 01.571.702/0001-98 - Insc. Estadual: 10.001.621-9
Indústria Brasileira




SAC
0800 646 650
sac@halexistar.com.br

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

Fabricante: Isofarma

© 2021 Medicamento Lab.